Formação docente para a educação escolar quilombola

o povoado da Mussuca no estado de Sergipe em debate

Autores

  • Leandro dos Santos Universidade do Estado de Alagoas - CLIND/UNEAL
  • Paulo Sergio Marchelli Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15877

Palavras-chave:

Educação Escolar Quilombola, Formação Docente, Comunidade Quilombola da Mussuca (SE)

Resumo

O objetivo do artigo é investigar as concepções sobre a educação escolar quilombola postas no Brasil no período de 2002 a 2019. A análise é realizada na perspectiva do materialismo histórico e dialético, de forma a compor um conjunto de elementos conceituais que têm como ponto de partida as relações sociais de produção, emancipação, resistência, historicidade, criticidade, formação, cultura, raça e etnia. Verifica-se que a Comunidade Quilombola da Mussuca no Estado de Sergipe perpassou por uma complexa sistemática de exclusão social, onde se destaca a luta pelo seu reconhecimento e fortalecimento identitário, sendo a educação um caminho fundamental para realizar processos de transformação efetivos. Conclui-se que a educação escolar quilombola carece de maior funcionalidade em termos das concepções e práticas que a suscitam, pois é produzida por meio de um conjunto de ações que não conseguem institucionalizar parâmetros capazes de produzir as transformações desejadas. No âmbito da formação docente, as políticas públicas implementadas não dialogam com as diferenças e as especificidades das comunidades remanescentes de quilombo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro dos Santos, Universidade do Estado de Alagoas - CLIND/UNEAL

Doutor em Educação - PPGED/UFS, Mestre em Educação - PPGED/UFS, Especialista em Gestão
Escolar, Licenciado em Pedagogia, Licenciado em Filosofia, Bacharel em Administração Pública.
Membro do Grupo de Pesquisa em Educação e Movimentos Sociais - GPEMS/UFS. Atualmente é
Professor da Rede Municipal de Nossa Senhora de Lourdes, Sergipe e Professor Bolsista do Curso de
Licenciaturas Interculturais Indígenas de Alagoas/CLIND-UNEAL.

Paulo Sergio Marchelli, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em Educação pela USP e pós-doutorado em educação pela UERJ, professor do Departamento de
Educação do Campus Professor Alberto Carvalho da UFS (DEDI), professor do Programa do Pós-
Graduação em Educação da UFS (PPGED), membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação de
Professores e Tecnologias da Informação e Comunicação (FOPTIC), e-mail:
paulomarchelli@hotmail.com.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em 20 de julho de 2020.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da República, Brasília, DF, 10 jan. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, DF, 2004.

BRASIL. Lei nº 11.645/08. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira Africana e Indígena. Brasília, 2008.

BRASIL, Lei 12.288/10. Estatuto da Igualdade Racial. Brasília, DF: Presidência da República, 2010a.

BRASIL. Conferência Nacional de Educação (CONAE): Documento final. Brasília: MEC, SEA, 2010b.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013.

BRASIL. Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011.

LIBERATI, Wilson Donizeti. Políticas Públicas no Estado Constitucional. São Paulo, Atlas, 2013

MICHALISZYN, M. S. Educação e diversidade. Curitiba: Intersaberes, 2012.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

SANTOS, Leandro dos. Políticas públicas de formação docente para a educação escolar quilombola: Concepções e práticas (2002-2019). 2022. 223 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2022.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre ciências. 5ª Ed. São Paulo: Cortez, 2006.

Downloads

Publicado

2023-09-05

Como Citar

SANTOS, Leandro dos; MARCHELLI, Paulo Sergio. Formação docente para a educação escolar quilombola: o povoado da Mussuca no estado de Sergipe em debate. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e15877, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15877. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15877. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação docente: experiências e correlatos teórico-práticos

Artigos Semelhantes

<< < 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.