A língua inglesa no escopo dos multiletramentos do ensino superior militar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p438-452

Palavras-chave:

Multiletramentos, Língua Inglesa, Academia Militar das Agulhas Negras

Resumo

O artigo tem como objetivo realizar uma análise acerca da percepção de alunos pertencentes a uma Instituição de Ensino Superior Militar quanto à aplicabilidade da língua inglesa em sua futura carreira de oficial combatente do Exército Brasileiro (EB). Trata-se de um levantamento que tem como foco a análise de fenômenos locais. Para tal, realizou-se uma pesquisa aplicada de caráter descritiva com abordagem quali-quantitativa. Os resultados obtidos foram alcançados de forma indutiva e identificaram que (a) a Língua Inglesa contribui para o processo individual do aluno de atribuição de significados aos múltiplos letramentos inerentes à carreira militar e; (b) o ideário do aluno quanto ao uso do idioma inglês em sua futura carreira não se limita à comunicação com agentes estrangeiros, mas também engloba atividades do cotidiano militar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlindo José de Barros Junior, Academia Militar das Agulhas Negras - AMAN; Universidade de Taubaté - UNITAU

É Oficial do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro e atua como professor na Academia Militar das Agulhas Negras, instituição de nível superior do Exército Brasileiro. Mestre em Educação pela Universidade de Taubaté (2020), possui pós-graduação Lato Sensu em Neuropsicopedagogia pela Universidade Cândido Mendes (2018); em Ciência Militares com Ênfase em Ensino da Língua Inglesa pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército (2017); em Aplicações Complementares às Ciências Militares pela Escola de Administração do Exército (2009) e; graduação em letras Anglo-Portuguesas pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Mandaguari (2004). Participa do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Saberes e Práticas em Educação à Distância, da Universidade de Taubaté (NEPISPEAD).

João Freire Junior, Academia Militar das Agulhas Negras - AMAN; Universidade de Taubaté - UNITAU

Possui bacharelado em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras - AMAN (1997). Graduação em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2015) e Graduação em Teologia Bíblica pela Faculdade Teológica de São Paulo (2006). Possui Especialização em: Gestão (EsIE), Gestão Estratégica de Recursos Humanos (UCB), Políticas Públicas (UNITRI), Política e Estratégia (ADESG), Teologia (UPAC), Estudos Estratégicos e Relações Internacionais (UFF), Bases Geo- Históricas para Formulação Estratégica (ECEME) e Ciências Militares (ESAO-EB). Mestrado e Doutorado em Administração. É professor de Metodologia da Pesquisa Científica (AMAN), Logística, Gestão de Processos e Gestão de Projetos. Atua, ainda, como Coordenador de Pesquisa Docente na Academia Militar das Agulhas Negras. Na Teologia, é professor nas matérias Teologia Paulina, Pentateuco, Profetas, Homilética, Administração Eclesiástica e Ética Cristã. Mestre em Educação pela Universidade de Taubaté (UNITAU). Participa do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Saberes e Práticas em Educação à Distância (NEPISPEAD).

Juliana Marcondes Bussolotti, Universidade de Taubaté - UNITAU

Possui graduação em Escola de Comunicação e Artes pela Universidade de São Paulo, pós-graduação lato sensu em Designer Instrucional pela Universidade Federal de Itajubá, mestrado em Ciências Ambientais pela Universidade de Taubaté e doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista. Atualmente é pós-doc. do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe - TerritoriAL - UNESP, SP. Professora assistente III da Universidade de Taubaté, professora coordenadora-adjunta do Mestrado Profissional em Educação da Universidade de Taubaté, professora e conselheira - CONDEP do Departamento de Gestão e Negócios - Gen, integrante da Comissão Própria de Avaliação - CPA - UNITAU, conselheira do Comitê de Ética em Pesquisa - CEP - UNITAU, professora coordenadora do curso de geografia EAD da Universidade de Taubaté. Tem experiência na área de educação, geografia, turismo e meio ambiente, com ênfase em: Ensino Superior, Educação Ambiental, Educação Tecnológica e Arte Educação. Atuando principalmente nos seguintes temas: arte educação, formação docente, diversidade sociocultural e inclusão, educação ambiental para sustentabilidade, empreendedorismo e inovação, tecnologia da informação e comunicação e processos de ensino e aprendizagem. Linhas de Pesquisa: Empreendedorismo, Inovação e Educação; Formação Docente e Desenvolvimento Profissional; Inclusão e Diversidade Sociocultural; Saberes e práticas no uso de tecnologias em educação; Educação ambiental para a conservação da biodiversidade; Arte-Educação; Planejamento da paisagem; Uso público em Unidades de Conservação. Participa dos grupos de pesquisa: Educação: desenvolvimento profissional, diversidades e metodologias - UNITAU - Ciências Humanas, Educação; Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Saberes e Práticas em Educação à Distância - UNITAU - Ciências Humanas, Educação; Conservação da Natureza da Zona Costeira - Ciências Humanas, Geografia - UNESP.

Referências

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Estado Maior do Exército – EME. Portaria nº 152-EME, de 16 de novembro de 2010. Aprova a Diretriz para a Implantação da Nova Sistemática de Formação do Oficial de Carreira do Exército Brasileiro da Linha de Ensino Militar Bélico. 2010. Disponível em: http://www.decex.eb.mil.br/port_/leg_ensino/2_educacao_eb-decex/31_port_152_EME_16Nov2010_DtzImplemNovaFormacaoOfCarreiraEnsMilBelico.pdf. Acesso em: 31 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Departamento de Educação e Cultura do Exército - DECEX. Comando da Academia Militar das Agulhas Negras. Plano de Gestão da Academia Militar das Agulhas Negras, Resende, RJ: [s. n.], 2019a.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Departamento de Educação e Cultura do Exército - DECEX. Portaria nº 715, de 6 de dezembro de 2002. Aprova a Política de Ensino. 2002. Disponível em: http://www.decex.eb.mil.br/port_/leg_ensino/2_educacao_eb-decex/12_port_715-716_CmtEB_06Dez2002_PoliticaeDtzEnsEB.pdf. Acesso em: 30 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Departamento de Educação e Cultura do Exército - DECEX. Comando da Academia Militar das Agulhas Negras. Plano de Gestão da Academia Militar das Agulhas Negras, Resende, RJ: [s. n.], 2019b.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Departamento de Educação e Cultura do Exército - DECEX. Normas para Construção de Currículo (NCC), 2ª Ed. Rio de Janeiro, RJ: [s. n.], 2014a;

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Estado Maior do Exército – EME. Sistema de Planejamento do Exército – SIPLEx3. Brasília, 2011. Disponível em: https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A24F0A728E014F0AF54C6E64E2. Acesso em: 28 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Estado-Maior do Exército. O Exército Brasileiro, Brasília, DF: [s. n.], 2014b.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 3.182, de 23 de setembro de 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3182.htm#:~:text=D3182&text=DECRETO%20No%203.182%2C%20DE,Brasileiro%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias. Acesso em: 30 out. 2020.

COPE, B; KALANTZIS, M. (Ed.). Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routldge, 2000.

GEE, J. P. The New Literacy Studies: from "socially situated" to the work of the social. In: BARTON, D; HAMILTON, M.; IVANIC, R. (Eds.). Situated Literacies: Reading and Writing in context. London: Routledge, 2000. p. 180-196.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KALANTZIS, M; COPE, B. A. Language Education and Multiliteracies. In: MAY, S.; HORNBERGER, N. (Eds.). Encyclopedia of Language and Education. 2.ed. New York: Springer Science, 2008.

LAKATOS, E. M; MARCONI, A. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LANKSHEAR, C; KNOBEL, M. New Literacies: Everyday Practices and Classroom Learning. 2. Ed. Miadenhead and New York: Open University Press, 2006.

LEMKE, J. L. Letramento Metamidiático: transformando significados e mídias. Trab. linguist. apl., Campinas , v. 49, n. 2, p. 455-479, Dec. 2010 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-18132010000200009&lng=en&nrm=iso. Accesso em 25 Abr. 2019.

MINAYO, M. C. S; SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 9 (3): 239-262, jul/set, 1993. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v9n3/02.pdf. Acesso em: 26 jun. 2020.

ROJO, R. H. R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, Roxane Helena Rodrigues; MOURA, Eduardo (orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SCRIBNER, S.; COLE, M. The psychology of literacy. Cambridge: Harvard University Press, 1981.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

STREET, B. V. What’s new in New Literacy Studies? Critical Approaches to Literacy in Theory and Practice. Current Issues in comparative Education, New York, vol. 5, n.2; p. 77-91. 2003.

THE NEW LONDON GROUP. A Pedagogy of Multiliteracies: designing social futures. Harvard Educational Review, v. 66, n. 1, 1996.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

BARROS JUNIOR, Arlindo José de; FREIRE JUNIOR, João; BUSSOLOTTI, Juliana Marcondes. A língua inglesa no escopo dos multiletramentos do ensino superior militar. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. Esp2, p. 438–452, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p438-452. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/11346. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.