Reconhecimento e alteridade: uma reflexão da práxis docente e sua implicação na formação do aluno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p52-66

Palavras-chave:

Reconhecimento, Formação do aluno, Alteridade, Práxis docente

Resumo

O artigo trabalha as implicações do reconhecimento e da dimensão da alteridade na formação do aluno, dentro do contexto da práxis docente. A teoria do reconhecimento postula a necessidade vital que todo indivíduo tem de ser visto, aprovado e reconhecido, portanto trata do campo da relação com o outro. Partindo de uma orientação teórico-metodológica é possível problematizar a práxis docente para além de sua função educadora, trazendo ao debate a importância do professor no reconhecimento do aluno como sujeito dotado de subjetividade que deseja ser compreendido em sua complexidade. A reflexão mostra que a recusa desse reconhecimento é também a negação de sua condição de sujeito, o que afeta o campo das relações, trazendo consequências para o processo de ensino-aprendizagem.

Biografia do Autor

Roseane Farias da Silva Aleluia, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Possui graduação em Psicologia - Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2008). Pós-Graduação em Residência Integrada Multiprofissional em Saúde - Área de Concentração: Saúde do Adulto e do Idoso - Hospital Universitário Professor Alberto Antunes/Universidade Federal de Alagoas - HUPAA (2012). Possui especialização em Docência e Gestão do Ensino Superior - Estácio de Sá - Rio de Janeiro (2015).  Mestra em Psiclogia Clínica - Universidade Católica de Pernambuco - UNICAP (2017).

 

Referências

AULAGNIER, P. A Violência da Interpretação. Rio de Janeiro: Imago, 1979 (trabalho original publicado em 1975).

BUTLER, J. Vida precária: el poder del duelo y la violência. Buenos Aires: Paidós, 2006.

CHEMAMA, R. Dicionário de psicanálise; tradução Francisco Franke Settineri. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1995.

FERREIRA, M. G. Gênese da concepção de subjetividade. In: Ferreira, M. G. Concepções de Subjetividade em Psicologia, Campinas: Pontes, 2000.

FLICKINGER, H-G. A teoria do reconhecimento na práxis pedagógica: a exemplo de conflitos entre diretrizes ético-morais. REP – Revista Espaço Pedagógico, v. 18, n.2, Passo Fundo, p. 220-233, jul./dez. 2011. Disponível em:< http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/2424> Acesso em 30 mar 2018.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FREUD, S. (1950 [1895]) Projeto para uma psicologia científica, In: Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. I, 1996.

________. (1920-21) Psicologia das massas e análise do ego, In: Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. XVII, 1996.

FUHRMANN, N. Luta por reconhecimento: reflexões sobre a teoria de Axel Honneth e as origens dos conflitos sociais. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 38, p. 79-96, jan./jun. 2013. Disponível em:< https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/2586> Acesso em 18 jan 2018.

GONDAR, Jô. Ferenczi como pensador político. Cad. Psicanál. – CPRJ, Rio de Janeiro, v. 34, n. 27, p. 193-210, jul./dez. 2012. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/2586/2735> Acesso em 24 ago 2016.

GUARESCHI, P. A. Ética e paradigmas na psicologia social. Ética e paradigma. In: PLONER, KS., et al., org. Ética e paradigmas na psicologia social [on line]. Rio de Janeiro: Centro Edelsteins de Pesquisas Sociais, 2008. p.18-38. Disponível em:< http://books.scielo.org/id/qfx4x/pdf/ploner-9788599662854-03.pdf> Acesso em 4 jun 2017.

GUATTARI, F. & ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: vozes, 1996.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003.

MENDONÇA, R.F. DIMENSÃO INTERSUBJETIVA DA AUTO-REALIZAÇÃO: em defesa da teoria do reconhecimento. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 24, n. 70, p. 143-187, jun. 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092009000200009> Acesso em 10 abr 2018.

ROUDINESCO, E. & PLON, M. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. 1998.

SANCHES, R.M. Winnicott na clínica e na instituição. São Paulo: Escuta, 2003.

SILVA, C. S. & Garcia, E. L. Produção de subjetividade e construção do sujeito. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 35, ago./dez. 2011. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-65782011000200013 > Acesso em 22 maio 2018.

TARDIF, M., LESSARD, C. O trabalho docente hoje: elementos para um quadro de análise. Rio de Janeiro: vozes, 2005.

WINNICOTT, D. W. A família e o desenvolvimento individual. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

Downloads

Publicado

06/04/2020

Como Citar

ALELUIA, R. F. da S. Reconhecimento e alteridade: uma reflexão da práxis docente e sua implicação na formação do aluno. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 52–66, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n26p52-66. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6962. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos