Education and (self)formation in revisiting educational memories

an autobiographical journey from the experiences of a brazilian student (1985-1998)

Autores

  • José Cicero Pinto dos Santos Universidade do Porto
  • Margarida Louro Felgueiras Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto-PT
  • Elisabete Ferreira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto-PT

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2024v16n38pe16055

Palavras-chave:

Autobiography, Street boys, Memories, Teacher, Child police, (Self)narrative, Education

Resumo

This article, based on self-narrative, aims to point out the moments considered formative in my education path from the moment I arrived at an institution for poor and street kids in 1985 until the moment I finished a technical school in 1998. The use of (self)biographical narratives is defended by some authors like (Nóvoa, 1988; Josso, 1988,2007; Ferraroti, 1988; Bolívar, 2016  and Abrahão, 2003) who believe that writing/narrating the events of our personal and professional life can lead us to find meaning in our own life trajectory, and with it we can promote transformations and changes that will help us to understand ourselves and the others. This look into the past may, in some way, helps us to find and understand ourselves and think today as a person who has built a personal and professional path in living with others. The meeting with a teacher who has been dedicating her life to help socially vulnerable boys and girls was a crucial moment in the student's educational path. The student dives into his memories and (re)visits and (re)builds moments considered formative and important for his social transformation. The meeting with a teacher was the beginning of a social and educational transformation in their lives. The theoretical and methodological foundations used for its constructions are based on the assumptions of qualitative research using (self)biographical narrative method and semi-structured interviews.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Margarida Louro Felgueiras, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto-PT

Doutora em Ciências da Educação e docente inestigadora do Centro de Investigação e Intervenção da FPCEUP.

Elisabete Ferreira, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto-PT

Doutorado em Ciências da Educação e professora investigadora do Centro de Investigação e Intervenção da FPCEUP.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena. M. Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. Revista História da Educação, 7 (14), 79-95. 2012. Disponível em https://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/30223. Consulta em dezembro de 2022.

BOLIVAR, Antonio. A pesquisa biográfica e narrativa: Fundamentos Epistemológicos e Metodológicos. Furum Qualitative Research, v. 07, núm. 4, p. 1-22. Granada. 2016.

BOSI, Eclea. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. 3ª edição. Ateliê Editorial: São Paulo. 2013.

BOSI, Eclea. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 3ª edição. Companhia das Letras: São Paulo. 1994.

CORREIA, José Alberto. O científico e o político na educação contemporênea. Studium Revista de Folosofia, nº 18, p. 61-87. Recife, Brasil. 2006.

ESTEBAN, M.P.S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Ed. AMGH. Porto Alegre. 2010.

FERNANDES, Rogério. Os caminhos do abc. Sociedade Portuguesa e o Ensino das Primeiras Letras. Porto ed: Porto, Portugal. 1994.

FERRAROTTI, Franco Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, António; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. PENTAEDRO, Publicidades e Artes Gráficas, Lda. Lisboa, Portugal. 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 42ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 2014.

FREITAS, D. de.; Galvão, C. O uso de narrativas autobiográficas no desenvolvimento profissional de professores. Ciências & Cognição; Ano 04, v. 12, p. 219-233. 2007. Disponível em: www.cienciasecongnicao.org. Acesso em junho de 2021.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. Centauro: São Paulo. 2003.

HOSKINS, Janet. Biographical objects: how things tell the stories of people’s lives. Routledge. New York, USA. 1998.

JOSSO, Marie-Christine. Da formação do sujeito ao sujeito da formação. In: Nóvoa, Antonio; Finger, M. (Orgs). O método (auto) biográfico e a formação. PENTAEDRO, Publicidades e Artes Gráficas, Lda. Lisboa, Portugal. 1988.

JOSSO, Marie-Christine. A transformação de si a partir de narração de histórias de vida. Educação, Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3(63), set/dez. pp. 413-438. 2007. Disponível em: www.redalyc.org/articulo.ao?id=84806302. Acesso em maio de 2018.

LE GOFF, J. História e memória. 7ª edição. Editora da Unicamp: Campinas. 2013.

MALPIQUE, M. Histórias de Vida. 1ª edição. Campo das Letras. Porto, Portugal. 2002.

MARTINS, E. C. Infância marginalizada e delinquente na 1ª República (1910-1926). De perdidos a protegidos e educados. Ed. Polimage: Lisboa. 2014.

NORA, Pierre. Entre a Memória e História: a problemática dos lugares. Tradução Yara Aun Khury. Proj. História, São Paulo, v.10, pp. 07-28. 1993. Disponível em www.revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101. Acesso em setembro de 2021.

NÓVOA, António. A formação tem de passar por aqui: as histórias de vida no projeto Prosalus. In: Nóvoa, Antonio; Finger, M. (Orgs). O método (auto) biográfico e a formação. PENTAEDRO, Publicidades e Artes Gráficas, Lda. Lisboa, Portugal. 1988.

RIZZINI, Irene. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Cortez editora: Rio de Janeiro. 2011.

SAVATER, Ferando. O valor de educar. 1ª edição. Tradução de Michelle Canelas. Editorial Presença: Lisboa. 1997.

SCHMIDT, Maria Luisa Sandoval & MAHFOUD, Miguel. (1993). Halbwachs: memória coletiva e experiência. Psicologia USP. São Paulo, 4 (1-2), p. 285-298. Disponível em https://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/34481. Consulta em outubro de 2022.

ZUCCO, Amanda Khalil. (2023). A ausência do corpo na escola: um olhar sobre a corporeidade dos estdantes. Debates em Educação. Maceió. Vol. 15, nº 37. Ano 2023. DOI: 10.28998/2175-6600-2023v15n37pe14077. Disponível em https://www.seer.ufal.br/index.phd/debateseducacao/article/view/14077/10474. Consulta em junho de 2023.

Downloads

Publicado

2024-01-22

Como Citar

SANTOS, José Cicero Pinto dos; FELGUEIRAS, Margarida Louro; FERREIRA, Elisabete. Education and (self)formation in revisiting educational memories: an autobiographical journey from the experiences of a brazilian student (1985-1998). Debates em Educação, [S. l.], v. 16, n. 38, p. e16055, 2024. DOI: 10.28998/2175-6600.2024v16n38pe16055. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/16055. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação de professores que ensinam Matemática: contextos e práticas

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.