Exergames como forma de cuidado no âmbito da Saúde Mental: estado da arte e perspectivas futuras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p562-575

Palavras-chave:

Saúde mental. Jogos digitais. Exergame. Aspectos cognitivos Aspectos físicos.

Resumo

Este estudo apresenta o estado da arte das pesquisas com exergames na saúde mental, tendo como objetivo mapear a produção acadêmica acerca da utilização dos exergames como forma de cuidado no âmbito da saúde mental. Foram realizadas buscas por trabalhos nas bases de dados Periódicos CAPES, PubMed, Web of Science, SciELO e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). As buscas foram realizadas nos meses de abril e maio de 2019 e foram limitadas em trabalhos empíricos publicados em periódicos revisados por pares entre os anos de 2005 e 2019. Ao total, foram encontrados 292 trabalhos, mas, após a remoção de artigos duplicados (n=53), após a leitura do título e resumo do artigo (n=227) e leitura na íntegra dos artigos (n=6), identificamos que apenas 6 (seis) deles abordavam a utilização dos exergames como forma de cuidado na saúde mental. A partir dos resultados dos estudos, em síntese podemos constatar que os exergames podem ser utilizados como uma alternativa potencial para o cuidado em saúde mental, tendo em vista que o fator motivacional ocasiona maior adesão a programas de exercício físico baseados em jogos digitais, trazendo benefícios tanto cognitivo/psicológicos quanto físico/fisiológicos.

Biografia do Autor

Adilson Rocha Ferreira, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Possui graduação em Educação Física - Licenciatura pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2013). Possui Especialização em Mídias na Educação pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2016). Mestre em Educação pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2018). Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Membro do Grupo Saúde Mental, Ética e Educação e do Grupo de Estudo, Pesquisa e Extensão em Esporte - GEPEXE, ambos da UFAL. Atualmente é professor de Educação Física da Secretaria de Estado da Educação de Alagoas - SEDUC/AL. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: organização de eventos esportivos e atividades lúdicas. Estuda a implementação das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Educação e na Saúde, com ênfase nos temas: jogos digitais, exergames, educação, saúde e saúde mental.

Deise Juliana Francisco, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Minha formação é na área das Ciências Humanas e Tecnologias Digitais. Possuo graduação em Psicologia (1993) e Licenciatura em Psicologia(1996), Mestrado em Educação (1998) e Doutorado em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007). Atualmente sou professora Associado I da UFAL, estando lotada no Centro de Educação, membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UFAL desde 2010. Tenho experiência na área de Psicologia e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde mental, processo de subjetivação, tecnologias digitais, informática na educação.

Referências

ALVES, L. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: SciELO-Editora FIOCRUZ, 2007.

ANDERSON-HANLEY, C. et al. Autism and exergaming: effects on repetitive behaviors and cognition. Psychology research and behavior management, v. 4, p. 129-137, 2011. Disponível em: https://dx.doi.org/10.2147%2FPRBM.S24016. Acesso em: 14 abr. 2019.

BRASIL. Constituição. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria SNAS nº 224, de 29 de janeiro de 1992: estabelece diretrizes e normas para o atendimento em saúde mental. Diário Oficial da União, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Portaria GM n° 336, de 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União, 2002.

BORG, Gunnar A. Psychophysical bases of perceived exertion. Med Sci Sports Exerc, v. 14, n. 5, p. 377-381, 1982.

CAMPOS, C. et al. Feasibility and acceptability of an exergame intervention for schizophrenia. Psychology of Sport and Exercise, v. 19, p. 50–58, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.psychsport.2015.02.005. Acesso em: 2 maio 2019.

DOBBINS, S. et al. Play provides social connection for older adults with serious mental illness: A grounded theory analysis of a 10-week exergame intervention. Aging and Mental Health, p. 1–8, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13607863.2018.1544218. Acesso em: 2 maio 2019.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257–272, 2002. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013. Acesso em: 30 out. 2018.

GEE, J. Good video games and good learning: collected essays on video games, learning, and literacy. New York: Peter Lang, 2014.

GEE, J. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan, 2007.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 8 ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

LEUTWYLER, H.; HUBBARD, E.; DOWLING, G. Adherence to a Videogame-Based Physical Activity Program for Older Adults with Schizophrenia. Games for health: research, development, and clinical applications, v. 3, n. 4, p. 227-233, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1089/g4h.2014.0006. Acesso em: 15 abr. 2019.

LEUTWYLER, H. et al. Videogames to promote physical activity in older adults with schizophrenia. Games for health: research, development, and clinical applications, v. 1, n. 5, p. 381-383, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1089/g4h.2012.0051. Acesso em: 11 abr. 2019.

LI, J.; THENG, Y.-L.; FOO, S. Exergames for Older Adults with Subthreshold Depression: Does Higher Playfulness Lead to Better Improvement in Depression? Games for Health Journal, v. 5, n. 3, p. 175–182, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1089/g4h.2015.0100. Acesso em: 4 maio 2019.

MOITA, F. Game on: jogos eletrônicos na escola e na vida da geração @. São Paulo: Alínea, 2007.

OH, Y.; YANG, S. Defining exergames and exergaming. Proceedings of Meaningful Play, p. 1-17, 2010. Disponível em: http://meaningfulplay.msu.edu/proceedings2010/. Acesso em: 2 fev. 2019.

PAPASTERGIOU, M. Exploring the potential of computer and video games for health and physical education: a literature review. Computers & Education, v. 53, n. 3, p. 603-622, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.compedu.2009.04.001. Acesso em: 20 nov. 2018.

SOTHERN, M. Obesity prevention in children: physical activity and nutrition. Nutrition, v. 20, n. 7, p. 704-708, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.nut.2004.04.007. Acesso em: 14 out. 2018.

VAGHETTI, C.; BOTELHO, S. Ambientes virtuais de aprendizagem na educação física: uma revisão sobre a utilização de Exergames. Ciências e Cognição, v. 15, n. 1, p. 64-75, 2010. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/292. Acesso em: 13 ago. 2018.

Downloads

Publicado

22/06/2020

Como Citar

FERREIRA, A. R.; FRANCISCO, D. J. Exergames como forma de cuidado no âmbito da Saúde Mental: estado da arte e perspectivas futuras. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 562–575, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p562-575. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8703. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê "Séries televisivas, games e aplicativos: entretenimento e cenários de aprendizagens"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.