Pensando a docência para além da representação comum: uma discussão sobre profissionalidade, identidade docente e reconhecimento social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p51-65

Palavras-chave:

Profissão Docente. Identidade Docente. Profissionalidade Docente.

Resumo

O objetivo deste artigo é relacionar o conceito de profissionalidade docente aos debates mais recentes acerca da construção da identidade do professorado, dialogando diretamente com o campo da formação de professoras/es e tendo como pano de fundo de análise o quadro mais amplo da produção sobre a docência no Brasil. Buscamos ainda, neste exercício de crivo teórico, abordar o papel que a identidade normativa (estereotipada) acerca da docência pode desempenhar na (des) construção da identidade profissional de docentes engendrando discursos e representações produzidos “por fora” da docência e incorporados artificialmente à mesma, implicando no reconhecimento social e subjetivo do magistério como uma profissão complexa e permeada por especificidades historicamente subestimadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Torres Cabral, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social da Faculdade de Educação da UFMG

Mardem Michael Ferreira Da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social da Faculdade de Educação da UFMG

Referências

ANDRÉ, M. Políticas de valorização do trabalho docente no Brasil: algumas questões. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, n. 86, p. 213-230, jan./mar. 2015.

APPLE, M. W. Teachers & Texts: A Political Economy of Class & Gender Relations in Education. New York and London: Routledge & Kegan Paul, 1986.

ARROYO, M. G. Imagens Quebradas: Trajetórias e tempos de alunos e mestres. 2ª. Ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

ARROYO, M. G. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

BIKLEN, S. K. School Work: Gender and the Cultural Construction of Teaching. New York: Teachers College Press, 1995. In: BRITZMAN, D. P. Practice Makes Practice: A Critical Study of Learning to Teach. Albany: State University of New York, 1991.

BRITZMAN, D. P. Practice Makes Practice: A Critical Study of Learning to Teach. Albany: State University of New York, 1991.

BUENO, B. O.; LAPO, F. R. Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cadernos de pesquisa, v. 118, p. 65-88, 2003.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez. 2002.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Lentes teóricas para o estudo da construção da identidade docente. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 7, n. 1, p. 9-34, jan./jun. 2016.

ENGUITA, M. F. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação, n. 4, jan 1991.

FAVACHO, A. M. P. A problematização moral da docência. Educação em Perspectiva, v. 5, n. 1, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia, 49a. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2014.

GATTI, B. A. et al. Atratividade da carreira docente no Brasil. São Paulo: Fundação, Vitor Civita, 2009. Relatório final da pesquisa realizada pela Fundação Carlos Chagas para a Fundação Vitor Civita. Disponível em: http://www.zerohora.com.br/pdf/15141177.pdf Acesso em out, 2018.

GATTI, B. A. Reconhecimento social e as políticas de carreira docente na Educação Básica. Cadernos de Pesquisa, v.42 n.145 p.88-111 jan./abr. 2012.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Trad. Francisco Pereira. – Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1998.

JAÉN, M. J. Os docentes e a racionalização do trabalho em educação: elementos para uma crítica da teoria da proletarização dos docentes. Teoria & Educação, n. 4, jan 1991.

MARCELO, C. A identidade docente: constantes e desafios. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente. v.1, n.1, p. 109-131, 2009.

MINAYO, M. C. S. Fase de análise ou tratamento do material. In: O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: HUCITEC; Rio de Janeiro: ABRASCO, 1996.

NÓVOA, A. et al. Profissão, professor. 1995.

PINTO, J. M. R. O que explica a falta de professores nas escolas brasileiras? Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v.8, n.15, p. 03-12, jan/jun 2014. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/39189 Acesso em out, 2018.

POPKEWITZ, T. S. Struggling for the Soul: The politics of schooling and the Construction of the teacher. New York and London: Teachers College Press, 1998.

SACRISTÁN, J. G. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. Profissão professor. 2ª ed. Porto, Portugal: Porto Editora, p. 63-92, 1995.

SIMÕES COELHO, A. M. Destino profissional de egressos dos Cursos de Licenciatura em Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais. 2017. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

SIMÕES-COELHO, A. M.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Olhar o magistério "no próprio espelho": O conceito de profissionalidade e as possibilidades de se repensar o sentido da profissão docente. Revista Portuguesa de Educação, v. 30, n.1, p. 7-34, 2017.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas, 3ª ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

TEIXEIRA, I.C. Os professores como sujeitos sócio-culturais. Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte, p. 179-194, 1996.

VALE, J. H. Professores da rede estadual encerram greve. Estado de Minas: Gerais, Belo Horizonte, 18, Abril de 2018. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2018/04/18/interna_gerais,952650/professores-da-rede-estadual-encerram-greve.shtml Acesso em: 5 jun. 2018.

Downloads

Publicado

2019-08-31

Como Citar

CABRAL, Lívia Torres; DA SILVA, Mardem Michael Ferreira. Pensando a docência para além da representação comum: uma discussão sobre profissionalidade, identidade docente e reconhecimento social. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 24, p. 51–65, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n24p51-65. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7173. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.