Percepções sobre a incorporação das TIC em cursos de licenciatura em Química no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n23p01-18

Palavras-chave:

Licenciatura em Química, TIC, Disciplinas com tecnologias.

Resumo

No processo de formação de professores se espera que estes não só apresentem sólidos conhecimentos dos conteúdos, mas também tenham conhecimento e domínio no uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), de forma que possam utilizar em suas práticas pedagógicas. Nesse sentido, este trabalho visa conhecer se e como as TIC estão inseridas nas ementas das disciplinas de alguns Cursos de Licenciatura em Química (CLQ) no Brasil. Para isso, realizamos uma abordagem quanti-qualitativa. Os resultados mostram que há uma média de menos de duas disciplinas obrigatórias com uso das TIC por CLQ analisado. Ademais, constatamos que poucas disciplinas analisadas incorporam as TIC com o objetivo do aluno (futuro professor) elaborar e/ou utilizar algum recurso didático digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela da Silva Reis, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Mestranda em Ensino de Ciências na Universidade Federal Rural de Pernambuco

Bruno Silva Leite, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Professor de Química e de Tecnologias no Ensino de Química da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Licenciado em Química (2008) e mestre no Ensino de Ciências (2011) pela UFRPE e Doutor em Química Computacional (2016) pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Tem experiência na área de Química e Ensino de Química: Em Química desenvolve pesquisas em Astroquímica e Química Computacional; Em Ensino de Química pesquisas sobre a aplicação das Tecnologias no Ensino, atuando nos seguintes temas: Recursos Didáticos Digitais, Web 2.0, Podcast, PLE, Hipermídia educacional, Vídeos Didáticos, processos de ensino e aprendizagem, estratégias didáticas e ambientes virtuais de aprendizagem. Coordena o Laboratório para Elaboração e Utilização de Tecnologias no Ensino de Química (LEUTEQ), o Grupo de pesquisa InPraMEQ (Investigação de Práticas Metodológicas no Ensino de Química) e é professor colaborador do Núcleo SEMENTE (Sistemas para Elaboração de Materiais Educacionais com o uso de novas Tecnologias) do Departamento de Química da UFRPE.

Marcelo Brito Carneiro Leão, Universidade Federal Rual de Pernambuco (UFRPE)

Pós-Doutor no uso das Tecnologias da Informaçao e Comunicaçao no Ensino de Ciências pela Universitat de Barcelona (2006). Doutor e Mestre em Química Computacional pela Universidade Federal de Pernambuco (1994 e 1999). Licenciado em Química pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1988). É Professor Titular da Universidade Federal Rural de Pernambuco, onde ministra aulas no Curso de Licenciatura em Química e no Programa de Pós-Graduaçao em Ensino de Ciências. Coordenador do Núcleo SEMENTE (Sistemas para a Elaboração de Materiais Educacionais com uso de Novas Tecnologias) da UFRPE. Vice-Reitor da Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE

Referências

AMBROGI, A.; VERSOLATO, E. F.; LISBOA, J. C. F. Unidades modulares de química. São Paulo: Hamburg, 1987.

AMBROGI, A.; LISBOA, J. C. F.; SPARAN, E. R. F. Química: habilitação para o magistério. São Paulo: Funbec/Cecisp, Harbra, 1990. Módulos 1, 2 e 3.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, Resolução CEB nº 3 de 26 de junho de 1998.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Secretaria de Educação Básica, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. 135 p, v.2.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: MEC/CNE, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf Acesso em: 13 de novembro de 2017.

CISCATO, C. A. M.; BELTRAN, N. O. Química: parte integrante do projeto Diretrizes Gerais para o Ensino de 2º Grau Núcleo Comum (convênio MEC/PUCSP). São Paulo: Cortez e Autores Associados, 1991.

COOK, A. M.; HUSSEY. Assistive Technologies: Principles and Practices. Mosby, Inc., 1995.

KARSENTI, T.; VILLENEUVE, S.; RABY C. O uso pedagógico das Tecnologias da Informação e da Comunicação na formação dos futuros docentes no Quebec. Educ. Soc., Campinas, v. 29, n. 104, out. 2008, p. 865-889.

LEÃO, M. B. C. Tecnologias na educação: uma abordagem crítica para uma atuação prática. Recife: EDUFRPE, 2011. 179 p.

LEITE, B. S.; LEÃO, M. B. C. Contribuição da Web 2.0 como ferramenta de aprendizagem: um estudo de caso. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 4, p. 288-315, set-dez. 2015.

LUTFI, M. Cotidiano e educação em química: os aditivos em alimentos como proposta para o ensino de Química no 2º grau. Ijuí: Editora Unijuí, 1988.

LUTFI, M. Os ferrados e os cromados: produção social e apropriação privada do conhecimento químico. Ijuí: Editora Unijuí, 1992.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. Química para o ensino médio. Volume único. São Paulo: Scipione, 2002.

PONTE, J. P.; OLIVEIRA, H.; VARANDAS, J. M. O contributo das tecnologias de informação e comunicação para o desenvolvimento do conhecimento e da identidade profissional. In: FIORENTINI, D. (Org.). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas: Mercado de Letras, 2003, p. 159-192.

REIS, R. S.; LEITE, B. S. LEÃO, M. B. C. Apropriação das Tecnologias da Informação e Comunicação no ensino de ciências: uma revisão sistemática da última década (2007-2016), RENOTE, v.15, n.2, 2017.

RICHT, A. Projetos em Geometria Analítica usando software de geometria dinâmica: repensando a formação inicial docente em Matemática. 2005. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2005.

SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S.; CASTRO, E. N. F.; SILVA, G. S.; MATSUNAGA, R. T.; FARIAS, S. B.; SANTOS, S. M. O.; DIB, S. M. F. Química e Sociedade: modelo de partículas e poluição atmosférica, mód. 2 e manual do professor. São Paulo: Editora Nova Geração, 2003.

SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S.; CASTRO, E. N. F.; SILVA, G. S.; MATSUNAGA, R. T.; FARIAS, S. B.; SANTOS, S. M. O.; DIB, S. M. F. Química e Sociedade: elementos, interações e agricultura, mód. 3 e manual do professor. São Paulo: Editora Nova Geração, 2004.

SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S.; CASTRO, E. N. F.; SILVA, G. S.; MATSUNAGA, R. T.; FARIAS, S. B.; SANTOS, S. M. O.; DIB, S. M. F. Química e sociedade. São Paulo: Editora Nova Geração, 2005.

SILVA, I. M.; TEIXEIRA, M. M.; LEÃO, M. B. C.; LINS, W. C. B. A inserção das tecnologias da informação e comunicação em currículos da Licenciatura em Química. Revista TEMÁTICA, ano X, n. 6, jun/2014.

SOUZA, J. I. R.; LEITE, Q. S. S.; LEITE, B. S. Avaliação das dificuldades dos ingressos no curso de licenciatura em Química no sertão pernambucano. Revista Docência do Ensino Superior, v. 5, n. 1, p. 135-159, 2015.

Downloads

Publicado

2019-04-25

Como Citar

REIS, Rafaela da Silva; LEITE, Bruno Silva; LEÃO, Marcelo Brito Carneiro. Percepções sobre a incorporação das TIC em cursos de licenciatura em Química no Brasil. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 01–18, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n23p01-18. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/5125. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.