O que é específico na educação da primeiríssima infância?

pistas de um caminho formativo a ser (re)construído

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14nEspp234-256

Palavras-chave:

Educação Infantil, Formação de professores, Identidade da Educação Infantil

Resumo

Tendo o entendimento da infância como categoria geracional, com singularidades tecidas em meio a estruturas socioculturais, com necessidades específicas que precisam ser reconhecidas e valorizadas, trazemos, neste ensaio teórico, argumentos para a defesa da ação intencional, responsável e autoral de professores no que diz respeito à organização de currículos e práticas cotidianas balizadas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, bem como da constituição de identidade e de profissionalidade docente específicos para este nível de ensino. Entendemos que os caminhos de formação para docência precisam contemplar experiências narrativas e estéticas como estratégias de fomento para discussões sobre currículos e organização do trabalho educativo para crianças bem pequenas.

Biografia do Autor

Sílvia Adriana Rodrigues, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)

Professora Adjunta da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Erika Natacha Fernandes de Andrade , Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)

Professora na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Dulcinéia Beirigo de Souza , Secretaria Municipal de Educação de Presidente Prudente

Coordenadora Pedagógica efetiva na Secretaria Municipal de Educação de Presidente Prudente

Referências

ABRAMOVICZ, Anete; CRUZ, Ana Cristina J; MORUZZI, Andrea Braga. Alguns apontamentos: a quem interessa a Base Nacional Comum Curricular para a Educação Infantil? Debates em Educação, v. 8, n. 16, p. 46-65, jul./dez., 2016. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2385/2134. Acesso em: 11 jul. 2021.

AMORIM, Ana Luisa Nogueira; DIAS, Adelaide Alves. Formação do professor de educação infantil: políticas e processos. Revista Educação, Campinas, n. 18, v. 1, p. 37-45, jan./abr., 2013. Disponível em: https://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/1896. Acesso em: 02 jun. 2021.

ANDRADE, Erika Natasha Fernandes; CUNHA, Marcus Vinicius da. Action research with John Dewey’s poetic and rhetoric pedagogy. International Journal of Action Research, v. 13, p. 261-275, 2017.Disponível em: https://www.budrich-journals.de/index.php/ijar/article/view/30461. Acesso em: 02 jun. 2021.

ANDRADE, Erika Natasha Fernandes; MERCADO, Aline Cristine Androlage; FERREIRA, Karen Carolynne Oliveira. Brincando com Agripino: experiências estéticas e arte em uma creche de Corumbá/MS. In: RÜCKERT, Fabiano Quadros; MOREIRA, Natalia Claro. Pensando a cidade: Corumbá em perspectiva interdisciplinar. Campo Grande: Life, 2020.

ANDRADE, Erika Natasha Fernandes; SANTANA, Kariny Pereira. Experiência estética e expressividade na creche. Revista Cocar, v. 14, n. 29, p. 153-172, 2020. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/3353. Acesso em: 02 de jun. 2021.

ARROYO, Miguel Gonzales. Currículo, território em disputa. São Paulo: Vozes, 2013.

BARBOSA, Ivone Garcia; SILVEIRA, Telma Aparecida Teles Martins; SOARES, Marcos Antônio. A BNCC da Educação Infantil e suas contradições: regulação versus autonomia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 77-90, jan./maio 2019. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/979/pdf. Acesso em: 11 jul. 2021.

BARROS, Manoel. Livro sobre nada. 3. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 1997.

BARROS, Manoel. Memórias inventadas: as infâncias de Manoel de Barros. São Paulo: Planeta do Brasil, 2008.

BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Suzanna. Manual de educação infantil de 0 a 3 anos – uma abordagem reflexiva. Trad. Rosana Severiano Di Leone e Alba Olmi. Porto Alegre: Artmed, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 08 fev. 2022

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade da Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2006.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 18 fev. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília: MEC/SEB, 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores de qualidade da Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creches: Manual de orientação pedagógica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BRITO, Maria dos Remédios; COSTA, Dhemerson Warly Santos. Deleuze: o aprender como experiência estética. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n.32/33, p. 120-135, 2019. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/resafe/article/view/35117/27894. Acesso em: 03 jun. 2021.

CAMPOS, Rosânia; BARBOSA, Maria Carmen Silveira. BNCC e Educação Infantil: quais as possibilidades? Retratos da Escola, v. 9, n. 17, p. 353-366, jul./dez., 2015. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/585/659. Acesso em: 03 jun. 2021.

CERISARA, Ana Beatriz. et al. Partilhando olhares sobre as crianças pequenas: reflexões sobre o estágio na Educação Infantil. Zero-a-seis, v. 4, n. 5, p. 12-20, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/11157/10630. Acesso em 03 jun. 2021.

CHIH, Chiu Yi. Por uma estética da diferença: um diálogo entre Deleuze e Artaud. In: FORNAZARI, Sandro Kobol. (org.). Deleuze hoje. São Paulo: Fap-Unifesp, 2014.

COFFACCI, Enmilly da Costa; ANDRADE, Erika Natasha Fernandes. A criação na formação do pedagogo. Por que estudar Joan Miró? In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO DO CPAN, 4. 2019. Corumbá. Anais on-line, Corumbá: UFMS, 2019, p. 1-13. Disponível em: https://bit.ly/2XlUrQs. Acesso em: 20 set. 2019.

CRICK, Nathan. Dewey for a new age of fascism. Teaching democratic habits. Pennsylvania: The Pennsylvania State University, 2019.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Tradução Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FREIRE, Madalena. A paixão de conhecer o mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, Madalena. O sentido dramático da aprendizagem. In: GROSSI, Ester Pillar; BORDIN, Jussara. (org.). Paixão de aprender. Petrópolis: Vozes, 1992. p. 11-14.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 44. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não. Cartas para quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’água, 1993.

FREIRE, Paulo. O que é método dialógico de ensino. In: FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. (org.). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Trad. Adriana Lopes e revisão de Lólio Lourenço de Oliveira. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008. p. 121-146.

GOMES, Marineide Oliveira. Formação de professores na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2009.

KRAMER, Sonia. Propostas pedagógicas ou curriculares de educação infantil: para retomar o debate. Pro-posições, v. 13, n. 2 (38), p. 65-82, maio/ago., 2002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643954/11410m. Acesso em: 03 jun. 2021.

KRAWCZYK, Nora; LOMBARDI, José Claudinei. O golpe de 2016 e a educação no Brasil. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018.

LOPES, Alice Casimiro. Apostando na produção contextual do currículo. In: AGUIAR, Márcia Angela S.; DOURADO, Luiz Fernandes. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Livro Eletrônico. Recife: ANPAE, 2018. p. 23-27.

MARSIGLIA, Ana Carolina et al. A base nacional comum curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: marxismo e educação em debate, v. 9, n. 1, p. 107-121, abr. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/21835/14343. Acesso em: 05 jun. 2021.

MATISSE, Henri. Escritos e reflexões sobre arte. Tradução de Maria Teresa Tendeiro. Lisboa: Ulisseia, 1972.

MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. 7. ed. São Paulo: Global, 2012.

MELLO, Suely Amaral. A escola como lugar da cultura mais elaborada. Educação, v. 35, n. 1, p. 53-68, jan./abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/1603/898. Acesso em: 05 jun. 2021.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa. Currículo: concepções, políticas e teorizações. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Cancella; VIEIRA, Lívia Maria Fraga. (org.). Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. (CD-ROM).

NUNES, Maria Fernanda Rezende; CORSINO, Patrícia. A institucionalização da infância: antigas questões e novos desafios. In: CORSINO, P. (org.). Educação Infantil: cotidiano e políticas. Campinas: Autores Associados, 2012. p. 13-30.

OLIVEIRA, Maria Franciane Bezerra; ANDRADE, Erika Natasha Fernandes. A qualidade estética da vivência e a organização do trabalho pedagógico. In: MARTINS, Bárbara Amaral; RÜCKERT, Fabiano Quadros; SANTOS, Fabiano Antonio dos. (org.). Temas e práticas em educação social no estado de Mato Grosso do Sul. Curitiba: CRV, 2020.

PASQUALINI, Juliana; MARTINS, Lígia Martins. Currículo por campos de experiência na educação infantil: ainda é possível preservar o ensino desenvolvente? RPGE– Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. 2, p. 425-447, maio/ago., 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/13312/9081. Acesso em: 05 jun. 2021.

RINALDI, Carla. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar, aprender. São Paulo: Paz & Terra, 2012

ROCHA, Eloisa Acires Candau; OSTETTO, Luciana Esmeralda. O estágio na formação universitária de professores de educação infantil. In: SEARA, Izabel Christine et al. (org.). Práticas pedagógicas e estágios: diálogos com a cultura escolar. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2008. p. 103-116.

RODRIGUES, Sílvia Adriana. Mudanças e persistências na formação para docência em creches e pré-escolas. Revista Zero-a-Seis, v. 19, n. 36 p. 328-348, jul.-dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2017v19n36p328/35622. Acesso em: 18 jul. 2021.

RODRIGUES, Sílvia Adriana. Viajando pela educação da primeiríssima infância: sentidos, crenças e valores que sustentam os saberes e as práticas pedagógicas na/da creche. 2016. 253f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2016.

RODRIGUES, Sílvia Adriana; GUIMARÃES, Célia Maria; PIFFER, Cláudia Cristina Garcia Lopes. Representações sobre criança e ser professora de crianças por alunas dos Cursos de Pedagogia da UFMS e UNESP. Práxis Educativa, v. 6, n. 2, p. 289-301, jul./dez. 2011. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/2513/2322. Acesso em: 18 jul. 2021.

SOUZA, Dulcinéia Beirigo de. Ser Professor e o Curso de Pedagogia: a constituição do ethos profissional docente. 2018. 173f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2018.

VIEIRA, Livia Maria Fraga. Educação Infantil. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Cancella; VIEIRA, Livia Maria Fraga. (org.). Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. (CD-ROM).

Downloads

Publicado

10/06/2022

Como Citar

RODRIGUES, S. A.; ANDRADE , E. N. F. de .; SOUZA , D. B. de . O que é específico na educação da primeiríssima infância? pistas de um caminho formativo a ser (re)construído. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. Esp, p. 234–256, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14nEspp234-256. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12654. Acesso em: 9 jun. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)