Ensino para o Antropoceno: uma proposta de sequência didática para o ensino de redes ecológicas através do jogo Rain World

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p576-592

Palavras-chave:

Ensino de Biologia. Rain World, Antropoceno, Redes Ecológicas, ABP,

Resumo

Nos últimos séculos desta era geológica, denominada por alguns pesquisadores de Antropoceno, a interferência dos seres humanos nos ecossistemas vem gerando inúmeras consequências devastadoras para as diversas formas de vida existentes no planeta. Por este motivo, cada vez mais se faz necessário discutir tais temáticas na formação das populações, como forma de conscientização e de diminuição dos impactos causados pelo homem. Neste intuito, o objetivo deste artigo é propor uma sequência didática que evidencia a utilização do jogo Rain World discutindo problemas relevantes que envolvem redes biológicas. Para tanto, é apresentada a descrição do jogo Rain World, assim como o seu potencial no ensino de Ecologia e Redes Ecológicas, a partir das perspectivas da Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP, do inglês Problem Based Learning, PBL) e Digital Game-Based Learning (DGBL).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Montalvão Moreno, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

 Msc. em Ecologia e Biomonitoramento. Professor de Biologia.

Emanuele Maria Leite Suzart, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Doutoranda em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia. Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) pela Universidade Federal de Sergipe. Especialização em Didática e Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade São Luís de França. Graduada em Ciências Biológicas Licenciatura pela Universidade Federal de Sergipe. Possui experiência na área de educação, com ênfase em ensino de ciências e biologia e educação do campo, na área de ciências ambientais, com ênfase em estudos etnográficos com comunidades tradicionais extrativistas, e na área de ciências agrárias com ênfase em agroecologia. Atualmente, compõe o grupo de pesquisa em Investigações em Etnobiologia e Ensino de Ciências (GIEEC).

William de Souza Santos, Instituto Federal da Paraíba (IFPB)

Pós-Doutor(PhD) - Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências - UFBa. Doutor e Mestre em Modelagem Computacional de Sistemas Cognitivos - Senai/Cimatec. Especialista em Educação, Comunicação e Tecnologias em Interfaces Digitais. Especialista em Metodologia do Ensino da Matemática. Possui Graduação em Licenciatura em Matemática. Criador do site do Reforço Virtual de Matemática. www.reforcovirtualdematematica.com.br. Consultor Pedagógico na Área de Matemática na criação de jogos digitais. Professor do Instituto Federal da Paraíba.

Referências

ALEXANDRE, C.; SABBATINI, M. A contribuição dos Jogos Digitais nos processos de aprendizagem. In: 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação, 2013, p. 1-18.

ALVES, L. Videojogos e aprendizagem: mapeando percursos. In: CARVALHO, A. Aprender na era digital Jogos e Mobile-Learning, 2012, p. 11-28.

ALVES, L. R. G.; RIOS, V.; CALBO, T. Games: delineando novos percursos de interação. Revista INTERSEMIOSE, a. I2, n. 4, p. 268-293, 2013.

BARABÁSI, A. L. Vulnerability due to interconnectivity. In: BARABÁSI, A. L. et al. Network science. Cambridge university press, 2016, p. 1-27.

BARROWS, H. S. Problem-based learning in medicine and beyond: a brief overview. New Directions for teaching and learning, n. 68, p. 3-12, 1996.

BEIER, M. E.; MILLER, L. M.; WANG, S. Science games and the development of scientific possible selves. Cultural Studies and Science Education, v. 7, n. 4, p. 963 - 978, 2012.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 2, p. 139-154, 1998.

BIKNER-AHSBAHS, A.; PREDIGER, S. (Ed.). Networking of theories as a research practice in mathematics education. Dordrecht, The Netherlands: Springer, 2014.

BOROCHOVICIUS, E.; TORTELLA, J. C. B. Aprendizagem Baseada em Problemas: um método de ensino-aprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 83, p. 263-294, 2014.

BYBEE, R. W. Planet Earth in crisis: how should science educators respond? The American Biology Teacher, v. 53, n. 3, p. 146-153, 1991.

CARLSSON, B. Ecological understanding 2: transformation-a key to ecological understanding. International Journal of Science Education, v. 24, n. 7, p. 701-715, 2002.

CONRADO, D. M.; EL-HANI, C. N.; NUNES-NETO, N. F. Sobre a ética ambiental na

formação do biólogo. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

(REMEA), v.30, n.1, p.120–139, jan./jun. 2013.

CONRADO, D. M., NUNES-NETO, N. F. & EL-HANI, C. N. Aprendizagem baseada em problemas (ABP) na educação científica como estratégia para formação do cidadão socioambiental responsável. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação Científica, v.14, n. 2, p. 077-087, 2014.

D'AVANZO, C. Research on learning: potential for improving college ecology teaching. Frontiers in Ecology and the Environment, v. 1, n. 10, p. 533-540, 2003.

DA MADEIRA FREITAS, R. A. M. M. Ensino por problemas: uma abordagem para o desenvolvimento do aluno. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 403-418, 2012.

DA SILVA MALHEIRO, J.M.; DINIZ, C. W. P. Aprendizagem baseada em problemas no ensino de ciências: mudando atitudes de alunos e professores. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 4, n. 8, p. 1-10, 2008.

DE SOUZA, C. R. T.; DA COSTA SILVA, M.; ALVES, L. R. G. O game in situe a aprendizagem experiencial do jogar: desvendando seu potencial didático-pedagógico. In: Revista Metáfora Educacional, n. 15, p.77-95, 2013. Disponível em: http://www.valdeci.bio.br/revista.html. Acesso em: 22 jun. 2019. (ver como tá citação)

DEBOER, G. E. A History of Ideas in Science Education: implications for practice. 1234 Amsterdam Avenue, New York: NY, v. 10027, 1991.

DECKER, I. R.; BOUHUIJS, P. A. Aprendizagem baseada em problemas e metodologia da problematização. In: ARAÚJO, U. F.; SASTRE, G. (org.). Aprendizagem baseada em problemas no ensino superior. São Paulo: Summus, 2009, p. 177- 204.

EDENS, K. M. Preparing problem solvers for the 21st century through problem-based learning. College Teaching, v. 48, n. 2, p. 55-60, 2000.

EKLÖF A.; ALLESINA S. Network, Ecological. In: HASTINGS, A.; GROSS, L. J.(ed.) Encyclopedia of theoretical ecology. Berkeley: University of California Press, 2012, p. 470-509.

FARLEY, J. et al. Ecological economics: a workbook for problem-based learning. Island Press, 2005.

FERNANDES, C. W. R; RIBEIRO, E. L. P. Games, gamificação e o cenário educacional brasileiro. CIET: EnPED, p. 1-22, 2018.

HMELO-SILVER, C. E. Problem-based learning: what and how do students learn? Education Psycology Review, v. 16, n. 3, p. 235-266, 2004.

HMELO-SILVER, C. E. et al. Systems and Cycles: Learning about Aquatic Ecosystems. Society for Research on Educational Effectiveness, 2011.

HMELO‐SILVER, C. E. et al. Using representational tools to learn about complex systems: A tale of two classrooms. Journal of Research in Science Teaching, v. 52, n. 1, p. 6-35, 2015.

HODSON, D. Looking to the future: building a curriculum for social activism. Rotterdam: Sense Publishers, 2011.

JORDAN, R. et al. What should every citizen know about ecology? Frontiers in Ecology and the Environment, v. 7, n. 9, p. 495-500, 2009.

KORFIATIS, K. J. Environmental education and the science of ecology: exploration of an uneasy relationship. Environmental Education Research, v. 11, n. 2, p. 235-248, 2005.

LESH, R. Modeling students modeling abilities: The teaching and learning of complex systems in education. The Journal of the Learning Sciences, v. 15, n. 1, p. 45-52, 2006.

LOPES, L. A.; LOPES, P. T. C. Explorando o Pokémon GO como modelo para o ensino de Biologia. Acta Scientiae, v. 19, n. 3, p. 517-529, 2017.

MACHADO, R. F. Usando o jogo eletrônico educacional Calangos em sala de aula para ensinar sobre nicho ecológico. 2015. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2015.

MALHI, Y. The concept of the Anthropocene. Annual Review of Environment and Resources, v. 42, p. 77-104, 2017.

MALHI, Y. et al. Tropical forests in the Anthropocene. Annual Review of Environment and Resources, v. 39, p. 125-159, 2014.

NORMAN, G. T.; SCHMIDT, H. G. The psychological basis of problem-based learning: a review of the evidence. Academic medicine, v. 67, n. 9, p. 557-565, 1992.

PASCUAL, M. et al. (ed.). Ecological networks: linking structure to dynamics in food webs. Oxford University Press, 2006.

PEDRETTI, E. Septic tank crisis: A case study of science, technology and society education in an elementary school. International Journal of Science Education, v. 19, n. 10, p. 1211-1230, 1997.

PEDRETTI, E. Perspectives on learning through research on critical issues‐based science center exhibitions. Science Education, v. 88, n. S1, p. S34-S47, 2004.

PEDRETTI, E.; NAZIR, J. Currents in STSE education: Mapping a complex field, 40 years on. Science education, v. 95, n. 4, p. 601-626, 2011.

PÉREZ, D. G. et al. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, v. 7, n. 2, p. 125-153, 2001.

PRENSKY, M. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: SENAC, p. 575, 2012.

RIBEIRO, L. R. C. Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL): uma experiência no ensino superior. São Carlos: EduFSCar, p. 151, 2010.

SANDER, E.; JELEMENSKÁ, P.; KATTMANN, U. Towards a better understanding of ecology. Journal of Biological Education, v. 40, n. 3, p. 119-123, 2006.

SARDAR, Z. Welcome to postnormal times. Futures, v. 42, n. 5, p. 435-444, 2010.

SCHMIDT, H. G.; ROTGANS, J. I.; YEW, E. HJ. The process of problem‐based learning: what works and why. Medical education, v. 45, n. 8, p. 792-806, 2011.

SOUZA, S. C. D.; DOURADO, L. Aprendizagem baseada em problemas (ABP): um método de aprendizagem inovador para o ensino educativo. HOLOS, v. 5, p. 182-200, 2015.

THE ECONOMIST. The Anthropocene: A man-made world. 2011. Disponível em: https://www.economist.com/briefing/2011/05/26/a-man-made-world. Acesso em: 11 fev. 2019.

VILCHES, A.; GIL-PÉREZ, D.; PRAIA, J. CTS a CTSA: educação por um futuro sustentável. In: DOS SANTOS, W. L. P.; AULER, D. (org.). CTS e educação científica desafios tendências e resultados de pesquisa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2011, p. 161-184.

WALKER, A.; LEARY, H. A problem based learning meta analysis: Differences across problem types, implementation types, disciplines, and assessment levels. Interdisciplinary Journal of Problem-based Learning, v. 3, n. 1, p. 6, 2009.

ZABALA, A. A prática educativa: como educar. Porto Alegre, 1998.

Downloads

Publicado

2020-06-22

Como Citar

MORENO, Victor Montalvão; SUZART, Emanuele Maria Leite; SANTOS, William de Souza. Ensino para o Antropoceno: uma proposta de sequência didática para o ensino de redes ecológicas através do jogo Rain World. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 576–592, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p576-592. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8783. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Séries televisivas, games e aplicativos: entretenimento e cenários de aprendizagens"

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.