Atendimento educacional especializado à la Mateus

um ensaio sobre o agir pedagógico

Autores

  • Débora Scherer Escobar UFRGS
  • Carla K. Vasques UFRGS
  • Simone Bicca Charczuk Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n34p48-65

Palavras-chave:

Atendimento educacional especializado, Agir pedagógico, Psicanálise

Resumo

Este estudo aborda as práticas pedagógicas da educação especial. Como sustentar um agir pedagógico atento às singularidades? Apresentamos uma pesquisa que parte da experiência docente em uma escola privada. Optamos pela construção do caso como método e a escrita epistolar como forma. Propomos três operadores para um agir pedagógico inclusivo - o deslocamento da técnica prescritiva em direção ao aluno como sujeito, a posição implicada do professor do AEE na cena educativa e a escuta como dispositivo ético, político e pedagógico - os quais permitem acolher o inusitado na cena pedagógica e construir uma experiência atenta à alteridade.

Biografia do Autor

Débora Scherer Escobar, UFRGS

Pedagoga. Mestre em Educação UFRGS.ORCID:0000-0001-6936-2964 E-mail:

deborae067@gmail.com

Carla K. Vasques, UFRGS

Psicóloga. Doutora em Educação UFRGS. Professora do PPGEDU/UFRGS. Pesquisadora

NUPPEC/CNPq. ORCID: 0000-0002-3284-8749 E-mail: k.recuero@gmail.com

Referências

ADORNO, T. W. O ensaio como forma. In: ADORNO, T. W. Notas de literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003. p. 15-45.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2008. Documento eletrônico. Disponível em: www.mec.gov.br/seesp. Acesso em: 28 abr. 2018.

BARTHES, B. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

COSTA, A. J. O pedagogo orientado pela psicanálise. In: PEREIRA, M. R. (Org.). A psicanálise escuta a educação: 10 anos depois. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012. p. 123- 132.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

GALEANO, Eduardo. As palavras andantes. Porto Alegre, RS: L&PM, 1994.

GODOY, L. B. Uma carta: um espaço entre dois. Ide (São Paulo), São Paulo, v. 33, n.50, p. 36-53, jul 2010.

GRASSI, M. C. Lire l’épistolaire. Paris: Dunod, 1998.

KIDNEY, R. Definições, Direitos e responsabilidades do surdo-cego. In: Seminário brasileiro de educação do deficiente audiovisual, 1., 1977, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ABEDEV, 1977. p. 20-23.

KUPFER, M. C. M. A escola protagonista: propostas LV para práticas inclusivas e transformadoras. In: KUPFER, M. C. M.; PATTO, M. H. S.; VOLTOLINI, R. (Orgs.). Práticas inclusivas em escolas transformadoras: acolhendo o aluno-sujeito. São Paulo: Escuta: 2017, p. 09-16.

LIMA. A. L. S. Formas de conhecer em educação especial: discurso médico e vida ordinária na escola. UFRGS, 2018. 75 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

MAURANO, D. Para que serve a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010

MICHAELIS. Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2019. Documento eletrônico. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=carta. Acesso em: 26 dez. 2019.

MONTAIGNE, M. Os ensaios: livro III. São Paulo: Martins Editora, 2001.

OSTETTO, L.E. Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2011.

PRIETO, R. G. Política de educação especial no Brasil: evolução das garantias legais. In: VICTOR, S. L.; DRAGO, R.; CHICON, J. F. (Orgs.). A educação inclusiva de crianças, adolescentes, jovens e adultos: avanços e desafios. Vitória: EDUFES, 2013. p. 17-35.

SOUSA, E. L. A. A vida entre parênteses: o caso clínico como ficção. Psicologia Clínica, v. 12, n. 1, p.11-19, 2000.

SKRTIC, T. M. La crisis en el conocimiento de la educación especial: una perspectiva sobre la perspectiva. In: FRANKLIN, B. M. (Org.). Interpretación de la discapacidad: teoría e historia de la educación especial. Barcelona: Pomares Corredor, 1996. p. 35-72.

STAROBINSKI, J. É possível definir o ensaio? Remate de males, Campinas, p. 13-24, jan.- dez. 2011.

ULLRICH, W. B. O outro na educação especial: uma abordagem pela lente do reconhecimento. UFRGS, 2017. 79 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

VALÉRY, P. Les broderies de Marie Monnier. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

VOLTOLINE, R. (Orgs). Psicanálise e formação de profesores: antiformação docente. São Paulo: Zagodoni, 2018.

ZAQUEU, L. C. C. Política educacional inclusiva I. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2012.

Downloads

Publicado

27/04/2022

Como Citar

SCHERER ESCOBAR, D. .; K. VASQUES, C.; BICCA CHARCZUK, S. . Atendimento educacional especializado à la Mateus: um ensaio sobre o agir pedagógico. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 34, p. 48–65, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n34p48-65. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13354. Acesso em: 12 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Infância, narrativa e educação: diálogos pela alteridade