Narrar e aprender sobre educação infantil em portfólios reflexivos

a relação com o saber de estudantes de pedagogia em situação de estágio remoto

Autores

  • Rosimeire Andrade Cruz Universidade Federal do Ceará
  • Messias Holanda Dieb Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n35p201-221

Palavras-chave:

Relação com o saber, Educação Infantil, Ensino remoto

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender o modo como um grupo de estudantes de Pedagogia se mobilizou e atribuiu sentido ao que aprenderam em uma experiência de Estágio em Educação Infantil ofertada via ensino remoto por uma universidade pública. A Teoria da Relação com o Saber, elaborada por Bernard Charlot, foi o sustentáculo teórico que guiou a análise dos dados, construídos entre os anos de 2020 e 2021, a partir de uma atividade de portfólio. O resultado da análise destaca três núcleos temáticos na compreensão dessa relação com o saber dos estudantes: o modo como o estágio foi conduzido, os conteúdos intelectuais que foram estudados e a produção de autoconhecimento oriunda dos processos reflexivos proporcionados pela confecção dos portfólios.

Biografia do Autor

Rosimeire Andrade Cruz, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará (1998), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2002) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2007). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Educação Infantil, com ênfase em rotinas de atendimento às crianças de 0 a 6 anos em creches e pré-escolas, atuando principalmente nos seguintes temas: cobertura e qualidade do atendimento, formação de professores e organização do espaço e do tempo das crianças na instituição.

Messias Holanda Dieb, Universidade Federal do Ceará

Professor do Departamento de Fundamentos da Educacao e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde coordena o Grupo de Pesquisa γραφή (grafí) - Laboratório de Estudos da Escrita. Formado em Pedagogia, em 2000, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), cursou Mestrado (2002 - 2004) e Doutorado (2004 - 2007), ambos em Educação pela UFC. Em 2015, concluiu um Estágio Pós-Doutoral em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal de Sergipe (UFS). O referido estágio e a pesquisa nele realizada, sob a supervisão do Prof. Dr. Bernard Charlot (Paris 8 / UFS), foram vinculados ao Grupo de Estudos e Pesquisas Educação e Contemporaneidade (EDUCON), da mesma universidade. Em 2016, concluiu um segundo Estágio Pós-Doutoral em Educação, com financiamente da CAPES (Processo BEX 0602/15-9), pela Universidade da Califórnia - USA - Campus Santa Barbara (UCSB), sob a supervisão do Prof. Dr. Charles Bazerman. Seus temas de interesse na pesquisa atualmente são: os estudos da escrita e os letramentos acadêmicos.

Referências

BAZERMAN, C. Criando identidades em um mundo intertextual. In: DIEB, M. (Org.). A aprendizagem e o ensino da escrita: desafios e resultados em experiências estrangeiras. Campinas - SP: Pontes Editores, 2018. p. 115-132.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C. A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1970.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 92, p. 11, 16 de Mai. de 2006.

-----.. Portaria MEC nº 544, de 16 de junho de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19, e revoga as Portarias MEC nº 343, de 17 de março de 2020, nº 345, de 19 de março de 2020, e nº 473, de 12 de maio de 2020. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 de jun. 2020. Edição 114, Seção 1, p.62.

CAMPOS, L. A.; LIMA, M. Cotas no ensino superior: uma política bem-sucedida. Folha de São Paulo, São Paulo - SP, 24 de fev. de 2022. Opinião. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2022/02/cotas-no-ensino-superior-uma-politica-bem-sucedida.shtml. Acesso em: 1 de jun. de 2022.

CHARLOT, B. (Org.). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

CHARLOT, B.Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

CHARLOT, B.Da Relação com o saber. Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

CHARLOT, B.Os fundamentos antropológicos de uma teoria da relação com o saber. Revista Internacional Educon, vol. 2, n. 1, e21021001, jan./mar. 2021.

CÔCO, Valdete; VIEIRA, Maria Nilceia; GIESEN, Karina. Docência na educação infantil: desafios e perspectivas da formação inicial em pedagogia. Momento-Diálogos em Educação, v. 28, n. 1, p. 417-435, 2019.

DELORY-MOMBERGER, C. Biographie, biographique, biographisation. In: DELORY-MOMBERGER, C. (Dir.). Vocabulaire des histoires de vie et de la recherche biographique. Toulouse: Éditions Érès, 2019, p. 47-51.

DRUMOND, Viviane. Estágio e docência na educação infantil: questões teóricas e práticas. Olhar de Professor, vol. 22, 2019.

FORMOSINHO, João. Estudando a praxis educativa: o contributo da investigação praxeológica. Revista Sensos, Porto, v. 6, n. 1, p. 15-39, 2016.

FORMOSINHO, Júlia Oliveira; FORMOSINHO, João. A formação como pedagogia da relação. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, v. 27, n. 51, p. 19-28, 2018.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Editora Olho d’água, 1997.

GERHARDT, Genifer. Caminhando com Tim Tim. 2014. (4m29s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=1dYukOrq5RI. Acesso em: 29/06/2022.

GUSMAN, Antonio Barioni et al. Portfólio: conceito e construção. Uberaba: Instituto de Formação de Educadores. Universidade de Uberaba, 2002.

MAIA, M. Sobrevoo e trilhas da pesquisa: caminhos para olhar a educação infantil. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 23, n. 2, p. 590-607, maio/ago. 2018

MANTOVANI, Susanna; PERANI, Rita. Uma Profissão a ser Inventada: o educador da primeira infância. Pro-Posições, Campinas, v. 10, n. 1 [28], p. 75-98, 1999.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Oliveira; FORMOSINHO, João. Pedagogia-em-Participação: a perspectiva educativa da Associação Criança. Porto: Porto Editora, 2013.

OSTETTO, Luciana Esmeralda. (Org.). Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas, São Paulo: Papirus, 2008.

SOUZA, E. C. de. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In. NASCIMENTO, A. D.; HETKOWSKI, T.M. (Orgs.). Memória e formação de professores [online]. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 59-74.

VASSALLO, Márcio. A professora encantadora. Abacate Editorial, 2010.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. O portfólio no curso de pedagogia: ampliando o diálogo entre professor e aluno. Educ. Soc. [online]. 2005, vol.26, n.90. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101- 73302005000100013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29/06/2022.

Downloads

Publicado

31/08/2022

Como Citar

CRUZ, R. A.; DIEB, M. H. . Narrar e aprender sobre educação infantil em portfólios reflexivos: a relação com o saber de estudantes de pedagogia em situação de estágio remoto. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 35, p. 201–221, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n35p201-221. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13696. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê "Estudantes da universidade, narrativas e relação com o saber"