Educação infantil pós-BNCC e a produção do neossujeito docente em documentos curriculares municipais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n33p33-57

Palavras-chave:

Educação Infantil, Currículo, Docência, Políticas curriculares

Resumo

A partir dos estudos de currículo e dos estudos de Michel Foucault, o artigo objetiva analisar a produção discursiva sobre a docência veiculada em documentos curriculares de Educação Infantil das cidades de Fortaleza, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Florianópolis, os quais foram elaborados após a homologação da BNCC (MEC, 2017). Mediante a análise do discurso, são evidenciadas táticas discursivas presentes nos textos que, ao instituírem práticas pautadas por uma racionalidade neoliberal, operam na constituição do neossujeito docente. Com base nas análises, é possível inferir que os documentos curriculares ratificam as orientações constantes na Base, prescrevem modos de atuação profissional e secundarizam a autoria docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Saballa de Carvalho

Pós-Doutor em Educação (UFPEL), Doutor em Educação (UFRGS), Mestre em Educação (UFRGS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGEDU/UFRGS na Linha de Pesquisa Estudos sobre Infâncias. Professor da área de Educação Infantil do Departamento de Estudos Especializados (DEE) da Faculdade de Educação da UFRGS.  Líder do Grupo de Pesquisas CLIQUE - Grupo de Pesquisas em Linguagens, currículo e cotidiano de bebês e crianças pequenas - CNPQ/UFRGS.

Gertrudes Angélica Vargas Bernardo, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em Educação (UFRGS), Doutoranda em Educação (PPGEdu/UFRGS) na Linha de Pesquisa Estudos sobre Infâncias, Bacharel em Psicologia e Licenciada em Pedagogia. Membro do CLIQUE -  Grupo de Pesquisas em Linguagens, currículo e cotidiano de bebês e crianças pequenas - CNPQ-UFRGS.

Amanda de Oliveira Lopes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Licenciada em Pedagogia (UFRGS), Mestranda em Educação na Linha de Pesquisa Estudos sobre Infâncias no PPGEdu/UFRGS. Membro do CLIQUE - Grupo de Pesquisas em Linguagens, currículo e cotidiano de bebês e crianças pequenas - CNPQ/UFRGS.

Referências

ARIOSI, Cinthia Magda Fernandes. A Base Nacional Comum Curricular para Educação Infantil e os campos de experiência: reflexões conceituais entre Brasil e Itália. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 6, n. 15, p. 241-256, 2019.

BALL, Stephen; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annette (org.). Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa: UEPG, 2016.

BOCCHETTI, André. A era do preparo e instrumentalização nos modos de existir. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BOCCHETTI, André. Por um professor mínimo: a produção “a distância” do sujeito docente. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

BRAILOVSKY, Daniel. Pedagogía (entre paréntesis). Buenos Aires: Noveduc, 2019.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAMPOS, Roselane Fátima; DURLI, Zenilde; CAMPOS, Rosania. BNCC e privatização da Educação Infantil: impactos na formação de professores. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 169-185, jan./maio 2019.

CORAZZA, Sandra. Base Nacional Comum Curricular: apontamentos críticos-clínicos e um trampolim. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 135-144, dez. 2016.

CORAZZA, Sandra. O que quer um currículo?: pesquisas pós-críticas em Educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

CORAZZA, Sandra; TADEU, Tomaz. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

CURITIBA. Secretaria Municipal de Educação. Currículo da Educação Infantil: diálogos com a BNCC. Curitiba: Superintendência de Gestão Educacional; Departamento de Educação Infantil, 2020.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

FLORIANÓPOLIS. Secretaria Municipal de Educação. Base Nacional Comum Curricular e os documentos curriculares municipais da Educação Infantil de Florianópolis: recontextualização curricular. Florianópolis: Secretaria Municipal de Educação; Diretoria de Educação Infantil, 2020.

FORTALEZA. Secretaria Municipal de Educação. Proposta curricular para a Educação Infantil de Fortaleza. Fortaleza: Prefeitura Municipal de Fortaleza, 2020.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2005.

FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres; DIAS, Rosane Evangelista. Os sentidos da docência na BNCC: efeitos para o currículo da Educação Básica e da formação/atuação de professores. Educação, São Leopoldo, v. 22, n. 1, p. 7-15, 2018.

GAGO, Verónica. A razão neoliberal: economias barrocas e pragmática popular. São Paulo: Elefante, 2018.

GARCIA, Maria Manuela Alves; OSÓRIO, Mara Rejane Vieira. O profissionalismo docente na reforma das licenciaturas: o discurso da política curricular oficial. In: TURA, Maria de Lourdes Rangel; GARCIA, Maria Manuela Alves (org.). Currículo, políticas e ação docente. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013. p. 159-179.

LOPES, Alice Casimiro. Apostando na produção contextual do currículo. In: AGUIAR, Márcia Angela da S.; DOURADO, Luiz Fernandes (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliações e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. p. 23-27.

MACEDO, Elisabeth. “A base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, Márcia Angela da S.; DOURADO, Luiz Fernandes (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliações e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. p. 28-33.

MACEDO, Elisabeth. Base Nacional Comum para currículos: direitos de desenvolvimento e aprendizagem para quem? Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 133, p. 891-908, out./dez. 2015.

MEDEIROS, Cassia Maria Lopes Dias. O desenvolvimento humano como direito e objetivo educacional no currículo da educação infantil. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2021.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução CEB n.º 1, de 7 de abril de 1999. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 abr. 1999. Seção 1, p. 18.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução CNE/CEB n.º 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 dez. 2009. Seção 1, p. 18.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. Pedagogia e governamentalidade: ou Da Modernidade como uma sociedade educativa. Curitiba: Autêntica, 2011.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e diferença. In: PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas sobre currículos e culturas: temas, embates, problemas e possibilidades (org.). Curitiba: CRV, 2010. p. 15-30.

PEREIRA, Fábio Hoffmann. Campos de experiência e a BNCC: um olhar crítico. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 22, n. 41, p. 73-89, jan./jun. 2020.

PEREIRA, Jennifer Nascimento. Nova Escola e padrão BNCC de docência: a formação do professor gerenciado. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

PEREIRA, Marcos Vilella; RATTO, Cleber Gibbon. Rastros del fundamentalismo pedagógico en la formación de professores. Archivos de Ciencias de la Educación, Ensenada, año 2, n. 2, p. 121-134, 2008.

POPKEWITZ, Thomas S. Estudos curriculares, história do currículo e teoria curricular: a razão da razão. Em Aberto, Brasília, v. 33, n. 107, p. 47-68, jan./abr. 2020.

POPKEWITZ, Thomas S. História do currículo, regulação social e poder. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 173-210.

RIO DE JANEIRO (RJ). Secretaria Municipal de Educação. Educação Infantil: currículo. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Educação; Subsecretaria de Ensino, 2020.

ROCHA, Cristianne Maria Famer. A escola na mídia: nada fora de controle. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

SÃO PAULO (SP). Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Pedagógica. Currículo da Cidade: Educação Infantil. São Paulo: SME/COPED, 2019.

SCHULER, Betina. Docência e modos de subjetivação: dissoluções genealógicas e o cuidado de si. Educação em Questão, Natal, v. 54, n. 40, p. 129-152, jan./abr. 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SOBRAL, Antônio Luís Tubino. Sintaxes pedagógicas no fotojornalismo da Veja sobre o agronegócio. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2013.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

CARVALHO, Rodrigo Saballa de; BERNARDO, Gertrudes Angélica Vargas; LOPES, Amanda de Oliveira. Educação infantil pós-BNCC e a produção do neossujeito docente em documentos curriculares municipais. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 33, p. 33–57, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n33p33-57. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12639. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.