Enquanto o “o novo normal não vem”: a performatividade na educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n31p826-844

Palavras-chave:

Performatividade, Educação Básica, Práticas Curriculares

Resumo

Este artigo analisa os discursos veiculados pelas mídias digitais direcionados aos professores da educação básica com o objetivo de apoiar/subsidiar as práticas curriculares em tempos de pandemia do Covid19. Orientando-se, em especial, pelo conceito de performatividade (Stephen Ball), o estudo mostra que esta discursividade inscreve à docência nas dimensões do trabalho imaterial afetivo como estratégia de engendramento entre as competências prescritas pela BNCC e a utilização das tecnologias digitais. 

Biografia do Autor

Eliana Póvoas Pereira Estrela Brito, Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Especialista em Alfabetização e Classes Populares pelo Grupo de Estudos sobre Educação, Metodologia da Pesquisa e Ação (GEEMPA), Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Em 1997, ingressou na carreira do magistério superior público na Universidade Federal de Pelotas - UFPel - onde ministrou diversas disciplinas integrantes dos currículos das licenciaturas ofertados por aquela instituição. Foi Pró-Reitora de Graduação da UFPel entre o ano de 2007 ao ano de 2012. Em 2007, integrou a Comissão de Implantação da Unipampa (Universidade Federal do Pampa). Desde 2014, por redistribuição, passou a integrar o quadro de professores da Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB. Exerce a docência em disciplinas dos Cursos de Licenciaturas Interdisciplinares desta universidade. Foi Coordenadora do Curso de Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais (2017-2019). É professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Estado e Sociedade (PPGES) e do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais (mestrado profissional) onde pesquisa e orienta trabalhos situados no campo do currículo e das políticas educacionais. Em 2019, assumiu a coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações-Étnico-Raciais do Campus Sosígenes Costa (PPGER/CSC/UFSB). Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Políticas e Currículos pós críticos. (GEPEPC/CNPq).Tem experiência na área de formação de professores, atuando principalmente em pesquisas com foco nas políticas curriculares, formação de professores/as, currículo e diferenças.

Maria Virgínia Freire dos Santos Carmo, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Mestranda em Ensino e Relações Étnico-Raciais pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) - Campus Sosígenes Costa; Especialista em Gestão Escolar pela Faculdade Castelo Branco e Coordenação Pedagógica pela UFBA; Licenciada em pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia- UNEB Campus XIII - Itaberaba. Coordenadora Pedagógica na Rede de Ensino de Porto Seguro, atuando nas séries iniciais do Ensino Fundamental, Coordenadora Pedagógica na Rede de Ensino de Santa Cruz Cabrália na EJA. Interesse na área de Alfabetização e Letramento, Formação de professores e Educação para relações étnico-raciais.

Downloads

Publicado

26/06/2021

Como Citar

PEREIRA ESTRELA BRITO, E. P.; DOS SANTOS CARMO, M. V. F. Enquanto o “o novo normal não vem”: a performatividade na educação básica. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 31, p. 826–844, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n31p826-844. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/11517. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê "Múltiplas Perspectivas e Experiências no Ensino Remoto"