Entre o “dito” e o “não-dito”

uma análise crítica da BNCC e do RCA para a educação infantil na rede de educação do Amazonas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14nEspp26-43

Palavras-chave:

Educação Infantil, BNCC, RCA, Discursos “ditos” e “não-ditos”

Resumo

O texto faz uma reflexão acerca da Base Nacional Comum Curricular-BNCC e do Referencial Curricular Amazonense-RCA para a Educação Infantil, transitando entre o “dito” e o “não-dito”, o que contribuiu para desvelar e revelar algumas maquinações que estão presente no conteúdo dos documentos, mas que de forma sutil, são mascaradas por um texto romântico e homogeneizador. Nas “escavações” que fomos fazendo ao longo das leituras, do acompanhamento do percurso de elaboração do RCA e das etapas de implementação da BNCC na rede de Educação do Amazonas, estabelecemos um processo de análise crítica, que nos permitiu evidenciar discursos e estratégias que acabam por normatizar as práticas docentes e, de certa forma, padronizar as ações destinadas às crianças nos espaços de Educação Infantil.

Biografia do Autor

Roberto Sanches Mubarac Sobrinho, Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Professor Associado da Universidade do Estado do Amazonas. Mestre e Doutor em Educação, com aprofundamento de estudos em Sociologia da Infância. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação da UEA. Grupo de Pesquisa, Infância e Educação no Contexto Amazônico. rsobrinho@uea.edu.br  https://orcid.org/0000-0003-4893-0883

Célia Aparecida Bettiol, Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Professora Adjunta da Universidade do Estado do Amazonas. Mestra e Doutoranda em Educação. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da UEA. Coordenadora do Curso de Pedagogia Intercultural Indígena. Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Escolar Indígena e Etnografia. celiabbettiol@gmail.com  https://orcid.org/0000-0002-0313-494X

Referências

ABRAMOWICZ, Anete; CRUZ, Ana Cristina J.; MORUZZI, Andrea Braga. Alguns apontamentos: a quem interessa a Base Nacional Comum Curricular para a Educação Infantil?. Debates em Educação, [S. l.], v. 8, n. 16, p. 46, 2016. DOI: 10.28998/2175-6600.2016v8n16p46. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2385. Acesso em: 7 dez. 2021.

ALBUQUERQUE, Gabriela Fiúza Oliveira; ALMEIDA, Ilda Neta Silva de; CARVALHO, Valter Domingos Rezende. A Concepção do Brincar na Base Nacional Comum Curricular. Revista Multidebates, v.4, n.2 Palmas-TO, junho de 2020.

AMAZONAS. Plano Estadual de Educação. Lei. 4.183 de 26 de junho de 2015. Manaus: Diário Oficial do Estado do Amazonas, 2015.

AMAZONAS. Referencial Curricular Amazonense para a Educação Infantil. Manaus: Conselho Estadual de Educação, 2019.

ARCE, Alessandra. Compre um kit neoliberal para a educação infantil e ganha grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Campinas-SP. Educação e Sociedade, ano XXII, n. 74, abril/2001.

BARBOSA, Ivone Garcia; SILVEIRA, Telma Aparecida Teles Martins; SOARES Marcos Antônio. A BNCC da Educação Infantil e suas contradições: regulação versus autonomia Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 77-90, jan./mai. 2019.

BARBOSA, Raquel Firmino Magalhães; MARTINS, Rodrigo Lema Del Rio; MELLO, André da Silva. A Educação Infantil na Base Nacional Comum Curricular: avanços e retrocessos. Movimento-Revista de Educação, Niterói, ano 6, n.10, p. 147-172, jan./jun. 2019.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG,1998.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Brasiliense, 1988. (apostilado)

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB, 9394/96. 4. ed. – Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília, DF, 2017.

BRASIL/MEC/ CNE/CEB. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil. Resolução CNE/CEB 5/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de dezembro de 2009.

BOURDIEU, Pierre. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

BOURDIEU, P. Classificação, desclassificação, reclassificação. In NOGUEIRA, M. A. e CATANI, A. Escritos em educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1999, p. 145-183.

BOURDIEU, P. Violência Simbólica e Lutas Políticas. In: Meditações Pascalianas. Bertrand Brasil, 2001. p. 199-233.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004

BUJES, Maria Izabel Edelweiss. Que infância é está ?. ANPED, 2000. Disponível em: https://www.anped.org.br/biblioteca/item/que-infancia-e-esta. Acesso em: 06.11.2021.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.240-255, Jul/Dez 2011

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CHARLOT, Bernard. A mistificação pedagogia: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

CURY, Carlos R. Jamil. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 5. ed. São Paulo: Cotez, 1992.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Forense Universitária, 1968. (Apostilado).

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAUT, Michel. Em defesa da sociedade. 4ª tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2005

FOUCAUT, Michel. Vigiar é punir. 34. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 1987.

FOUCAUT, Michel. Microfísica do Poder. 15. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). História social da infância no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

GHEDEZ, Annie. Foucault: iniciação e debate. São Paulo: Melhoramento-USP, 1997.

KRAMER, Sônia (Org.). Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1996

KRAMER, Sônia. (Org.). Infância e Educação Infantil. Campinas, SP: Papirus, 1999. (Coleção Prática Pedagógica).

LARAIA, Roque de Barros. Cultura - um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.

MARTINS, José de Souza (Org.). O Massacre dos inocentes: a criança sem infância no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1993.

PINTO, Manuel; SARMENTO Manuel Jacinto. (Orgs.). As crianças: contexto e identidades. Braga, Portugal: Centro de Estudos da Criança. 1997.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

RODRIGUES, José Carlos. A infância e o poder. In: Ensaios em Antropologia do Poder. Rio de janeiro : Terra Nova, 1992. p.119-138.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Instituto de Estudos da Criança: Universidade do Minho, 2003.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Imaginário e Culturas da Infância. Instituto de Estudos da Criança: Universidade do Minho, 2002.

SAVIANI, Dermerval. A nova lei da educação: LDB trajetória, limites e perspectivas. São Paulo: Autores Associados, 2000.

VASCONCELOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manoel Jacinto (Orgs.). Infância (in)visível. Araraquara: SP: Junqueira & Marin, 2007.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepções, leitura. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

10/06/2022

Como Citar

MUBARAC SOBRINHO, R. S. .; BETTIOL, C. A. . Entre o “dito” e o “não-dito”: uma análise crítica da BNCC e do RCA para a educação infantil na rede de educação do Amazonas. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. Esp, p. 26–43, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14nEspp26-43. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12659. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate