Avaliação por conceito na Educação Profissional e Tecnológica e a Taxonomia de Bloom: uma possibilidade?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p586-599

Palavras-chave:

Avaliação. Prática Educativa. Objetivos Educacionais. Taxonomia.

Resumo

Ao lançarmos nossos olhares para a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em seu Art. 24 que trata dos princípios de avaliação do processo de ensino-aprendizagem, é possível observar um paradoxo em relação às atuais práticas educativas. Enquanto a lei preconiza uma verificação do desempenho do aluno que se dê de forma contínua e cumulativa, baseada em critérios previamente estabelecidos a partir de objetivos delineados e que privilegie os aspectos qualitativos, a realidade da prática pedagógica nos leva à avaliação classificatória e quantitativa. E ao pensar a Educação Profissional e Tecnológica (PT), a avaliação ainda ganha o papel de ferramenta essencial em um processo de preparação de sujeitos para o ingresso no mundo do trabalho ao atribuir juízo a uma prática, juízo esse que é sempre includente. Isto posto, por que então a prática educativa caminha em sentido oposto? Sem a pretensão de responder a esta pergunta, este estudo teve por objetivo contribuir para o pensar a avaliação por conceitos em atendimento aos princípios e concepções da EPT apoiando-se na Taxonomia dos Objetivos Educacionais de Bloom e em Libâneo que afirmam que os frutos da avaliação devem ser comparados com os objetivos propostos a fim de reorientar o processo de ensino-aprendizagem. Para tanto, tomamos como caminho metodológico uma pesquisa de caráter bibliográfico aliada à análise interpretativa das experiências da disciplina de Práticas Educativas do Programa de Mestrado ProfEPT por meio da pesquisa-ação. Como resultado, são apresentados alguns elementos a serem considerados na elaboração de objetivos educacionais e instrumentos avaliativos a fim de um repensar a prática educativa.

Biografia do Autor

Marcia Valéria Paixão, Instituto Federal do Paraná (IFPR)

Doutora em Administração, PhD em Antropologia Cultural, Coordenadora Adjunta programa de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica ProfEPT

Leandro Rafael Pinto, Instituto Federal do Paraná (IFPR)

Doutor em Geografia. Coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica ProfEPT

Referências

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville, SC: UNIVILLE, 2009.

ANDERSON, L. W. et. al. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman, 2001

BLOOM, B. S.; HASTING, J. T.; MADAUS, G. F. Manual de Avaliação Formativa e Somativa do Aprendizado Escolar. 1. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1971.

BLOOM, B. S.; KRATHWOHL, DAVID R., MASIA, B. B. Taxonomia dos objetivos educacionais. vol.1 (domínio cognitivo). Porto Alegre: Globo, 1973.

BLOOM, B. S.; ENGLEHART, M. D.; FURT, E. J.; HILL, W. H.; KRATHWOHL, D. R. Taxonomia de objetivos educacionais. Porto Alegre: Editora Globo, 1976.

BORDENAVE, Juan Díaz; PEREIRA, Adair Martins. Eatratéglas de enalno aprendizagem. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394, de 24 de dezembro de 1996.

DEPRESBITERIS, L. Instrumentos de avaliação: a necessidade de conjugar técnica e procedimentos éticos. Revista Aprendizagem, Pinhais, v.1, n. 1, p.38-39, jul/ago 2007.

ELLIOTT, John. La investigación-acción en education. Madrid. Ediciones Morata, 1990.

JESUS, Ademir de André; RAABE, Luis Alice Interpretações da Taxonomia de Bloom no Contexto da Programação Introdutória Elieser. XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Florianópolis, 2009.

ESTEBAN, Maria Teresa. Uma avaliação de outra qualidade. Presença Pedagógica, vol. 2, São Paulo, 1996.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti; BELHOT Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação na pré-escola: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. Porto Alegre: Mediação,1996.

IFPR. Nota Técnica: Critérios em avaliação de ensino aprendizagem: uma questão constitutiva e de metodologia. Curitiba, IFPR, 2016.

IFPR. Resolução nº 50 de 14 de julho de 2017 que estabelece as normas de avaliação dos processos de ensino-aprendizagem no âmbito do IFPR.

KEMMIS, S.; McTAGGART, R. Como planificar la investigación-acción. Barcelona: Laertes, 1988.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 13 Ed. São Paulo: Cortez, 1994.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação educacional escolar; para além do autoritarismo. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro. ABT, 13 (61): 6-5, nov./dez., 1984.

____________________. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.

_____________________. Verificação ou avaliação: o que pratica a escola? Série Ideias, n. 8, São Paulo: FDE, 1998.

NASCIMENTO, Patrícia Valéria Bielert do. O desafio da avaliação no cotidiano do educador. Revista Profissão Mestre, 2003.

PACHECO, José. A avaliação dos alunos na perspectiva da reforma. Porto: Porto Editora, 1996.

______________. A avaliação da aprendizagem.ln L. Almeida e J. Tavares (org.). Conhecer, aprender e avaliar. Porto: Porto Editora, pp. 1 11-132, 1998.

PAIXÃO, Marcia V. Sentido e participação na atividade de panificação das Mulheres do Empreendimento Econômico Solidário 8 de Junho sob a ótica da Teoria Social da Aprendizagem. Tese de Doutorado. Curitiba: Universidade Positivo, 2014

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. São Paulo: Cortez, 1984.

________________. Pedagogia: O Espaço da Educação na Universidade. Cadernos de Pesquisa, Universidade Estadual de Campinas, v. 37, n. 130, p. 99-134, jan./abr. 2007

________________. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SERRANO, Maria Glória Perez . Investimento - Action: Aplication es al campo sociai y Educativo. Madrid, Dykinson. 1990.

THIOLLENT. Michel. Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo. Cortez Editora. 2002.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. In Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

VÁZQUEZ, Adolfo S. Filosofia da práxis. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales – CLACSO. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

Downloads

Publicado

31/08/2019

Como Citar

PAIXÃO, M. V.; PINTO, L. R. Avaliação por conceito na Educação Profissional e Tecnológica e a Taxonomia de Bloom: uma possibilidade?. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 24, p. 586–599, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n24p586-599. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6900. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê “Práticas, pesquisas e reflexões sobre a educação profissional, científica e tecnológica no Brasil"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)