Tecnologia Assistiva: o que pensam as professoras da sala de recursos multifuncionais?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p349-360

Palavras-chave:

Inclusão, Tecnologia Assistiva, Sala de Recursos Multifuncionais

Resumo

É crucial instaurar condições de equidade na escola e garantir o acesso, a permanência, a participação e o êxito escolar de alunos com deficiência com o uso de Tecnologia Assistiva. Este estudo analisou como vem sendo usada a tecnologia assistiva no processo de ensino/aprendizagem dos alunos com deficiência nas salas de recursos multifuncionais. A metodologia foi de cunho qualitativo com abordagem de estudo de caso. Os sujeitos da pesquisa foram 4 professoras das salas de recursos multifuncionais de escolas públicas municipais de Murici/AL. O instrumento de coleta de dados foi a entrevista com análise de conteúdo. Os resultados mostraram que para as professoras a tecnologia assistiva eram recursos que auxiliavam os alunos com deficiência e que podem ser de baixo custo; as quais, foram construídas pelas professoras afirmando que as dificuldades foram mínimas e sanadas com: pesquisas sobre o uso destes recursos, profissional capacitado, debates com as demais professoras e coordenação. Também afirmaram a necessidade de formação e de investimento em tais recursos. Logo, a escola deve saber lidar com a diversidade, tornar-se inclusiva e proporcionar oportunidades de aprendizagens com apoio da Tecnologia Assistiva, para poder atender às demandas e necessidades dos alunos

Biografia do Autor

Tarciana Angélica Lopes Damato, Secretaria Municipal de Educação de Maceió (SEMED) Faculdade Pitágoras de Maceió

Possui Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal de Alagoas/UFAL (1996). Possui curso de Aperfeiçoamento em Educação Física e Esportes para Pessoas com Deficiência pela Universidade Federal de Uberlândia/UFU (1998). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Alagoas/UFAL (2010). Possui Doutorado em Educação, Cultura e Inclusão: educação e formação pela Università degli Studi di Roma/Itália (UNIROMA4)

Maria Amélia da Silva Viana, Secretaria Municipal de Educação de Murici (SEMED)

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Alagoas (2003), com especialização em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pelo Centro Universitário Cesmac (2012), e em Educação Especial e Inclusiva pela Faculdade São Tomás de Aquino (2019). Mestre em Ciências da Educação pela Universidade Interamericana (2017).

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luis Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011, 281 p. Disponível em: https://www.scribd.com . Acesso em: 20 set 2018

BARROS, J. L. V.; SILVA, T. A. L. Tecnologias Assistivas: um recurso em benefício da educação inclusiva. IV CBEE – Congresso Brasileiro de Educação Especial, UFSCAR, 2009

BERSCH, R.; PELOSI, M. B. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: tecnologia assistiva: recursos de acessibilidade ao computador. Secretaria de Educação Especial – Brasília: ABPEE – MEC, SEESP, 2007

BOGDAN, R; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto, 1994.

BORGES, W. F.; TARTUCI, D. Tecnologia Assistiva: concepções de professores e as problematizações geradas pela imprecisão conceitual. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.23, n.1, p.81-96, Jan.-Mar., 2017

BRASIL. Resolução Nº. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui as Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, na modalidade Educação Especial. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf . Acesso em: 15 de out 2018.

CASTRO, A. S. A.; SOUZA, L. R.; SANTOS, M. C. Contribuições da Tecnologia Assistiva para a inclusão educacional na rede pública de ensino de Feira de Santana. In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (Orgs.) O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012, p. 299-320

CINTRA, R. C. G. G.; PROENÇA, M. AL. M.; JESUINO, M. S. A historicidade do lúdico na abordagem histórico-cultural de Vigotsky. Revista Rascunhos Culturais. Coxim/MG, v. 1, n. 2, p. 225-238, jul/dez.2010.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 11ª edição. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

DAMATO, T. A. L.; FUMES, N. L. F. Equipe Escolar: o que pensam os professores da Educação Especial em duas realidades diversas? Maceió/AL e Roma/Itália. VI ONEESP – Encontro do Observatório Nacional de Educação Especial. Faculdade de Educação/UFSCAR, 01 a 02 de 2018

GALVÃO FILHO, T. A. A Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, M. N. (Orgs.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1 ed. Porto Alegre: Redes Editora, p. 207-235, 2009. Disponível em: www.galvaofilho.net/assistiva.pdf. Acesso em: 05 set de 2018

GALVÃO FILHO, T. A.; MIRANDA, T. G. Tecnologia Assistiva e salas de recursos: análise crítica de um modelo. In: In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (Orgs.) O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012, p. 247 - 266

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S; DESLANDES, S F. (Org.) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MANZINI, E. J. Tecnologia assistiva para a educação: recursos pedagógicos adaptados. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, p. 82-86, 2005

MENDES, E. G. Perspectiva para a Construção da Escola Inclusiva no Brasil. In: Escola Inclusiva. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

SALGADO, S. S. Inclusão e Processos de Formação. In: SANTOS, P. S.; PAULINO, M. M. (Org.) Inclusão em Educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTAROSA, L. M. C. Escola virtual para a Educação Especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, Bogotá/Colombia, UNIANDES, 10(1), p. 115-138, 1997

SILVA, A. F. A inclusão Escolar de Alunos com Necessidades Educacionais especiais: deficiência física. Brasília: MEC/ SEESP, 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

31/08/2019

Como Citar

DAMATO, T. A. L.; VIANA, M. A. da S. Tecnologia Assistiva: o que pensam as professoras da sala de recursos multifuncionais?. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 24, p. 349–360, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n24p349-360. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6896. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê “Tecnologias e educação: usos, efeitos e reflexões sobre a formação no cotidiano das instituições educacionais”