Estimulação neuropsicológica com jogos digitais: intervenção em grupo com crianças e adolescentes com rebaixamento cognitivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p477-498

Palavras-chave:

Estimulação neuropsicológica, games, aprendizagem, funções executivas.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar a efetividade de um programa de estimulação neuropsicológica em grupo, por meio do uso de games, com crianças e adolescents com rebaixamento cognitive. Foi elaborado um plano terapêutico para estímulo das funções executivas e selecionados 6 games. Participaram do estudo três sujeitos com atendidos numa clínica escola de Psicologia. Trata-se de um estudo de casos múltiplos de modalidade quase-experimental, com alocação não randomizada dos participantes. Verificou-se que todos os participantes obtiveram ganhos cognitivos com a estimulação através dos games, havendo variação na necessidade de mediação entre os participantes. Desta forma, verificou-se que o uso de games para estimulação cognitiva é uma importante ferramenta na intervenção neuropsicológica, especialmente para o desenvolvimento das funções executivas.

Biografia do Autor

Elizabeth Braga Dias, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Estado da Bahia (2019), com ênfase em processos clínicos e de saúde. Idealizadora do projeto de estimulação neuropsicológica através do uso de games, em grupo, com crianças e adolescentes com rebaixamento cognitivo.  Possui experiência com avaliação psicológica individual e coletiva. Vivências com avaliação e intervenção neuropsicológica. Atualmente é psicóloga extensionista no Serviço de Psicologia da UNEB, atuando na modalidade de plantão psicológico.

Ana Maria Amorim Assis de Melo, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), com ênfase em processos clínicos e de saúde. Tem experiência em Avaliação Neuropsicológica e habilitação cognitiva. Atua em Psicologia Clínica. Estuda a interação entre o ser humano e o ambiente, a partir do referencial da Psicologia Ambiental. É aluna especial no Mestrado do Programa de Pós-graduação em Estudos Territoriais (PROET) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Camila Barreto Bonfim, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade Ruy Barbosa, tendo realizado Mestrado e Doutorado em Saúde Coletiva, área de concentração em Epidemiologia, pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA). Tem experiência em Neuropsicologia, Educação e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação neuropsicológica, transtornos específicos de aprendizagem, processos psicológicos básicos, psiconeuroimunologia, reabilitação cognitiva, desenvolvimento cognitivo, epidemiologia, violência doméstica contra a criança, desenvolvimento de softwares educativos, envelhecimento, estresse e cognição. É professora do Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden (Uniruy) e da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Atua também como pesquisadora do Laboratório de Inovação em Saúde e Educação da UNEB, do Laboratório de Investigação, Monitoramento e Proposição de cuidados em doenças crônicas não transmissíveis e relacionadas ao trabalho da UNEB e do Grupo de Estudos Multirreferenciais do Cuidado (GECUID/ UNEB). 

Referências

ALVES. L. Relações entre os jogos digitais e aprendizagem: delineando percurso. Educação, formação & tecnologias, [S.L.], v. 1, n. 2, p. 3-10, nov. 2008.

ALVES. L. Práticas inventivas na interação com as tecnologias digitais e telemáticas: o caso do Gamebook Guardiões da Floresta. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 25, n. 59/2, p.574-593, mai./ago. 2016.

BARDIN. L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

CARDOSO, C. O. Programas de intervenção neuropsicológica precoce-preventiva: estimulação das funções executivas em escolares. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PUCRS. 2017.

CARIM, D. de B.; FICHMAN, H. C. Reabilitação neuropsicológica dos problemas de atenção e funções executivas. In: FONTOURA, D. R. da. et al. Teoria e Prática na Reabilitação Neuropsicológica.Vetor Editora. Cap. 10, p.149-169. 2017.

CERQUEIRA, L. C. et al. Seleção de jogos digitais para estimulação cognitiva de idosos. In: XIII Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, v. 3, n. 1, 2019.

DIAS, N. M.; SEABRA, A. G. Funções executivas: desenvolvimento e intervenção. Temas sobre Desenvolvimento. 2013; 19(107): 206-12.

DÓREA, M. de F. et al. Estratégias motivacionais: diálogo entre a Teoria do Flow e o GB. Anais do Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, v. 2, n. 2, 2017.

FUENTES et al. Neuropsicologia: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

GINDRI, G. et al. Métodos em reabilitação neuropsicológica. Métodos em neurociência. Barueri-SP: Manole, p. 343-75. 2012

GONÇALVES, Y. R. Intervenção neuropsicológica para flexibilidade cognitiva em adolescentes com transtornos do espectro do autismo. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

GUERRA, L. B. et al. Neuropsicologia e educação: perspectiva transdisciplinar. Avanços em Neuropsicologia: das pesquisas à aplicação clínica. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2007, p. 207-219.

GUIMARÃES, P. et al. Uma análise das possíveis contribuições do Gamebook Guardiões da Floresta para estimulação das funções executivas. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital. São Paulo: SBgames, 8 a 10 set. 2016.

HAMDAN, et al. Avaliação e reabilitação neuropsicológica: desenvolvimento histórico e perspectivas atuais. Interação em Psicologia, v. 15, 2011.

HAZIN et al. Contribuições da neuropsicologia de A. R. Luria para o debate contemporâneo das relações mente-cérebro. Mnemosine.v. 6, n.1, p.88-110. 2010

JESUS, M. G. de; ALVES, L. R. G. Jogos Digitais e Estimulação de Funções Executivas: Experiência com o Gamebook Guardiões da Floresta. In: XIII Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, v. 3, n. 1, 2019.

LUCIANO, M. F. D. Um estudo sobre motivação entre o Minecraft e o Gamebook

Guardiões da Floresta. XVII SBGames – Foz do Iguaçu-PR, Out.-Nov. 2018.

LURIA, Alexsandr. A construção da mente. São Paulo: Ícone, 1992.

MALLOY-DINIZ et al. Avaliação neuropsicológica. Artmed. Porto Alegre, 2010.

MANSUR-ALVES, M., FLORES-MENDONZA, C. & TIERRA-CRIOLLO, C. J. Evidências Preliminares da Efetividade do Treinamento Cognitivo para Melhorar a Inteligência de Crianças Escolares. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 423-434. 2013

MINAYO, M. C. de S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade?. Cadernos de saúde pública, v. 9, p. 237-248, 1993.

MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MONTEIRO, M. de F.; BATISTELA, S.; BOLOGNANI, S. Reabilitação neuropsicológica dos problemas de memória. In: FONTOURA, D. R. da. et al. Teoria e Prática na Reabilitação Neuropsicológica. Vetor Editora, 2017. Cap. 9, p. 129-145.

PASSERINO, L. M. Pessoas com Autismo em Ambientes Digitais de Aprendizagem: estudo dos processos de Interação Social e Mediação. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre-RS: 2015.

RAMOS, D. K. et al. O uso de jogos cognitivos no contexto escolar: contribuições às funções executivas. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 21, n. 2, p. 265-275, Ago. 2017.

RAMOS, D. K. Cognoteca: Uma Alternativa Para O Exercício De Habilidades Cognitivas, Emocionais E Sociais No Contexto Escolar. Revista Da FAEEBA - Educação E Contemporaneidade, 41(23), 63-75. 2014.

RAMOS, D. K.; MELO, H. Jogos digitais e desenvolvimento cognitivo: um estudo com crianças do Ensino Fundamental. Revista Neuropsicologia Latinoamericana, [S.L.], v.8, n.3, p. 22-32. 2016.

ROCHA, P.; NERY FILHO, J. & ALVES, L. R. G. Jogos digitais e reabilitação neuropsicológica: delineando novas mídias. Anais do Seminário Tecnologias Aplicadas à Educação e Saúde, v. 1, n. 1. 2014.

SILVESTRE, A. L. Análise de dados e estatística descritiva. Escolar editora, 2007.

TOURINHO, A. Gamebook Guardiões da Floresta: um ambiente interativo para estimular as funções executivas. Dissertação (mestrado) - Universidade do Estado da Bahia. Programa de Pós Graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEDUC. 2018.

TOURINHO, A.; BONFIM, C. B.; ALVES, L. R. G. Games, TDAH e Funções Executivas: Uma Revisão da Literatura. Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames) 873-879. 2016.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente. Editora Ltda. São Paulo - SP 4ª edição brasileira. 153.65 - V631. 1991.

WEISZFLOG, W.; TREVISAN, R. Michaelis dicionário brasileiro da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2015.

Downloads

Publicado

22/06/2020

Como Citar

DIAS, E. B.; AMORIM ASSIS DE MELO, A. M.; BONFIM, C. B. Estimulação neuropsicológica com jogos digitais: intervenção em grupo com crianças e adolescentes com rebaixamento cognitivo. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 477–498, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p477-498. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8832. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Dossiê "Séries televisivas, games e aplicativos: entretenimento e cenários de aprendizagens"