Eu sou feminista

narrativas de jovens universitárias

Autores

  • Ana Daniele Mendes Carrera Faculdade de Anhanguera/São Paulo
  • Lucelia de Moraes Braga Bassalo Universidade do Estado do Pará (UEPA) http://orcid.org/0000-0002-0412-6052

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n35p549-565

Palavras-chave:

Narrativas, Feminismo, Método Documentário

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma investigação sobre como jovens estudantes universitárias reconheceram-se como feministas. A partir de suas narrativas intenciona reconstruir o sentido que orienta suas ações enquanto jovens e feministas. O estudo parte dos conceitos de geração e reconhecimento. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que se vale dos pressupostos da fenomenologia social, da entrevista narrativa e do método documentário. Dos resultados, emergiram sentidos e significados que compuseram o modelo de orientação denominado “Educação de mulheres” resultante das experiências vividas e compartilhadas que promoveram seu reconhecimento como mulher, jovem e feminista.

Biografia do Autor

Ana Daniele Mendes Carrera , Faculdade de Anhanguera/São Paulo

Mestra em Educação na linha de Formação de Professores e Práticas Educativas pela Universidade do Estado do Pará (PPGED/UEPA). Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), com pesquisa na área de Gênero e Educação. Membro dos Grupos de Pesquisa sobre Juventude, Educação e Sociabilidades (JEDS/CCSE/UEPA) e sobre Gênero, Feminismos e Sexualidades (GEFES/CCSE/UEPA). Experiência no Ensino Superior, atuando na parte de coordenação pedagógica e como professora e tutora nos cursos de licenciatura e em Educação a Distância. Experiência na Educação básica, atuando como professora da Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental.

Lucelia de Moraes Braga Bassalo, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Doutora em Educação pela Universidade de Brasília (UnB). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED), da Universidade Estadual do Pará (UEPA). Líder do Grupo de Pesquisa Juventude, Educação e Sociabilidades (JEDS/UEPa) e Pesquisadora  do Grupo de Pesquisa Gerações e Juventude (GERAJU/UnB).

Referências

BASSALO, Lucélia de Moraes Braga; WELLER, Wivian. Jovem e mulher: um estudo sobre os posicionamentos de internautas feministas. In: SOUSA, Carlos Ângelo de Menezes (org) et al. Juventudes e Tecnologias: sociabilidades e aprendizagens. Brasília: Liber Livro, 2015.

BOHNSACK, Ralf; WELLER, Wivian. O Método Documentário na análise de grupos de discussão. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle (org). Metodologia de Pesquisa Qualitativa em Educação. 3.ed. Petrópolis, Rj: Vozes, 2013.

CAMINHA, Oliveira de Iraquitan. Fenomenologia e Educação. Trilhas Filosóficas – Revista Acadêmica de Filosofia, Caicó-RN, ano V, n. 2, jul.-dez. 2012, p. 11-21.

COSTA, Ana Alice A; SARDENBERG, Cecília Maria B. O Feminismo do Brasil: reflexões teóricas e perspectivas. Salvador: UFBA / Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher, 2008.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo (São Paulo-1991), v. 15, n. 14-15, p. 231-239, 2006.

FRASER, Nancy. Reconhecimento sem ética?. Revista Lua Nova, São Paulo, 70: p. 101-138, 2007.

FRASER, Nancy. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Revista Estudos Feministas, v. 15, p. 291-308, 2007b.

GATTI, Bernadete; ANDRÉ, Marli. A Relevância dos Métodos de Pesquisa em Educação no Brasil. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle. Metodologias da Pesquisa Qualitativa em Educação. 2a edição. Petrópolis: Vozes, 2011.

JOVCHELOVICTH, Sandra; BAUER, W. Martin. In: BAUER, Martin; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto imagem e som. Um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 90-113.

MANNHEIM, Karl. El problema de las generaciones. REIS – Revista Espanola de lnvestigaciones Sociológicas, Madrid, Espafia, n. 62, p. 193-242, abr./jun. 1993.

MARGULIS, Mario; URRESTI, Marcelo. La juventud es más que una palavra. In: MARGULIS, M. (Org.). La juventudes más que una palavra: ensayos sobre cultura y juventud. Buenos Aires: Biblios, 2000, p. 13-30.

PEDRO, Joana Maria. (2005). Feminismo e gênero na universidade: trajetórias e tensões da militância. História Unisinos, v. 9, n. 3, p. 170-176, 2005.

SCHUTZ, Alfred. Fenomenologia e Relações Sociais. Rio de Janeiro. 1979.

SCHÜTZE, Fritz. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicole (orgs.). Metodologias da Pesquisa Qualitativa em Educação: Teoria e Prática. 3.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

SPINELLI, Leticia Machado. Repensando o reconhecimento: a crítica de Nancy Fraser ao modelo identitário de Axel Honneth. Revista de Ciências Sociais, v.6, no 1, p.204-234, jan./jun. 2016.

WELLER, Wivian; et al. Karl Mannheim e o Método Documentário de Interpretação: uma forma de análise das visões de mundo. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. XVIII, n. 2, p. 375-396, jul./dez. 2002.

WELLER, Wivian. A atualidade do conceito de gerações de Karl Mannheim. Sociedade e Estado, v. 25, n. 2, p. 205-224, maio/ago. 2010.

WELLER, Wivian; BASSALO, Lucélia de Moraes Braga. A insurgência de uma geração de jovens conservadores: reflexões a partir de Karl Mannheim. Estudos Avançados, v. 34, n. 99, p. 391-408, 2020.

Downloads

Publicado

31/08/2022

Como Citar

MENDES CARRERA , A. D.; BASSALO, L. de M. B. Eu sou feminista: narrativas de jovens universitárias. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 35, p. 549–565, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n35p549-565. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13743. Acesso em: 23 mar. 2023.

Edição

Seção

Artigos