Articulação da Metodologia das Ondas com as Diretrizes Curriculares de Educação Ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n23p250-262

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade. Ensino Fundamental. Educação Ambiental.

Resumo

Como articular a Educação Ambiental no Ensino Fundamental de maneira transversal e interdisciplinar? De que forma efetivar a obrigatoriedade da Educação Ambiental em todos os níveis de ensino? Tais questionamentos orientam a escrita desse artigo e se justificam tanto pela emergência das questões ambientais, quanto pela obrigatoriedade legislativa de que a Educação Ambiental esteja contemplada em todos os níveis de ensino no Brasil. São traçadas relações, com foco no Ensino Fundamental, entre os princípios e objetivos enunciados nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental e a Metodologia das Ondas, uma proposta de formação em Educação Ambiental de maneira transversal e interdisciplinar.

Biografia do Autor

Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Professora Adjunta na Universidade Federal do Pampa, Campus Dom Pedrito/RS. Possui Pós-doutorado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2016, bolsista PNPD/CAPES). Possui Doutorado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (2015, bolsista da CAPES), mestrado em Educação Ambiental (2004) e graduação em Oceanologia (2000), todos pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Licenciada em Pedagogia (2015) pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR. É líder do Grupo de Pesquisa Coeducar: Aprender em Ação, Metodologias de Ensino e Formação de Professores e integrante do Grupo de Pesquisa: Educação a Distância e Tecnologia - EaD-TEC (FURG).Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, metodologias de ensino, educação ambiental, tecnologias na educação, educação a distância e pesquisa.

Alice Fogaça Monteiro, Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (NEMA)

Possui graduação em Ciências Biológicas Licenciatura Plena pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2003), mestrado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG (2008) e mestrado em Educação Matemática e Tecnológica pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2016). Atuou como Educadora Ambiental do Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental-NEMA (2004-2011) desenvolvendo projetos com comunidades tradicionais, pescadores e mulheres. No NEMA foi coordenadora de Educação Ambiental (2009-2010) desenvolvendo projetos com formação de professores e adolescentes em vulnerabilidade social. Também atuou como educadora ambiental do Programa de Educação Ambiental do Porto do Rio Grande- ProEA da Universidade Federal do Rio Grande - FURG (2009-2010). Desde 2011 atua como tutora, revisora e professora formadora e conteudistas de cursos de Educação à Distância em Universidades Federais. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental e Educação a Distância , atuando principalmente nos seguintes temas: educação à distância e pesquisa em educação, educação ambiental,conservação da biodiversidade e educação popular.

Referências

BARCELOS, V. 2003. “Mentiras” que Parecem “Verdades: (Re)pensando a Educação Ambiental no Cotidiano da Escola.. In: ZAKRZEVSKI, S. B. (Org). A Educação Ambiental na Escola: Abordagens Conceituais. p.81-89. Disponível em: http://www.uri.com.br/cursos/arq_trabalhos_usuario/765.pdf. Acesso em: 25/03/2017.

BRASIL, Resolução nº 02, de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 25/11/ 2017.

BRASIL. Políticas de melhoria da qualidade da educação – Educação Ambiental. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Relat.pdf. Acesso em: 23/11/2017.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 25/10/2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 25/10/ 2017.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25/10/2017.

BRASIL. Política Nacional do Meio Ambiente. 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm. Acesso em: 17/10/ 2017.

CARVALHO, I. de M. 2012. Educação Ambiental: A formação do Sujeito Ecológico. São Paulo: Cortez. 256p.

CARVALHO, I. C. M. 2004. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRARGUES, P. P. (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/sdi/ea/og/pog/arqs/livro_ieab.pdf. Acesso em: 07/11/2017.

CARVALHO, I. C. M. 1998. Em Direção ao Mundo da Vida: Interdisciplinaridade e Educação Ambiental/ Conceitos para se fazer educação ambiental. In: Cadernos de Educação Ambiental, Brasília: IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas.

CASCINO, F. 1999. Educação ambiental: princípios, história, formação de professores. São Paulo: SENAC, 112p.

CRIVELLARO, C. V.; NETO, M. R.; RACHE, R. P. 2001. Ondas que te quero mar: educação ambiental para comunidades costeiras - Mentalidade marítima: relato de uma experiência. Porto Alegre: Gestal/NEMA. Disponível em: http://www.nema-rs.org.br/files/publicacoes/livro.pdf. Acesso em: 25/11/2017.

DIAS, G. F. 1994. Atividades interdisciplinares de Educação Ambiental – manual do professor. São Paulo: Global, 224p.

DUARTE JR., J. F. 2002. Fundamentos estéticos da educação. 7 ed. São Paulo: Papirus, 150p.

FAZENDA, I. C. A. 2015. Interdisciplinaridade: Didática e Prática de Ensino. Interdisciplinaridade, São Paulo, v.1, n.6, p.9-17.

FAZENDA, I. C. A. 1992. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade e/ou ideologia. São Paulo: Loyola, 107p.

GARCÍA, D. S. 2009. Educación Ambiental: aportes políticos y pedagógicos em la construccion del campo de la educación ambiental. Buenos Aires: Jefatura de Gabinete de Ministros – Presidencia de La Nación – Desarrollo suntentable.

GONZÁLEZ-GAUDIANO, E. 2005. Interdisciplinaridade e educação ambiental: explorando novos territórios epistêmicos. In: Educação Ambiental: pesquisa e desafios. SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (Org.). Porto Alegre: Artmed, p. 119 – 133.

MOURA, A. C. de O. S. de.; PIECZARKA, L. S. ; SILVA, R. M. da. 2009. Resgatando valores: uma viagem do eu ao nós. 1.ed. Rio Grande: NEMA, Disponível em: http://www.nema-rs.org.br/files/publicacoes/valores.pdf. Acesso em: 25/11/2017.

REIGOTA, M. 1994. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 112p.

SATO, M.; PASSOS, L. A.; ANJOS, A.; GAUTHIER, J. 2004. Jogo de luzes: sombras e cores de uma pesquisa em educação ambiental. Revista de Educação Pública, v.13, n.23, 31-55,

SAUVÉ, L. 2005. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, maio/ago.

TRISTÃO, M. 2002. As dimensões e os desafios da educação ambiental na sociedade do conhecimento. In: Rusheinsky, Aloísio (org.). Educação Ambiental, Abordagens Múltiplas. Porto Alegre: Artmed.

Downloads

Publicado

25/04/2019

Como Citar

MOURA, A. C. de O. S. de; MONTEIRO, A. F. Articulação da Metodologia das Ondas com as Diretrizes Curriculares de Educação Ambiental. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 250–262, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n23p250-262. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6147. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos