Todas putas

subjetividades de mulheres da Universidade Federal de Catalão

Autores

  • Rita Tatiana Cardoso Erbs UFCAT
  • Adriane Erbs de Abreu
  • Bruna Caroline Machado Gomes

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n35p315-327

Palavras-chave:

Feminismo, Pesquisa (auto)biográfica, Universidade

Resumo

Este trabalho teve por objetivo compreender as histórias de vida das alunas participantes do movimento Todas Putas, destacando suas motivações e possíveis relações com a comunidade acadêmica. A pesquisa tem caráter qualitativo, baseando-se na abordagem da pesquisa (auto)biográfica; foram realizadas entrevistas com cinco participantes do movimento. Identificamos duas dimensões e palavras/expressões presentes nas narrativas: feminismo, emancipação e resistência; arte, família e universidade. Buscamos elaborar uma forma metodológica de análise que entrelaçasse a educação, a psicologia, a antropologia, a sociologia e a história da educação. A pesquisa possibilitou a reflexão sobre às questões políticas das mulheres e dos espaços que ainda precisam ser ocupados por elas e mantidos na nossa sociedade.

Biografia do Autor

Adriane Erbs de Abreu

Psicóloga (UFCAT), voluntária nas pesquisas do Mestrado em Educação/UFCAT, interesse em pesquisas (auto)biográficas com as temáticas: subjetividade feminina e educação do campo. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em teoria Histórico-cultural e Processos Psicossociais.

Bruna Caroline Machado Gomes

Graduanda em Psicologia Bacharelado e Licenciatura – bolsista de iniciação à pesquisa e voluntária em pesquisas do Mestrado em Educação/UFCAT.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. As narrativas de si ressignificadas pelo emprego do método autobiográfico. In: SOUZA, Elizeu Clementino; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. (orgs). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: Edipucrs, 2006, p. 149-170.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Intencionalidade, reflexividade, experiência e identidade em pesquisa (auto) biográfica: dimensões epistemo-empíricas em narrativas de formação. In: BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto; FERREIRA, Márcia Santos (org.). Perspectivas epistemo-metodológicas da pesquisa (auto)biográfica. Curitiba: CRV, 2016, p. 29-50.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BERTAUX, Daniel. Narrativas de Vida: a pesquisa e seus métodos. São Paulo: Editora Paulus, 2010.

BIROLI, Flávia. Justiça e família. In: MIGUEL, Luís Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Editora Boitempo, 2014, p. 47-61.

COLLING, Ana Maria; ACOM, Ana Carolina. Corpo feminino, corpo político: de fustigado à devorador do instituído. Revista Prâksis, vol. 2, n.1, 128-147p, mai/ago ,2019.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de Vida e Formação. Lisboa: Educa, 2002.

MARINAS, José Miguel. La escucha en la historia oral: palabra dada. Madrid: Editorial Sintesis, 2007.

SANT’ANNA, Sabrina Marques Parracho; MARCONDES, Guilherme; MIRANDA, Ana Carolina Freire Accorsi. Arte e política: a consolidação da arte como agente na esfera pública. Sociol. Antropol.. vol. 7, n. 3, 2017.

Valsiner, Jaan. Fundamentos de psicologia cultural: mundos da mente, mundos da vida. Tradução de A.C Bastos. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Downloads

Publicado

31/08/2022

Como Citar

CARDOSO ERBS, R. T.; ERBS DE ABREU, A. .; MACHADO GOMES, B. C. Todas putas: subjetividades de mulheres da Universidade Federal de Catalão. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 35, p. 315–327, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n35p315-327. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13697. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos