Elaboração de atividades exploratório-investigativas: uma possibilidade de planejamento coletivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n25p202-221

Palavras-chave:

Planejamento conjunto. Anos Iniciais. Atividades exploratório-investigativas.

Resumo

Este artigo tem por objetivo compartilhar a experiência do planejamento e confecção de atividades exploratório-investigativas desenvolvidas por um grupo de pesquisadores em parceria com professores dos Anos Iniciais da escola básica. Os resultados apontam que os professores participantes: a) sentiram-se envolvidos no processo e participaram ativamente, sugerindo e auxiliando na confecção do material; b) perceberam a importância do material manipulável e contribuíram fornecendo materiais alternativos para as práticas; c) instigaram seus discentes, no momento da exploração das atividades, seguindo os passos da Investigação Matemática. A partir dos resultados, pode-se inferir que o planejamento “com” a escola foi relevante para a obtenção de resultados satisfatórios no estudo desenvolvido.

Biografia do Autor

Márcia Jussara Hepp Rehfeldt, Universidade do Vale do Taquari (Univates)

Possui graduação em Licenciatura em Ciências - Habilitação em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), especialização em Educação Matemática (1997) e Gestão Universitária (2007) e mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). É doutora em informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009). Atualmente atua na Universidade Vale do Taquari - Univates como professora titular. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Modelagem matemática e no ensino com tecnologias. Atua na formação de professores e integra o grupo de pesquisa Práticas, Ensino e Currículos. Atualmente ocupa o cargo de coordenadora institucional da pesquisa.

Camila Bassegio Gräff, Universidade do Vale do Taquari (Univates)

Tem experiência na área das Ciências Exatas, com ênfase em Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: introdução às ciências exatas; formação do engenheiro; trigonometria; engenharias e software; formação continuada; materiais manipulativos; álgebra e geometria.Atualmente é aluna do curso de Pedagogia da Univates. 

Marli Teresinha Quartieri, Universidade do Vale do Taquari (Univates)

Possui graduação em Ciências - Licenciatura de 1º Grau pela Faculdade de Educação Ciências e Letras do Alto Taquari (1987), graduação em Matemática - Licenciatura Plena pela Faculdade de Educação Ciências e Letras do Alto Taquari (1989), especialização em Educação Matemática pela Universidade de Santa Cruz do Sul (1998), mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004), doutorado em Educação pela Universidade Vale do Rio dos Sinos - RS. Atualmente é professora da Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES, atuando nos cursos de graduação e de Pós-graduação (Mestrado em Ensino de Ciências Exatas e no Programa em Ensino). Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 do CNPq. Tem experiência na área de Ciências Exatas, com ênfase no Ensino de Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: modelagem matemática, investigação matemática, formação de professores, uso de tecnologias no ensino de Matemática.

Ieda Maria Giongo, Universidade do Vale do Taquari (Univates)

ossui graduação em Matemática - Licenciatura Plena pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Especialização em Ensino de Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS), Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Atualmente é professora titular da Universidade do Vale do Taquari - Univates de Lajeado, RS, vinculada ao Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas. Coordena o Grupo de Pesquisa Práticas, Ensino e Currículos (CNPq/Univates). Também atua, como docente permanente, no Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas e Programa de Pós-graduação em Ensino da Instituição, coordenando este último. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase nos seguintes temas: Ensino de Matemática na Escola Básica e Nível Superior e Etnomatemática. É Pesquisadora CNPq, Nìvel 2. 

Sônia Elisa Marchi Gonzatti, Universidade do Vale do Taquari (Univates)

Possui graduação em Ciências pela Universidade de Santa Cruz do Sul (1995) e graduação em Ciências - Habilitação em Física - Licenciatura Plena pela Universidade de Santa Cruz do Sul (1997), Mestrado em Ensino de Física na UFRGS (2008) e Doutorado em Educação pela PUCRS (2015). É professora titular da Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES, Lajeado-RS. Atua na docência em Física Básica para cursos de Engenharia. Coordena a área de conhecimento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Atua na extensão universitária, na área da divulgação científica e na difusão da Astronomia e a partir de 2019 coordena o programa de Extensão "Ciências Exatas e Engenharias". É integrante do grupo de pesquisa Ciências Exatas - da escola básica ao ensino superior, que busca problematizar as práticas relacionadas ao Ensino de Ciências Exatas especialmente no âmbito do Ensino Fundamental. É Afiliada à SAB, SBF, ABRAPEC e ABP.

Referências

BISHOP, A; GOFFREE, F. Classroom organization and dynamics. In CHRISTIANSEN, B; HOWSON, A.G; OTTE, M. (Eds) Perspectives on mathematics education. Dordrecht: D. Reidel. 1986, p. 309-365.

BERTINI, L. F; PASSOS, C. L. B. Uso da Investigação Matemática no Processo de Ensino e Aprendizagem nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: XII Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática

EBRAPEM, 2008. Rio Claro. Educação Matemática: Possibilidades de interlocução. São Paulo, 2008.

BLANTON, M; KAPUT, J. Characterizing a classroom practice that promotes algebraic reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, Reston, v. 36, n. 5, p. 412-443, 2005.

BRAIT, B. O processo interacional. In PRETI, D. (Org.). Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP, 2001. p. 189-215.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC 2ª versão. Brasília, DF, 2017.

BRAUMANN, C. Divagações sobre investigação matemática e o seu papel na aprendizagem da matemática. In: PONTE, J. P.; COSTA, C.; ROSENDO, A. I.; MAIA, E.; FIEGUEIREDO, N.; DIONÍSIO, A. F. As atividades de investigação na aprendizagem da matemática e na formação de professores. Lisboa: SEM-SPCE, 2002. p. 5 – 24.

CAMPOS, I. I. F. A motivação no processo educativo: relação entre os interesses e a aprendizagem da criança. 2016. 125 f. Tese (mestrado) - Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, Porto.

CHALUH, L. N. Formação e alteridade: pesquisa na e com a escola. 2008. 318 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

CUNHA, O. M. A.; KRASILCHIK, M. A formação continuada de professores de ciências: percepções a partir de uma experiência. Disponível em < http://23reuniao.anped.org.br/textos/0812t.PDF>. Acesso em: 01 mar, 2019.

DAHER, A. F. B. Aluno e professor: protagonistas do processo de aprendizagem. 2017. Disponível em: <http://www.campogrande.ms.gov.br/semed/downloads/artigo-profa-alessandra-beker-daher/>. Acesso em: 04 abr, 2019.

DE LA TORRE, S. Aprender com os erros: o erro como estratégia de mudança. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DOOLEY, L. M. Case Study Research and Theory Building. Advances in Developing Human Resources, v. 4, n. 3, p. 335-354, 2002.

FANIZZI, S. A importância da interação nas aulas de Matemática: da elaboração oral à construção de conhecimentos. Revista PUC, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 317-336, 2012.

FIORENTINI, D.; FERNANDES, F.; CRISTÓVÃO, E. Um estudo das potencialidades pedagógicas das investigações matemáticas no desenvolvimento do pensamento algébrico. In: SEMINÁRIO LUSO-BRASILEIRO DE INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS NO CURRÍCULO E NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR, 2005, Lisboa. Anais... Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2005. Disponível em: <http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/seminario_lb.htm>. Acesso em: 01. nov, 2018.

GARCIA. Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 2005.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. (organizadoras). Métodos de Pesquisa. 1ª Ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

HANKE, T. A. F. Padrões de regularidades: Uma abordagem no desenvolvimento do pensamento algébrico. 2008. 212 f. Tese (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Pontífica Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

KAPUT, J; BLANTON, M; MORENO, L. Algebra from a symbolization point of view. In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades. New York: Lawrence Erlbaum Associates, 2008, p. 133-160.

LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática. Goiânia, Editora Alternativa, 2004.

LIMA, M. E. C. C; MAUÉS, E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio, Belo Horizonte, v.8, n. 2, p. 184-198, 2006.

LUNA, A. V. A.; SOUZA, C. C. C. F. Discussões sobre o ensino de álgebra nos anos iniciais do ensino fundamental. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 15, número especial, p. 817-835, 2013.

NCTM. Princípios e normas para a matemática escolar. Lisboa: APM, 2007.

PONTE, J. P. Números e Álgebra no currículo escolar. In I. VALE, T; PIMENTEL, A; BARBOSA, L; FONSECA, L; SANTOS & A. P. CANAVARRO (Orgs.), Números e Álgebra na Aprendizagem da Matemática e na Formação de Professores. Porto: SEM/SPCE, 2006, p. 5-27.

PONTE, J. P; OLIVEIRA, H; BRUNHEIRA, L; VARANDAS, J.M; FERREIRA, C. O trabalho do professor numa aula de investigação matemática. Quadrante, São Paulo, v. 07, n. 2, p. 41-70, 1998.

PONTE, J. P., OLIVEIRA, H., CUNHA, H., & SEGURADO, I. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1998. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/261178171_Historias_de_investigacoes_matematicas>. Acesso em: 01. nov, 2018.

PONTE, J. P.; BROCADO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2003.

RODRIGUES, P. M. L; LIMA, W. S. R; VIANA, M. A. P. A importância da formação continuada de professores da escola básica: a arte de ensinar e fazer cotidiano. Saberes Docentes em Ação, Maceió, v. 03, n. 01, p. 28-47, 2017.

RODRIGUES, A; MAGALHÃES, S. C. A resolução de problemas nas aulas de Matemática: diagnosticando a prática pedagógica. Revista Acadêmica Feol, Minas Gerais, v. 1, n. 1, p. 1-16, 2012.

SANTOS, J. C. F. O papel do professor na promoção da aprendizagem significativa. 2005. Disponível em: < http://juliofurtado.com.br/papeldoprof.pdf> Acesso em: 01 mar, 2019.

SCARTON, C. R. Reflexão Sobre as Competências e Habilidades que Surgem no Contexto Educacional na Perspectiva do Ensino de Matemática. 2012. Disponível em: <https://www.somatematica.com.br/artigos.php?pag=2>. Acesso em: 04 abr, 2019.

SCHIFFL, D. Um estudo sobre a calculadora no ensino de Matemática. 2006. 134 f. Tese (mestrado) – Centro Universitário Franciscano, UNIFRA, Santa Maria.

SCHLICKMANN, L; SCHMITZ, L. L. Da escola tradicional à escola contemporânea: algumas considerações sobre a constituição do espaço escolar. In: 6° Seminário de Iniciação Científica do Curso de Pedagogia (SEMIC), 2015, Santa Catarina. Disponível em: <http://faifaculdades.edu.br/eventos/SEMIC/6SEMIC/arquivos/resumos/RES27.pdf>. Acesso em: 04 abr, 2019.

SCHWANTES, V.; SCHWANTES, E.B.F. Uma reflexão sobre o desenvolvimento do pensamento algébrico discente no Ensino Fundamental. Varia Scientia, Unioeste, v. 04, n. 07, p. 77-87, 2004.

SELLES, S. E. Formação contínua e desenvolvimento profissional de professores de ciências: anotações de um projeto. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 02, n. 2, p. 1-15, 2002.

SILVA, G. B. O papel da motivação para a aprendizagem escolar. 2014. 41 f. Tese (monografia – especialização) – Universidade Estadual de Paraíba, João Pessoa.

SILVA, J. F.; ALMEIDA, L. A. A. Política Permanente de Formação continuada de Professores: entraves e possibilidades. In: FERREIRA, A. T. B. e SILVA CRUZ, S. P. (org.). Formação Continuada de Professores: reflexões sobre a prática. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2010, p. 11-33.

SOUZA, J; TANJI, J; MACHADO, B. A influência da dinâmica de grupo no ambiente escolar do ensino fundamental. In: VII Encontro Internacional de Produção Científica, 2011, Paraná. Anais... Maringá, 2011.

TOZETTO, S. S. Docência e formação continuada. In: XIII Congresso Nacional de Educação, 2017, Paraná. Anais... Paraná: Pontífica Universidade Católica do Paraná, 2017. Disponível em: <http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/23503_13633.pdf

>. Acesso em: 10, nov, 2018.

VALE, I; PALHARES, P; CABRITA, I; BORRALHO, A. Os padrões no Ensino e aprendizagens da Álgebra. In: VALE, I; PIMENTEL, A; BARBOSA, L; FONSECA, L; SANTOS; CANAVARRO, P (Orgs). Números e Álgebra, p. 193-211. Lisboa: SEM-SPCE, 2008.

Downloads

Publicado

23/12/2019

Como Citar

REHFELDT, M. J. H.; GRÄFF, C. B.; QUARTIERI, M. T.; GIONGO, I. M.; GONZATTI, S. E. M. Elaboração de atividades exploratório-investigativas: uma possibilidade de planejamento coletivo. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 25, p. 202–221, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n25p202-221. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7737. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.