As potencialidades do brincar para o desenvolvimento das funções executivas na Primeira Infância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n28p158-177

Palavras-chave:

Funções executivas. Brincar. Primeira Infância. Educação Infantil.

Resumo

O presente estudo, de natureza teórica e qualitativa, foi conduzido através de uma revisão de literatura em autores das áreas de Neurociências e Educação, objetivando apresentar fundamentos sobre as potencialidades do brincar para o desenvolvimento das funções executivas na Primeira Infância, bem como analisar o brincar enquanto direito de aprendizagem proposto pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil (EI). Os resultados indicam que experiências e estimulações ofertadas através do brincar podem fomentar o processo de amadurecimento de funções executivas de forma lúdica na EI. Portanto, o brincar, enquanto ferramenta pedagógica pode promover diversificadas oportunidades de desenvolvimento neurobiológico infantil nos campos de experiência propostos pela BNCC. 

Biografia do Autor

Livia Crespi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora (2020) e Mestra (2017) em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Desenvolve pesquisas sobre a relação entre as Neurociências, a formação e a prática pedagógica do docente da Educação Infantil e Ensino Fundamental I. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Castelo Branco (2012), especialização em Gestão Escolar (2015) pela Universidade Positivo e especialização em Neuroeducação e Primeira Infância (2019) pela Universidade de Pernambuco - UPE e Instituto Cerebrum. Leciona para séries iniciais do Ensino Fundamental no Colégio Santa Rosa de Carlos Barbosa/RS, tendo experiência nas áreas de Educação, Alfabetização, Ensino de Língua Inglesa, processos de Ensino e Aprendizagem e Formação Docente.

Deisi Noro, UFRGS

Doutora (2019) e Mestra (2016) em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Especialista em Administração e Supervisão Escolar (2003), Graduada em Licenciatura em Ciências - Habilitação em Biologia pela Universidade de Caxias do Sul (1992), e em Bacharelado em Ciências - Habilitação em Biologia pela Universidade de Caxias do Sul (1993). Tem experiência na área de Divulgação Científica, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos temas: educação, diversidade, gênero e sexualidade.

Márcia Finimundi Nóbile, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Educação em Ciências (Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2012). Mestre em Ensino de Ciências e Matemática (Universidade Luterana do Brasil, ULBRA, 2008). Licenciatura Plena em Ciências: Habilitação Matemática e Ciências (Universidade Luterana do Brasil, ULBRA, 2005). Bacharel em Administração de Empresas (Centro de Ensino Superior de Farroupilha, CESF, 2001). Sistemas de Informação (Centro de Ensino Superior de Farroupilha, CESF, interrompido em 2002). Professora de Ensino Fundamental da rede municipal de Farroupilha/RS (desde 2006). Supervisora Educacional da Secretaria Municipal de Educação de Farroupilha/RS (desde 2013). Coordenadora Local do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) de Farroupilha/RS (2013 a 2016). Membro do Conselho Municipal de Educação de Farroupilha/RS e do Meio Ambiente (desde 2016). Tutora do Programa Formação pela Escola. Professora e orientadora colaboradora do Programa de Pós-graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Downloads

Publicado

18/08/2020

Como Citar

CRESPI, L.; NORO, D.; NÓBILE, M. F. As potencialidades do brincar para o desenvolvimento das funções executivas na Primeira Infância. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 28, p. 158–177, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n28p158-177. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8863. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos