História e cultura afro-brasileira na prática pedagógica escolar: possibilidades de organização do tempo curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n23p498-523

Palavras-chave:

História e cultura afro-brasileira. Prática pedagógica. Tempo curricular. Política curricular.

Resumo

Objetivamos analisar o tempo curricular nas práticas pedagógicas de valorização da História e Cultura Afro-Brasileira em duas escolas brasileiras. Abordamos prática pedagógica como uma ação social, realizada coletiva e institucionalmente; e tempo curricular como o instrumento que organiza o trabalho pedagógico da escola. O campo foi realizado em escolas públicas em Campinas/São Paulo e Salvador/Bahia. Assumimos os Estudos Pós-Coloniais Latino Americanos como abordagem teórico-metodológica em diálogo com a Afrocentricidade como posição epistemológica e adotamos a etnografia como metodologia. Na análise dos dados, adotamos a Análise de Conteúdo (AC), na perspectiva de Bardin. Os achados revelam que as diferentes formas de abordagem dos conteúdos, temas que constituem as práticas e situações didáticas que a ela dão corpo geram uma forma outra de pensar e fazer educação.

Biografia do Autor

Claudilene Silva, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB)

Apresenta uma trajetória de atuação que entrelaça cultura e educação. Possui graduação em Pedagogia (2004), Mestrado em Educação (2009) e Doutorado em Educação (2016) pela Universidade Federal de Pernambuco. Produtora cultural e pesquisadora da cultura afro-brasileira, entre os anos de 2005 e 2010 foi gerente do Núcleo da Cultura Afro-Brasileira da Prefeitura do Recife/Secretaria de Cultura. Atualmente é professora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Campus dos Malês – Bahia e membro do grupo de pesquisa Processos Sociais, Memórias e Narrativas Brasil/África – NYEMBA. Na área da educação sua experiência possui ênfase na formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo e prática pedagógica; didática e prática docente; relações étnico-raciais no espaço escolar; e identidade, cultura e resistência negra.

Eliete Santiago, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco (1971), mestrado em Educação: Supervisão e Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1987) e doutorado em Ciências da Educação - Universite de Paris V (Rene Descartes) (1994). Professora Titular do Departamento de Administração Escolar e Planejamento Educacional da Universidade Federal de Pernambuco, pesquisadora da Linha de Pesquisa em Formação e Professores e Prática Pedagógica do Programa de Pós Graduação em Educação da UFPE. Pesquisadora da "Rede Freireana de Pesquisadores" e coordenadora da Cátedra Paulo Freire da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional e Prática Pedagógica, atuando principalmente nos seguintes temas: Pedagogia Paulo Freire, formação de professores, currículo, prática pedagógica, profissionalização docente e questões étnico-raciais.

Referências

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma aposição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto de France. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2003.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, 2004.

CUNHA JR, Henrique. Afrodescendência e africanidades: um dentre os diversos enfoques possíveis sobre população negra no brasil. Revista Interfaces de Saberes. Caruaru v.1, nº 13, p. 1 – 13, 2013.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação e Contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. São Paulo: Cortez, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

______. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GATTI, Bernadete; BARRETO, Elba; ANDRÉ, Marli. Políticas Docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GOMES, Nilma Lino. Limites e Possibilidades da Implementação da Lei 10.639/03 no Contexto das Políticas Públicas em Educação. In: PAULA, Marlene; HERINGER, Rosana (Orgs.). Caminhos Convergentes: Estado e Sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll, ActionAid, 2009.

______ (Org.). Práticas Pedagógicas de Trabalho com Relações Étnico-Raciais na Escola na Perspectiva da Lei 10.639/03. Brasília: MEC; UNESCO, 2012.

GONÇALVES E SILVA, Petronilha Beatriz. Lei nº 10.639/2003 – 10 ANOS. Revista Interfaces de Saberes, Caruaru, v. 1, nº 13, p. 1–13, 2013.

GONÇALVES, Luís Alberto. O silêncio: um ritual pedagógico a favor da discriminação. 1985. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1985.

MACHADO, Vanda. Mitos afro-brasileiros e vivências educacionais. 2015. Disponível em: http://educacao.salvador.ba.gov.br/wordpress/wp-content/uploads/2015/05/mitos.pdf?98791b. Acesso em: 10 set. 2015.

MUNANGA, Kabengele. Uma Abordagem Conceitual das Noções de Raça, Racismo, Identidade e Etnia. Cadernos PENESB-5. Programa de Educação Sobre o Negro na Sociedade Brasileira – Niterói, EdUFF, 2000.

NOBLES, W. Wade. Sakhu Sheti: retomando e reapropriando em foco psicológico afrocentrado. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes. Histórias da África e dos Africanos na escola: tensões políticas, epistemológicas e indenitárias na formação docente. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, p. 1-18, São Paulo, julho 2011.

OLIVEIRA, Eduardo. Filosofia da ancestralidade como filosofia africana: Educação e cultura afro-brasileira. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Brasília, n. 18, p. 28-47, maio-out/2012, 2012.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes. A Etnografia Ajuda a Entender as Relações Raciais na Escola? 2013. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/rev_edu_online.php?strSecao=show11&fas=51. Acesso em: 15 maio 2013.

QUEIROZ, Martha Rosa Figueira de. Religiões afro-brasileiras no Recife: policiais, intelectuais e repressão. 1999. Dissertação (Mestrado em História) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1999.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. CLACSO, Buenos Aires: Argentina, 2005 (Colección Sur Sur).

SANTIGO, Maria Eliete. Escola Pública de Primeiro Grau: da compreensão à intervenção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

______. Formação, Currículo e Prática Pedagógica em Paulo Freire. In: BATISTA NETO, José; SANTIAGO, Eliete (Orgs.). Formação de Professores e Prática Pedagógica. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Ed. Massangana, 2006.

SILVA, Claudilene. O Processo de Implementação da Lei nº 10.639/03 na Rede Municipal de Ensino do Recife. In: AGUIAR, Márcia Ângela da S. et al. (Org.). Educação e Diversidade: estudos e pesquisas. Recife: Gráfica J. Luiz Vasconcelos Ed., 2009.

______. Professoras Negras: identidades e práticas de enfrentamento do racismo no espaço escolar. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013 (Coleção Etnicorracial).

SILVA, Maria do Socorro. As Práticas Pedagógicas das Escolas do Campo: a escola na vida e a vida como escola. 2009. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

SOUZA, João Francisco. Prática Pedagógica e Formação de Professores. In: BATISTA NETO, José; SANTIAGO, Maria Eliete (Orgs.). Formação de Professores e Prática Pedagógica. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, colonialidade y educación. Revista Educación y Pedagogia, Medellín, Universidade de Antioquia, Facultad de Educación, vol. XIX, núm. 48, p. 25 – 35, Mayo–agosto, 2007.

Downloads

Publicado

25/04/2019

Como Citar

SILVA, C.; SANTIAGO, E. História e cultura afro-brasileira na prática pedagógica escolar: possibilidades de organização do tempo curricular. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 498–523, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n23p498-523. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6214. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê "Abordagens pedagógicas interdisciplinares para a educação das relações étnico-raciais"