Oficina pedagógica com estratégia baseada no modelo world-café e na resolução de situação-problema para o cuidado à pessoa trans

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n35p412-433

Palavras-chave:

capacitação profissional, acolhimento, saúde das minorias, serviços para pessoas transgênero., Transexualidade

Resumo

A saúde de homens e mulheres Trans possuem muitos desdobramentos com relação as suas especificidades e ditames sociais. O objetivo desse trabalho é elaborar um World Café para a construção do cuidado de enfermagem diante desses desdobramentos. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, de característica: estudo de campo, exploratório e temático realizada em fevereiro de 2020, através de uma oficina para geração de ideias de forma colaborativa. O estudo identificou o quanto a formação do enfermeiro é frágil quando se trata da atenção a saúde das pessoas Trans. A aplicabilidade do método de ensino foi fundamental para construirmos o conhecimento acerca desse cuidado. A pesquisa demonstra a efetividade da aplicação da oficina na formação do enfermeiro.

Biografia do Autor

Douglas Dias Duarte, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa - Universidade Federal Fluminense

Consultor em Controle de Infecção e em Higiene Hospitalar, Docente de Enfermagem, Enfermeiro Especialista em CCIRAS. Mestre em Ensino na Saúde com Formação Docente Interdisciplinar para o SUS na linha de pesquisa em formação pedagógica - Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa -EEAAC/UFF; Especialização em Controle de Infecção relacionado a assistência a saúde/CIAS -EEAAC - UFF. MBA em Docência e Gestão do Ensino Superior pela Universidade Estácio de Sá. Membro integrante do grupo de pesquisa CNPq Gestão da formação e qualificação profissional: Saúde e Educação na Universidade Federal Fluminense - UFF

Gisella de Carvalho Queluci, Escola de Enfermagem Alfredo Pinto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Professor Associado do Departamento de Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Foi Professor da Universidade Federal Fluminense no período de 2006-2019. Doutorado e Mestrado em Enfermagem pela EEAN/UFRJ. Pós -Doutorado em Epistemologia para Enfermagem pela EEAN/UFRJ. Docente Colaborador do Mestrado Profissional em Ensino na Saúde - UFF. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Tecnologias no Espaço Hospitalar /UNIRIO. Linha de Pesquisa: Formação Pedagógica e Cuidado de Enfermagem, SAE, em especial com uso de Metodologias Ativas no Processo ensino-aprendizagem. Membro do Grupo de Pesquisa : Formação Profissional e Qualificação: Educação e Saúde; Grupo de Estudos em Sistematização da Assistência de Enfermagem - GESAE- UFF. (CNPq), membro do Núcleo de Pesquisa e Experimentação em Enfermagem Fundamental - NUPEEF/UNIRIO.

Referências

ARÁN, M.; MURTA, D.; ZAIDHAFT, S. Transexualidade: corpo, subjetividade e saúde coletiva. Psicologia e Sociedade 2008; 20(1):70-79.

ARÁN, M.; LIONÇO, T.; MURTA, D. Transexualidade e Saúde Pública no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, jul./ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: nov. 2009.

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro, Garamond, 2006.

BRASIL. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Título VIII – Da Ordem Social, Seção II – Da Saúde – Artigo 196-200.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cartilha “Cuidar bem da saúde de cada um”Atenção integral a saúde da população Trans. 2016.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 31 dez. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS: política nacional de humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. (2ª ed.), Brasília: Ministério da Saúde. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. (3ª. ed.), Brasília: Ministério da Saúde. (Série E. Legislação de Saúde 2007). 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: 1. ed., 1. reimp. Ministério da Saúde. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Transexualidade e travestilidade na saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2015.

BRASIL. Código de ética dos profissionais de enfermagem - CEPE. Resolução COFENº 564/2017. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde/Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 573, de 31 de janeiro de 2018.

BRASIL. Presidência da República Secretaria-Geral Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 8.727 de 28 de abril de 2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. 2016. Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2016/decreto-8727-28-abril-2016-782951-publicacaooriginal-150197-pe.html.

BRASIL. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. Ministério da Saúde. 3. ed., Brasília:, 2011. 28 p.: il. (Série E. Legislação de Saúde, 2007).

BRASIL. Ministério da Saúde/Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 573, de 31 de janeiro de 2018. Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação Bacharelado em Enfermagem. 2018.

BROWN, J.; ISAACS, D. O. World café: dando forma ao nosso futuro por meio de conversações significativas e estratégias. São Paulo: Cultrix, 2007. Café World Community Fundation. Disponivel em: http://www.theworldcafe.com .Acessado em: 06 8 de setembro de 2018.

CARVALHO, V. Cuidando, pesquisando e ensinando: acerca de significados e implicações da prática da enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem, 12(5):806-15, set-out, 2004.

CARVALHO, V. Sobre o projeto para aplicação de novas metodologias ao processo ensino- aprendizagem – a experiência de mudança curricular na Graduação da EEAN/UFRJ. In: CARVALHO, V. Sobre enfermagem: ensino e perfil profissional. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ; 2006.

CARVALHO, V. Dimensões do saber-fazer do enfermeiro que fundamentam o conteúdo do currículo de graduação – Uma contribuição à identidade profissional. In: CARVALHO, V. Sobre enfermagem: ensino e perfil profissional. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ; 2006.

MUNIZ, P. A. Situação-problema de cliente com ferida neoplásica: contribuições para a prática e ensino de enfermagem. 2017.

PERRENOUD, P.; MAGNE, B. C. Construir: as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

POPADIUK, G. S. et al. A Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (LGBT) e o acesso ao Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS): avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5):1509-1520, 2017 DOI: 10.1590/1413-81232017225.32782016

Downloads

Publicado

31/08/2022

Como Citar

DUARTE, D. D.; QUELUCI, G. de C. Oficina pedagógica com estratégia baseada no modelo world-café e na resolução de situação-problema para o cuidado à pessoa trans. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 35, p. 412–433, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n35p412-433. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12325. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos