Políticas educacionais, cultura e história afro-brasileiras e africanas

“capulana: um pano estampado de histórias”

Autores

  • Lidiane Cossetin Alves Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Lourdes Kaminski Alves Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe16636

Palavras-chave:

Literatura Infantil, Política Educacional, Crítica Literária, Antirracismo

Resumo

Expomos as relações entre a cultura afro-brasileira e africana e as Políticas Educacionais do Brasil, por meio da análise literária da obra “Capulana: um pano estampado de histórias” (Lima; Lemos, 2014), sobre o que expressam as Leis nº 10.639/2003, nº 11.645/2008 e nº 9.099/2017 – PNLD. Buscamos compreender se a obra literária em questão apresenta os dispostos nas políticas educacionais sobre a expressividade cultural afro-brasileira e africana, inserida nas instituições públicas de ensino básico no país. O estudo qualitativo, documental e bibliográfico retoma teóricos da Educação, Decolonialidade, Crítica Literária Infantil e Afro-infantil. Concluímos que a obra “Capulana” abrange o antirracismo, a cultura e a história afro-brasileira e africana, atendendo aos dispostos legais e ampliando-os.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Cossetin Alves, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Mestre em Letras e Graduada em Letras-Português/Espanhol pela mesma instituição.

Lourdes Kaminski Alves, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduada em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1985),  Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (1996), Doutora em Literatura Comparada e Teoria Literária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp (2003). Atualmente, permanece como pesquisador Sênior na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, atuando na Pós-graduação.

Referências

BERTH, J. Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro, Pólen, 2019.

BRASIL. Decreto-lei nº 93, de 21 de dezembro de 1937. Cria o Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1937.

BRASIL. Decreto nº 7.559, de 1º de setembro de 2011. Dispõe sobre o Plano Nacional do Livro e Leitura - PNLL [...]. Brasília: Presidência da República, 2011.

BRASIL. Decreto nº 9.099, de 18 de julho de 2017. Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro e do Material Didático. Brasília: Presidência da República, 2017.

BRASIL. Decreto nº 91.542, de 19 de agosto de 1985. Institui o Programa Nacional do Livro Didático, dispõe sobre sua execução e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1985.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2003a.

BRASIL. Lei nº 10.753, de 30 de outubro de 2003. Institui a Política Nacional do Livro. Brasília: Presidência da República, 2003b.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília: Presidência da República, 2008.

BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Portaria nº 19, de 12 de abril de 2023. Divulga o resultado final da avaliação pedagógica das Obras Literárias inscritas e validadas no âmbito do Edital de Convocação CGPLI nº 1/2021 - PNLD 2023 [...]. Brasília: MEC, 2023.

BRASIL. Resolução nº 7, de 20 de março de 2009. Dispõe sobre o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE). Brasília: Ministério da Educação, 2009.

CANDIDO, A. Educação pela noite & outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

COSSETIN ALVES, L. COSSETIN, M. SCHWEIG, T. L. Literatura infantil e antirracismo: Amoras, de Emicida. Identidade!, São Leopoldo, v. 27, n. 2, p. 159-184, jul./dez. 2022.

COSSETIN, M. As Políticas Educacionais no Brasil e o movimento Todos pela Educação: parcerias público-privadas e as intencionalidades para a educação infantil. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

COSSETIN, M.; DOMICIANO, C. A.; FIGUEIREDO, I. M. Z. A Unesco e a Declaração de Incheon: o protagonismo do setor privado na Agenda Mundial para Educação 2030. Educere et Educare, [S. l.], v. 15, n. 37, 2021.

FREIRE, M. G. Lendo a Ilustração ou Ilustrando a leitura. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO SOBRE LIVRO E HISTÓRIA EDITORIAL, 1., 2004, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, 2004. p.1-11.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

INSTITUTO Pró-Livro. ITAÚ Cultural. Retratos da leitura no Brasil. São Paulo: Instituto Pró-Livro, Itaú Cultural, Ibope Inteligência, 2020.

LIMA, H. P.; LEMOS, M. Capulana: um pano estampado de histórias. São Paulo, Scipione, 2014

MARTINS, A.; COSSON, R. Representação e identidade: política e estética étnico-racial na literatura infantil e juvenil. In: PAIVA, A.; SOARES, M. Literatura infantil: políticas e concepções. São Paulo: Autêntica, 2008. p. 4-4. [Livro eletrônico].

MUNANGA, K. Negritude: usos e sentidos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

NASCIMENTO, A. O negro revoltado. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PAIVA, A. A produção literáriapara criançaS: onipresença e ausência das temáticas. In: PAIVA, A.; SOARES, M. Literatura infantil: políticas e concepções. São Paulo: Autêntica, 2008. p. 3-3. [Livro eletrônico].

PEREIRA, E. M.; COSSETIN, M.; GARCIA, T. O Programa Jovem de Futuro no Pará e as implicações para o Direito Humano à Educação – DHE. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 79, p. 69-114, 2023.

PESTANA, C. V. A. A literatura afro-infantil: representação e representatividade. Literafro: Portal de Literatura Africana, [2019]. p.1-9. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/artigos/artigos-teorico-criticos/1545-cristiane-pestana-a-literatura-afro-infantil-representacao-e-representatividade. Acesso em: 2 out. 2023.

ROCHA, K. C. E.; ROCHA, E. C. A. A literatura e a representação feminina em Dandara, a heroína negra de Palmares. Ipotesi, Juiz de Fora, v. 23, n. 1, p. 43-54, 2019.

SANTOS, D. N. Baú de Capulanas: utilização da capulana na construção de um material didático sobre o feminino em Moçambique. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em História da África) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017.

SAVIANI, D. Política educacional brasileira: limites e perspectivas. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, n. 24, p. 7-16, 2008.

Downloads

Publicado

2023-12-20

Como Citar

ALVES, Lidiane Cossetin; KAMINSKI ALVES, Lourdes. Políticas educacionais, cultura e história afro-brasileiras e africanas: “capulana: um pano estampado de histórias”. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e16636, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe16636. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/16636. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Políticas Educacionais na América Latina: retrocessos e perspectivas

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.