A defesa da escola pública e gratuita a partir da concepção de homem e história do Materialismo Histórico e Dialético

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p94-104

Palavras-chave:

Materialismo Histórico-Dialético. Escola. História. Homem.

Resumo

Este artigo, derivado de um estudo teórico de uma tese em andamento, apresenta uma pesquisa bibliográfica visando a compreensão da contribuição da concepção do homem e história fundamentada no Materialismo Histórico-Dialético (MHD) na luta em defesa da escola pública e gratuita. O MHD foi elaborado por Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895), e criou meios para analisar cientificamente o funcionamento das sociedades e da história. Nele constata-se que o homem, como ser histórico, social e político, a partir do trabalho, transcendeu a natureza e, como consequência, acabou modificando a sua própria. Nessa perspectiva, a história da humanidade é a história da luta de classes e a escola pública e gratuita considera a educação como apropriação cultural, legitimando sua compreensão de que os seres humanos são o concreto e que, além de viver a história, também a criam, consequentemente, não é possível aceitar o determinismo da natureza humana que visa tornar pessoas meros objetos para melhor explorá-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susimeire Vivien Rosotti de Andrade, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Graduada em Licenciatura em Matemática (Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE-PR (2001), Mestre em Educação para a Ciência e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá - PR (2012) e Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação Matemática da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul-MS (UFMS). Atualmente é Professora Assistente do Colegiado de Matemática da Universidade Estadual do Oeste do Paraná- Campus Foz do Iguaçu. Participa do Grupo de Pesquisa Formação de Professores de Ciências e Matemática da UNIOESTE, Grupo de Pesquisa Formação e Educação Matemática da UFMS e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática da UFSM. Os temas e linhas de pesquisa e de atuação docente são: Educação Matemática, formação de professores que ensinam matemática, Atividade Pedagógica e Políticas Públicas Educacionais, tendo como base teórica a perspectiva Histórico-Cultural.

Patrícia Sandalo Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Possui graduação em Ciências Habilitação Plena Em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (1985), mestrado em Educação Matemática (1997) e doutorado em Educação Matemática (2005) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Rio Claro. Atualmente é Diretora do Instituto de Matemática, Docente do curso de Licenciatura em Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Docente do Doutorado em Ensino de Ciências da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS (2011/2013). Chefe do Departamento de Matemática da UFMS (2009/2010). Avaliadora CAPES de Projetos PIBID (2013). Editora-Chefe do Periódico Perspectivas da Educação Matemática da UFMS (2010-2013).Revisora e membro do corpo editorial de inúmeros periódicos.Coordenadora do Projeto CNPq Estado da arte das pesquisas em educação Matemática que tratam da formação de professores produzidas nos Programas de Pós-Graduação das regiões norte, nordeste e centro-oeste no Brasil a partir de 2005 (2011-2013). Coordenadora do projeto em rede Trabalho colaborativo com professores que ensinam Matemática na Educação Básica em escolas públicas das regiões Nordeste e Centro-Oeste, financiado pelo Programa Observatório da Educação - CAPES na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS (Instituição sede) (2013-2016). Colaboradora do Projeto Universal CNPq Mapeamento e estado da arte da pesquisa brasileira sobre o professor que ensina Matemática (2013-2016). Coordenadora adjunta do Grupo de Trabalho Formação de Professores que ensinam Matemática (GT 7) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (2015-2018). Membro do GT7 - Formação de professores que ensinam Matemática da SBEM. Líder do Grupo de Pesquisa FORMEM - Formação e Educação Matemática. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente com Formação de Professores (formação inicial, formação continuada e desenvolvimento profissional).

Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Possui Licenciatura em Matemática pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul/UNIJUI, (1988) mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/UNESP-Rio Claro(1997) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo/USP (2004). Faz Pós-Doutoramento na Universidade de São Paulo (USP). Foi professora da Rede Pública Estadual de Santa Catarina e da Universidade do Oeste de Santa Catarina/UNOESC. Atualmente é professora da Área de Educação Matemática, do Departamento de Metodologia do Ensino, do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria/ UFSM; dos cursos de Licenciatura em Matemática, Pedagogia e Educação Especial. É orientadora de mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE-UFSM e mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Ensino de Física/PPGEM&EF/UFSM. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, educação matemática, formação de professores, ensino e aprendizagem e prática pedagógica. Coordenadora do Núcleo UFSM do projeto "Educação matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental: Princípios e práticas da organização do ensino"- OBEDUC/CAPES. Coordenadora de Área do subprojeto Interdisciplinar Educação Matemática do PIBID/UFSM. Coordenadora do Clube de Matemática (projeto FIEX-UFSM). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática (GEPEMat-UFSM). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Atividade Pedagógica (GEPAPe/USP). Membro da SBEM - Sociedade Brasileira de Educação Matemática e da Anped -Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação.

Referências

ALVES, G. L. O Trabalho Didático na Escola Moderna: Formas Históricas. Campinas: Autores Associados, 2005.

BOTTO, C. Na Revolução Francesa, os Princípios Democráticos da Escola Pública, Laica e Gratuita: o Relatório de Concorcet. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v24n84/a02v2484.pdf > Acesso em: 10 dez. 2017.

CHAUI, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1997.

FORD, H. Minha vida e minha obra. Rio de Janeiro: Freitas Bastos S.A, 1964.

LEONTIEV, A.N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

KRAPÍVINE, V. Que é o Materialismo Dialético? Moscovo: Edições Progresso, 1986.

KONDER, L. Marx e a Sociologia da Educação. In: TURA, M. de L. R. (Org). Sociologia para Educadores. 4 ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2006.

KONDER, L. O que é Dialética. 2 ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1981.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Escala, 2009.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia Alemã: Feuerbach — a oposição entre as cosmovisões materialista e idealista. São Paulo: Martin Claret, 2010.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Tradução e introdução de Florestan Fernandes. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. Trabalho assalariado e capital. 1970. Disponível em: http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/3._Marx_Trabalho_Assalariado_e_Capital.pdf. Acesso em: 7 fev. 2018.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. Livro I. O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PARO, V. H. Administração escolar: introdução crítica. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PARO, V. H. Educação como exercício do poder: crítica ao senso comum em educação. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

TAYLOR. F. W. Princípios da administração científica.7 ed. São Paulo: Atlas, 1970.

Downloads

Publicado

2020-06-22

Como Citar

ANDRADE, Susimeire Vivien Rosotti de; PEREIRA, Patrícia Sandalo; LOPES, Anemari Roesler Luersen Vieira. A defesa da escola pública e gratuita a partir da concepção de homem e história do Materialismo Histórico e Dialético. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 94–104, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p94-104. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7600. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.