A participação das crianças na elaboração e efetivação dos currículos na educação infantil

uma condição fundamental para promover o processo de humanização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n33p195-218

Palavras-chave:

educação infantil, currículo, formação humanizadora

Resumo

O texto tem por objetivo refletir sobre a elaboração e efetivação de currículos na Educação Infantil. Discute resultados de pesquisa realizada em uma escola municipal de Manaus, que investigou o trabalho educativo de professoras da pré-escola. Os instrumentos metodológicos incluíram a pesquisa participativa e entrevistas com crianças de quatro e cinco anos de idade. Os registros foram feitos em caderno de campo, gravação em áudio e vídeo e compuseram os dados analisados com o auxílio da Teoria Histórico-Cultural e da Pedagogia Histórico-Crítica. O estudo revelou a necessidade de transformar práticas pedagógicas a fim de organizar um currículo que propicie maior participação das crianças e contribua para a formação humanizadora de todos os sujeitos da Educação Infantil.

Biografia do Autor

Ilaine Inês Both, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Graduada em Pedagogia pela Universidade de Passo Fundo (UPF), com Especialização em Pré-Escola e Alfabetização pela Faculdade de Ciências e Letras Plínio Augusto do Amaral (FCLPAA), Mestre em Educação pela UPF e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É professora da Faculdade de Educação da UFAM. Integra o Grupo de Pesquisa Teoria Histórico-Cultural e Pedagogia, e o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Infâncias. Desenvolve atividades de ensino, extensão e pesquisa voltadas para a formação de professores e os processos educativos na Educação Infantil a partir dos pressupostos da Teoria Histórico-Cultural.

Michelle de Freitas Bissoli, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Possui graduação em Pedagogia (1996), Mestrado (2001) e Doutorado (2005) em Educação pela Faculdade de Filosofia e Ciências - UNESP/ Marília e Pós-Doutorado (2010) pela USP. Atualmente, é professor Associado IV da Universidade Federal do Amazonas, onde atua no Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação e Infâncias e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Atuou na Educação Básica (Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental). Foi Membro do Corpo Editorial da Revista Amazônida (2007-2009); Coordenadora do Curso de Especialização em Educação Infantil (2008); membro da Coordenação Ampliada do PPGE/UFAM (2012) e membro do Núcleo Docente Estruturante da FACED/UFAM (2015-2018). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em ensino-aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: formação do leitor, literatura infantil, Teoria Histórico-Cultural, formação de professores e Educação Infantil. ORCID ID http://orcid.org/0000-0002-2570-4392

Aline de Andrade Barroso Moraes, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Graduada em Pedagogia (2005) e Especialista em Educação Infantil (2012) pela Universidade Federal do Amazonas. Mestre em Educação (2015) pela UFAM. Atuou como professora na Educação Infantil pela SEMED ? Manaus, de 2000 a 2016, e como formadora de professores de Educação Infantil, na Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério - DDPM/SEMED, em 2017 e 2018. Faz parte do Grupo de Pesquisa ?Teoria Histórico-Cultural, Infância e Pedagogia? da UFAM. Tem interesse pelos estudos que contemplam as crianças da Educação Infantil, principalmente os que abordam os processos de apropriação da cultura letrada pela criança e formação de leitores; literatura infantil; Formação de professores da Educação Infantil e Teoria Histórico-Cultural. Atualmente está licenciada para se dedicar à pesquisa de doutorado, cujo objeto é a formação continuada de professores da Educação Infantil e a literatura.

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed., 10. reimpr. rev. e ampl. São Paulo, SP: Boitempo, 2009.

ARCE, A. O Referencial Curricular nacional para a Educação Infantil e o espontaneísmo: (re) colocando o ensino como eixo norteador do trabalho pedagógico com crianças de 4 a 6 anos. In: ARCE, A.; MARTINS, L. M. (orgs.). Quem tem medo de ensinar na Educação Infantil? Em defesa do ato de ensinar. Campinas, SP: Alínea, p. 13-36, 2007.

ARIOSI, C. M. F. A. A Base Nacional Comum Curricular para Educação Infantil e os campos de experiência: reflexões conceituais entre Brasil e Itália. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 6, n. 15, p. 241-256, 2019.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BOTH, I. I. Esvaziamento do trabalho educativo na pré-escola, suas causas e implicações na formação das crianças: investigação em uma unidade escolar pública municipal em Manaus. 2016, 325f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2016.

BISSOLI, M. F. Educação e desenvolvimento da personalidade da criança: contribuições da Teoria Histórico-Cultural. 2005. 281f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências. Marília, 2005.

BARBOSA, R. F. M.; MARTINS, R. L. D. R.; MELLO, A. da S. A Educação Infantil na Base Nacional Comum Curricular: avanços e retrocessos. Movimento-Revista de Educação. Niterói, n. 10, p. 147-172, jan./jun. 2019. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32667/18810>. Acesso em: 10 dez. 2020.

BARROS, F. C. O. M. de. Práticas pedagógicas na educação infantil: a construção do sentido da escola para as crianças. 2014. 166f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. MEC.SEF. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF,1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Parecer CNE/CEB nº 020/09, aprovado em 11 de novembro de 2009. Relator: Raimundo Moacir Mendes Feitosa. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

CAMPOS, M. M. Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na pesquisa científica. In: CRUZ, S. H. V. (org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, p. 35-51, 2008.

CAMPOS; R. F.; DURLI, Z.; CAMPOS, R. BNCC e privatização da Educação infantil: impactos na formação de professores. Revista Retratos da Escola. Brasília, v. 13, n. 25, p. 169-185, jan./maio 2019.

CISNE, M. F. As bases ontológicas do processo de apropriação do conhecimento e seus desdobramentos para a Educação Infantil. 2014. 318f. Tese (Doutorado em Educação). UFSC, Florianópolis, 2014.

CRUZ, S. H. V. Prefácio. Ouvir crianças: uma tarefa complexa e necessária. In: SOUZA, M. P. R. (org.). Ouvindo crianças na escola: abordagens e desafios metodológicos para a psicologia. 1. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 11-19, 2010.

CRUZ, S. H. V. Apresentação. In: CRUZ, S. H. V. (org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, p. 11-31, 2008.

CURY, C. R. J. Educação e contradição. 2. ed. São Paulo: Editora Cortez: Autores Associados, 1986.

DEMARTINI, Z. B. F. Diferentes infâncias, diferentes questões para a pesquisa. In: MARTINS FILHO, A. J.; PRADO, P. D. (orgs.). Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 3. ed. rev. e ampl. – Campinas SP: Autores Associados, 2001b.

DUARTE, N. Lukács e Saviani: a ontologia do ser social e a pedagogia histórico-crítica. In: SAVIANI, D.; DUARTE, N. (orgs.). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, p. 37-57, 2012.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana – 2. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

DUARTE, N. A individualidade para-si: contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo. 2. ed. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 1999.

ELKONIN, D. B. Psicologia do Jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. Versão para eBook. Edição eletrônica: ebooks.Brasil. Ed. Ridendo Castigat Mores, 1999. Disponível em: <http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/macaco.pdf>. Acesso em: 16 dez. 2014.

GANDINI, L.; GOLDHABER, J. Duas reflexões sobre a documentação. In: GANDINI, L.; EDWARDS, C. Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. Tradução de D. E. Burguño. Porto Alegre: Artmed, p. 150-169, 2002.

GARCIA, L. dos S. N.; MALDONADO, M. M.C. Infância e Currículo: uma articulação inevitável e necessária. Currículo sem Fronteiras, v. 19, n.3, p. 1094-1114, set./dez. 2019. Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/art_v19.html>. Acesso em: 05 ago. 2020.

GOBBI, M. A. Num click: meninos e meninas nas fotografias. In: MARTINS FILHO, A. J.; PRADO, P. D. (orgs.). Das pesquisas com crianças à complexidade da Infância. Campinas, SP: Autores Associados, p. 129-157, 2011.

HOBSBAWM, E.; RANGER, T. A invenção das tradições. RJ: Paz e Terra, 1990.

KOHAN, W. O. Visões de filosofia: infância. Revista Alea. Vol. 17/2, p. 216-226, jul./dez. 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/alea/v17n2/1517-106X-alea-17-02-00216.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2020.

KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 2004.

KRAMER, S. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisas. n.116, p. 41-49, jul. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/n116/14398.pdf>. Acesso em: 17 mar. 2014.

LEONTIEV A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 6. ed. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social. 2. Tradução Nélio Schneider, Ivo Tonet, Ronaldo Vielmi Fortes. São Paulo: Boitempo, 2013.

MACEDO, E. “A base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, M. A. da S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliações e perspectivas. Recife, ANPAE, p. 28-33, 2018.

MACEDO, R. S. Atos de currículos: uma incessante atividade etnometódica e fonte de análise de práticas curriculares. Currículo sem Fronteiras. v. 13, n.3, p. 427-435, set./dez. 2013. Disponível em: <https://formacce.ufba.br/sites/formacce.ufba.br/files/roberto_sidnei.pdf>. Acesso em: 05 de nov. 2020.

MAGALHÃES, C.; et al. Planejando a ação docente para o máximo desenvolvimento na infância. O lugar da professora e do professor em uma proposta pedagógica promotora de desenvolvimento. In: COSTA, S. A. da; MELLO, S. A. (orgs.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. 1 ed. Curitiba, PR: CRV, p. 219-230, 2017.

MARTINEZ, A. P. de A. O lugar da professora e do professor em uma proposta pedagógica promotora de desenvolvimento. In: COSTA, S. A. da; MELLO, S. A. (orgs.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. 1 ed. Curitiba, PR: CRV, p. 65-75, 2017.

MARTINS FILHO, A. J. Jeitos de ser criança: balanço de uma década de pesquisas com crianças apresentadas na Anped. In: MARTINS FILHO, A. J.; PRADO, P. D. (orgs.). Das pesquisas com crianças à complexidade da Infância. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

MARTINS, J. de S. (coord.). O massacre dos inocentes: a criança sem infância no Brasil. 2. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 1993.

MARTINS, L. M. A brincadeira de papéis sociais e a formação da personalidade. In: ARCE, A.; DUARTE, N. (orgs.). Brincadeira de papéis sociais na educação infantil: as contribuições de Vigotski, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã, p. 27-50, 2006.

MARTINS, L. M. Da formação humana em Marx à crítica da pedagogia das competências. DUARTE, N. (org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

PASQUALINI, J. C.; MARTINS, L. M. Dialética singular-particular-universal: implicações do método materialista dialético para a psicologia. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 27, n. 2, p. 362-371, ago. 2015. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v27n2p362>. Acesso em 28 out. 2020.

MARX, K. Manuscritos Econômicos-Filosóficos. Tradução, apresentação e notas, Jesus Ramieri. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

MEIRA, M. E. M. Práticas educativas e a produção da subjetividade na escola contemporânea. MILLER, S.; BARBOSA, M. V.; MENDONÇA, S. G. de L. (orgs.). Educação e Humanização: as perspectivas da teoria histórico-cultural. Jundiaí: Paco Editorial, p. 161-172, 2014.

MELLO, S. A. A escuta como método nas relações na escola da infância. In: COSTA, S. A. da; MELLO, S. A. (orgs.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. 1 ed. Curitiba, PR: CRV, p. 87-96, 2017.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

MOURA, M. O. A educação escolar: uma atividade. In: SOUZA, N. M. M. de (Org.). Formação continuada e as dimensões do currículo. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, p. 85-107, 2013.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PASQUALINI, J. C. Princípios para a organização do ensino na Educação Infantil na perspectiva Histórico-Cultural: um estudo a partir da análise da prática do professor. 2010, 268f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Araraquara, 2010.

PEREIRA, F. H. Campos de experiências e a BNCC: um olhar crítico. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 22, n. 41, p. 73-89, jan./jul. 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2020v22n41p73/43 0 45>. Acesso em: 04 set. 2020.

PRESTES, Z. Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

QUINTEIRO, J. Infância e Educação no Brasil: um campo de estudo em construção. In: FARIA, A. L. G. de; DEMARTINI, Z. de B. F.; PRADO, P. D. (orgs.). Por uma cultura da infância: metodologia de pesquisa com crianças. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, p. 19-47, 2005.

QUINTEIRO, J. Sobre a emergência de uma sociologia da Infância: contribuições para o debate. Perspectiva. Florianópolis. n. 20 n. Especial. p. 137-162, jul/dez 2002. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/ 10282/9553>. Acesso em 16 out. 2012.

SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. Tradução Ernani F. da Fonseca Rosa. 4 ed. Artmed, 1998.

SARMENTO, M. J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da Sociologia da Infância. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 91, p. 361-378. maio/ago. 2005. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 10 jun. 2012.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 15. ed. – Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

SILVA, J. P. da; BARBOSA, S. N. F.; KRAMER, S. Questões teórico-metodológicas da pesquisa com crianças. In: CRUZ, S. H. V. (org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, p. 79-101, 2008.

SILVA, L. N. D. E. Discurso de colação de grau proferido pela Profª. Drª. Luelí Nogueira Duarte e Silva, Diretora da Faculdade de Educação da UFG, aos formandos de pedagogia e psicologia 2019/2, em 30 de janeiro de 2020. Inter Ação, v. 45, n. 1, p. 214-217, 15 maio 2020. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/view/62886>. Acesso em: 18 jun. 2020.

SILVA, L. H. G. da; STRANG, B. de L. S. A obrigatoriedade da educação infantil e a escassez de vagas em creches e estabelecimentos similares. Pro-Posições vol.31, e.20160069, Campinas, SP, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072020000100512>. Acesso em: 14 out. 2020.

SILVEIRA, D. de B. Falas e imagens: a escola de educação infantil na perspectiva das crianças. 2005. 175f. Tese (Doutorado em Educação) – UFSCAR, São Carlos, 2005.

SOUZA, M. P. R. de. A psicologia ouvindo crianças na escola: abordagens qualitativas e desafios metodológicos. In: SOUZA, M. P. R. (org.). Ouvindo crianças na escola: abordagens e desafios metodológicos para a psicologia. São Paulo: Casa do Psicólogo, p.7-10, 2010.

SPINELLI, C. S. As metodologias de pesquisa com crianças na escola: o “ouvir” como uma tendência. 2012, 335f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2012. Disponível em: <http://ppge.ufsc.br/teses-e-dissertacoes/>. Acesso em: 17 jan. 2014.

VIGOTSKII, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 6. ed. Tradução Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo, p. 103-142, 1998.

VIGOTSKI, L. S. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais. Rio de Janeiro, UFRJ, n. 8, abr. 2007.

VIGOTSKI, L. S. Sete aulas de L. S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Organização [e tradução]: Zoia Prestes e Elizabeth Tunes; tradução: Cláudia da Costa Guimarães Santana. Rio de Janeiro: E-Papers, 2018.

VITÓRIA, T. Entrevista com Rita Coelho. Debates em Educação, [S. l.], v. 8, n. 16, p. 01-10, 2016. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2810. Acesso em: 29 set. 2021.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas IV: Psicología Infantil. Madrid: A. Machado Libros, 2006.

Downloads

Publicado

22/12/2021

Como Citar

BOTH, I. I.; BISSOLI, M. de F.; MORAES, A. de A. B. A participação das crianças na elaboração e efetivação dos currículos na educação infantil: uma condição fundamental para promover o processo de humanização. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 33, p. 195–218, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n33p195-218. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12656. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)