Produção de conteúdos audiovisuais por idosos

uma revisão sistemática da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n35p375-394

Palavras-chave:

Conteúdos audiovisuais, Idoso, Educação Permanente

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar a produção acadêmica sobre a inclusão dos idosos na produção de conteúdos audiovisuais (vídeos e/ou filmes) no contexto educacional. O número de idosos cresce anualmente e, em paralelo, a busca por cursos de inclusão digital em vista do interesse em aprender sobre as tecnologias digitais e criar conteúdos audiovisuais. Assim, é relevante investigar sobre o processo de criação de materiais audiovisuais pelos seniores na perspective da educação permanente (DELORS, 2010; OSORIO, 2003).A metodologia adotada foi a revisão sistemática da literatura na qual se utilizou 9 bases no período entre 2015 e 2020. Foram analisados 615 artigos sendo que somente 2 passaram pelos critérios de inclusão e exclusão. Os dados apontaram que nenhum dos estudos apresentaram as definições de vídeo e filme evidenciando uma lacuna neste campo. Contudo, todas pesquisas apontaram que para construção de materiais audiovisuais é necessário considerar aspectos metodológicos específicos para este público. A partir disso, foi possível identificar sete aspectos relevantes nesse processo. Por fim, constatou-se que há uma escassez de produções acadêmicas que englobam a temática de conteúdos audiovisuais criados pelos seniores.

Biografia do Autor

Jacqueline Mayumi Akazaki, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação (PPGIE/ UFRGS), bolsista CAPES. Possui Mestrado em Ciência da computação pela Universidade Federal do ABC (2016), Licenciatura em Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (2013). Trabalhou como professora substituta de Arquitetura de Computadores e Redes II no Instituto Federal de São Paulo, campus Presidente Epitácio, de 2016 a 2018. É pesquisadora do Núcleo de Tecnologia Digital Aplicada à Educação (NUTED). Tem interesse de pesquisa na área de Informática na Educação, com ênfase em: Ambientes Virtuais de Aprendizagem, Educação a Distância, Learning Analytics e Sistemas de Recomendação de Conteúdo.

Leticia Rocha Machado , Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduação em Pedagogia Multimeios e Informática Educativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005), Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2007). Concluiu o Doutorado em Informática na Educação (2013) e o Doutorado em Educação (2019) na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui experiência e publicações na área de Educação, com ênfase em: Educação a Distância, Informática na Educação e Gerontologia Educacional.

Patricia Alejandra Behar, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora Titular da Faculdade de Educação e dos Cursos de Pós Graduação em Educação (PPGEdu) e em Informática na Educação (PPGIE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Visitor Professor pelo Programa Fulbright no TeachersCollege da Columbia University (2018-2019). Possui bolsa de Produtividade em Pesquisa (DT/Cnpq), nível I. Mestre (1991-1993) e Doutora (1994-1998) em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação a Distância (EAD) e Informática na Educação. Coordena o Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação (NUTED/Cnpq) da Faculdade de Educação (FACED) e vinculado ao Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação (CINTED), desde 2000. Desenvolveu o ambiente virtual ROODA, utilizado como uma das plataforma de EAD da UFRGS em cursos presencias e totalmente a distância. Membro do comitê IFIP (International Federation for Information Processing) Technical Committee 3-Education. Autora dos Livros MODELOS PEDAGÓGICOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. ArtMed: Porto Alegre, 2009 e COMPETÊNCIAS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Penso: Porto Alegre, 2013 e RECOMENDAÇÃO PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Penso: Porto Alegre, 2019. Ganhadora do Prêmio CAPES de TESE EDIÇÃO 2012 na área INTERDISCIPLINAR, como orientadora. Membro da Rede Nacional de Ciência para Educação. Coautora de um dos documentos temáticos Competências Socioemocionais, Metacognição e Tecnologia Educacional, 2016.

Referências

AZEVEDO, C. TIC e sociedades cada vez mais envelhecidas: uma contextualização de estudos no Brasil, em Portugal e em outros países. Verso e Reverso. v. 31, n. 76, p.14-25, janeiro-abril, 2017.

BALL, C. et al. The physical–digital divide: Exploring the social gap between digital natives and physical natives. Journalof Applied Gerontology, v. 38, n. 8, p. 1167-1184, 2019.

BRANCO, Sérgio. Memória e esquecimento na internet. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2017.

CACHIONI, Meire; ORDONEZ, Tiago Nascimento. Universidade da Terceira Idade. In: FREITAS, Elizabete Viana de; PY, Ligia (Org.). Tratado de Geriatria e Gerontologia. 3. ed. Rio deJaneiro: Guanabara Koogan, 2016, v. 1. P. 1655-1663.

CACHIONI, M.; DELFINO, L.L.; YASSUDA, M.S.; BATISTONI, S.S.T.; MELO, R.C.; DOMINGUES, M.A.R.C. Bem-estar subjetivo e psicológico de idosos participantes de uma Universidade Aberta à Terceira Idade. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 340-3522017, 2017.

CALIXTO,N; MACEIRA,R. É hora de aposentar seu conceito de "velho": dados e insights sobre os sêniores do Brasil, 2019.

CARVALHO, Ana Carolina De Souza. IMPORTÂNCIA DA INSERÇÃO DE FILMES E VÍDEOS NA PRÁTICA DOCENTE NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Rio de Janeiro: UFRJ, 2017.

CENTRO INTERNACIONAL DE LONGEVIDADE BRASIL. ICL. Envelhecimento ativo: um marco político em resposta à revolução da longevidade. Rio de Janeiro: ICL. 2015. Disponível em: <http://ilcbrazil.org/portugues/wpcontent/uploads/sites/4/2015/12/Envelhecimento-Ativo-Um-Marco-Pol%C3%ADtico-ILC-Brasil_web.pdf>. Acesso em jan. 2022.

CENTRO REGIONAL DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO (Cetic.br). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros -TIC DOMICÍLIOS 2018. Disponível em: <https://data.cetic.br/cetic/explore?idPesquisa=TIC_DOM>. Acesso em: 16 jun. 2021.

CENTRO REGIONAL DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO (Cetic.br). TIC DOMICÍLIOS 2019 PRINCIPAIS RESULTADOS. Disponível em: <https://cetic.br/media/analises/tic_domicilios_2019_coletiva_imprensa.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2021.

CHAGAS, A.C.; NASCIMENTO, W,J. Produção de vídeos por estudantes da Educação Básica: uma revisão sistemática de literatura. Research, Society and Development, v. 9, n.10, 2020. Disponível em:<https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9169/8161>. Acesso em 16 jun 2021.

DELORS,J. et al. Educação, um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Rio Tinto: Cortez,2010.

DOLL.J.; RAMOS,AC.;BUAES,C. S. Apresentação Educação e Envelhecimento. Educação & Realidade, Porto Alegre,v.40,n.1,p. 9-15,2015.

DOLL, Johannes; MACHADO, Letícia Rocha; CACHIONI, Meire. O idoso e as novas tecnologias. In: Tratado de geriatria e gerontologia[S.l: s.n.], 2016.

EYNON, R.; MALMBERG, L. E. Lifelong learning and the Internet: Who benefits most from learning online?.British Journal of Educational Technology, v. 52, n. 2, p. 569-583, 2021.

FREIRE. Paulo. Pedagogia da tolerância. 3ª ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2014.

FREIRE. Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1993.

GERBASE, C. Primeiro filme: descobrindo.Fazendo.Pensando. Ed Artes e Ofícios,2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. 2020. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/. Acesso em: 31 jul. 2021.

KITCHENHAM, B.; CHARTERS, S. Guidelines for performing systematic literature reviews in software engineering. In: Software Engineering Group, School of Computer Science and Mathematics, Keele University, 2007, pp. 1–57.

MACHADO, L. R. Modelo de competências digitais para M-learning com foco nos idosos. Tese (Doutorado em Informática na Educação) –Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019.

MARINHO, M.H. Pesquisa VideoViewers: como os brasileiros estão consumindo vídeos em 2018. Setembro de 2018. Disponível em: https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/estrategias-de-marketing/video/pesquisa-video-viewers-como-os-brasileiros-estao-consumindo-videos-em-2018/. Acesso em:15 mar 2021.

MIGLIORIN, Cezar. Inevitavelmente cinema: educação, política e mafuá. 1. ed. -Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2015. 224 p.

MORAN, José Manuel. Novas tecnologias e mediação pedagógica [livro eletrônico]/José Manual Moran, Marcos T. Masetto, Marilda Aparecida Behrens – Campinas, SP. Papirus, 2015.

OSORIO, A. R. Educação permanente e educação de adultos. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

OSÓRIO,A.R.;PINTO,F.C.As pessoas idosas: contexto social e intervenção educativa. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

RIBEIRO, A. P. N. ; BOLL, C. I. . Festivais de Vídeos Estudantis: Ênfase na perspectiva da tecnologia (móvel) para Educação. Roquette-Pinto, v. 3, p. 42-51, 2020.

RODRIGUES,A.C. Uma proposta metodológica aplicada ao letramento por meio da ferramenta digital STOP MOTION. Dissertação (Mestrado Profissional em Novas Tecnologias Digitais na Educação) - Centro Universitário Carioca, Rio de Janeiro, 2018.75 p.

SLODKOWSKI, Bruna Kin; MACHADO, Leticia Rocha.; MENDES, Jozelina Silva da Silva.; BEHAR, Patricia Alejandra. Autoria digital de cybersêniors: um estudo de caso sobre a construção de vídeos. Informática Na Educação: teoria e prática, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p.12-25, set./dez. 2019.

SOUZA,Lucas da Silva;ALMEIDA, Franklin José.; SOUSA, Maria Aparecida Pereira da Silva Sousa.;ALVES, Pedro Manoel Herminio.;BARROS, Aparecida da Silva Xavier Barros. PARÂMETROS PARA ORGANIZAR UMA OFICINA DE VLOG PARA IDOSOS. VI Congresso internacional das licenciaturas. Cointer. PDVL,2019.

STADLER, Pâmella de Carvalho. Youtube como ferramenta de educação não formal: boas práticas para a produção de vídeos educativos com base nos aspectos da linguagem de youtubers. Curitiba, 2019.

Downloads

Publicado

31/08/2022

Como Citar

SLODKOWSKI, B. K. .; AKAZAKI, J. . M. .; MACHADO , L. R.; BEHAR, P. A. . Produção de conteúdos audiovisuais por idosos: uma revisão sistemática da literatura. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 35, p. 375–394, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n35p375-394. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12780. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos