Políticas de formação (im)postas no Brasil

uma discussão a partir de narrativas docentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2024v16n38pe15211

Palavras-chave:

Formação Continuada, Políticas Educacionais, Narrativas

Resumo

Este estudo analisou narrativas docentes sobre as políticas de formação continuada recentemente implementadas no Brasil, como a BNC-Formação Continuada. Tais registros foram produzidos no contexto de um grupo de estudos, tendo como participantes professoras de Educação Básica que cursavam pós-graduação em Educação. As narrativas foram analisadas a partir da abordagem enunciativo-discursiva da linguagem. Concluiu-se que o estudo acerca das políticas de formação possibilita a compreensão de suas intencionalidades para além da literalidade do texto, configurando-se a escrita de narrativas como importante dispositivo de formação e diálogo entre universidade e escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaigo Antunes-Souza, Universidade Federal de São Paulo

Licenciado em Química (2012) e Doutor em Educação (2018) pela Universidade Metodista de Piracicaba. É professor adjunto da Universidade Federal de São Paulo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Química e Formação de Professores.

Luciana Haddad Ferreira, Universidade São Francisco

Docente e pesquisadora permanente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade São Francisco (PPGSSE/USF). Professora colaboradora do Departamento de Psicologia Educacional na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp - 2014).

Referências

ALBINO, Ângela Cristina Alves; SILVA, Andréia Ferreira da. BNCC e BNC da formação de professores: repensando a formação por competências. Revista Retratos da Escola, Brasília, v.13, n.25, p. 137-153, 2019. Disponível em: <https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/ article/view/966>. Acesso em: 8 abr. 2022.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética. São Paulo: Hucitec, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do Romance I: A estilística. São Paulo: Editora 34, 2015.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 10 jun. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF, 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 10 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n.2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, DF, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n.2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF, 2019. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file>. Acesso em: 10 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n.1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Brasília, DF, 2020. Disponível em: <https://www.in.gov.br/en/web /dou/-/resolucao-cne/cp-n-1-de-27-de-outubro-de-2020-285609724>. Acesso em: 10 jun. 2022.

BOURDIEU, Pierre. Espaço social e poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

COSTA, Eliane Miranda; MATOS, Cleide Carvalho de; CAETANO, Vivianne Nunes da Silva. Formação e trabalho docente: intencionalidades da BNC-Formação Continuada. Currículo sem Fronteiras, v.21, n.3, p. 1188-1207, 2021.

CURADO SILVA, Kátia Augusta Curado Pinheiro Cordeiro. Epistemologia da práxis na formação de professores: perspectiva crítico emancipadora. Revista de Ciências Humanas, v.31, n.2, p. 121-135, 2017. Disponível em: <http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadech/ article/view/2468>. Acesso em: 8 abr. 2022.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Nova tentativa de padronização dos currículos dos cursos de licenciatura no Brasil: a BNC-formação. Práxis Educacional, v.17, n.46, p. 1-19, 2021. Disponível em: <https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8916>. Acesso em: 8 jun. 2022.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FIORIN, José Luiz. Categoria de análise em Bakhtin. In: Paula, Luciane de; Stafuzza, Grenissa (Orgs.). Círculo de Bakhtin: Diálogos In Possíveis. Campinas: Mercado de Letras, v.2, 2011. p. 53-88.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

HYPOLITO, Álvaro Moreira. Padronização curricular, padronização da formação docente: desafios da formação pós-BNCC. Práxis Educacional, v.17, n.46, p. 1-18, 2021. Disponível em: <https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8915>. Acesso em: 8 jun. 2022.

MICHETTI, Miqueli. Entre a legitimação e a crítica: As disputas acerca da Base Nacional Comum Curricular. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v.35, n.102, e3510221, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/7NZC9VwjKWZKMv4SPQmTXPJ/abstract/?lang=pt>. Acesso em: 8 jun. 2022.

NÓVOA, Antonio. Escolas e Professores - Proteger, Transformar, Valorizar. Salvador: SEC/IAT, 2022.

PIRES, Manuella de Aragão; CARDOSO, Lívia de Rezende. BNC para formação docente: um avanço às políticas neoliberais de currículo. Série-Estudos, v.20, n.55, p. 79-93, 2020. Disponível em: <https://www.serie-estudos.ucdb.br/serie-estudos/article/view/1463>. Acesso em: 8 jul. 2022.

RODRIGUES, Larissa Zancan; PEREIRA, Beatriz; MOHR, Adriana. O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v.20, p. 1–39, 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/ article/view/16205>. Acesso em: 10 fev. 2022.

SILVA, Monica Ribeiro. Impertinências entre trabalho, formação docente e o referencial de competências. Revista Retratos da Escola, Brasília, v.13, n. 25, p. 123-135, 2019. Disponível em: <https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/965>. Acesso em: 8 jul. 2022.

XIMENES, Priscila de Andrade Silva; MELO, Geovana Ferreira. BNC - Formação de Professores: da completa subordinação das políticas educacionais à BNCC ao caminho da resistência propositiva. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.103, n.265, p. 739–763, 2022. Disponível em: <https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.103i265.5112>. Acesso em: 7 mar. 2023.

Downloads

Publicado

2024-01-30

Como Citar

PUCCI, Renata Helena Pin; ANTUNES-SOUZA, Thaigo; FERREIRA, Luciana Haddad. Políticas de formação (im)postas no Brasil: uma discussão a partir de narrativas docentes. Debates em Educação, [S. l.], v. 16, n. 38, p. e15211, 2024. DOI: 10.28998/2175-6600.2024v16n38pe15211. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15211. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.