Tecendo redes de sabedoria e conhecimento no encontro entre profissionais da Saúde Mental e da Educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p285-305

Palavras-chave:

Biologia do Conhecimento, Sabedoria, Redes, Educação, Saúde Mental.

Resumo

O artigo discute o tecer dos nós nas redes que envolvem os profissionais da saúde mental e da educação do município de Mossoró/RN. A pesquisa recortou e analisou as ações que tornam visíveis processos cognitivos, sabedoria e conhecimento construídos em oficinas e conversações que integraram diferentes tecnologias. A abordagem foi a qualitativa, na forma da pesquisa-intervenção, com o emprego da metodologia em primeira pessoa. Contamos com os estudos da Biologia do Conhecimento de Humberto Maturana e Francisco Varela, entre outros que acolhem a perspectiva de que o processo do conhecimento é inseparável da experiência. A análise da experiência indica que bons encontros favorecem a emergência de emoções que sustentam uma produção coletiva capaz de fortalecer os nós nas redes.

Biografia do Autor

Cristhiane Marques de Freitas, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Mestre em Cognição, Tecnologias e Instituições pela Universidade Federal do Semi-Árido - UFERSA (2016). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (1999). Especialista em Informática Aplicada pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte(2009). Especialista em Mídias na Educação pela mesma universidade (2013). Integrante do Grupo de Pesquisa: Linguagens, Cognição e Tecnologias (UFERSA). Atualmente, Coordenadora e Professora Formadora do Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal ? NTM em Mossoró/RN.

Karla Rosane do Amaral Demoly, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Professora da Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA, vinculada ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas. Coordenadora do Programa que integra pesquisa e extensão Rede de Oficinandos na Saúde: tecnologias da informação e da comunicação promovendo cuidado e formação em saúde mental. Coordenadora do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu - Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em Cognição, Tecnologias e Instituições da UFERSA na gestão 2016-2017. O percurso de formação acadêmica compreende a Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1988), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995), Doutorado em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008) e doutorado sanduíche em Antropologia da Escritura realizado na École des Hautes Études en Sciences Sociales em Paris França / EHESS (2006-2007). Os projetos atuais se organizam em torno dos seguintes temas: atos de escrita e exercício de autoria; tecnologias, educação e saúde mental. Dirigente do grupo de pesquisa Linguagens, Cognição e Tecnologias no CNPQ cujos estudos giram em torno do conceito de atos de linguagem como modo de produção de si e das circunstâncias que configuram formas de conhecer e viver. Integrante de redes de pesquisa, como a Equipe do Laboratoire Anthropologie de lÉcriture dirigida pela Dra. Béatrice Fraenkel na École des Hautes Études en Sciences Sociales que se dedica na configuração do campo de estudos das práticas de escrita em contextos diversos; do Grupo de Pesquisa GAIA - Grupo de Ações e Investigações Autopoiéticas UNISC, dirigido pela Profª Drª Nize Maria Campos Pellanda; do Grupo de Pesquisa Políticas Públicas, Ecologias e Políticas Cognitivas UFRGS, Linha de Pesquisa Oficinando em Rede, dirigido pela Profª Drª Cleci Maraschin e do Grupo de Pesquisa Engenharia de Software UFERSA, Linha de Pesquisa Informática na Saúde (eHealth), dirigido pelo Prof. Dr. Francisco Milton Mendes Neto. Atualmente realiza estudos sobre modos de cuidar e aprender com Cenopoetas e Pesquisadores em Saúde Mental, inspirada nos trabalhos de Vitor Pordeus, Nise da Silveira, Humberto Maturana, Ray Lima, Regina Lima e Vera Dantas.

Referências

ATLAN, Henri. Entre o cristal e a fumaça. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

BRASIL. Decreto nº 6.300, de 12 de dezembro de 2007. Presidência da República. Casa Civil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, 12 dez. 2007.

BRASIL. Portaria. nº 522, de 9 de abril de 1997. Ministério da Educação e do Desporto. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, 09 abr. 1997.

BRASIL. Resolução nº 04, de 02 de outubro de 2009. Institui as Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica – Modalidade Educação Especial. MEC: Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF, 02 out. 2009.

BRASIL. Departamento de Ações Programáticas Estratégias. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde Série F: Comunicação e Educação em Saúde. Brasil, 2004. Disponível em: <http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf> Acesso em: 24 dez. 2017.

CALLON, M. Por uma nova abordagem da ciência, da inovação e do mercado. O papel das redes sócio-técnicas. In: PARENTE, André. In: (Org.) Tramas da rede. Porto Alegre: Sulina. 2004. p. 64-79, 303p.

DEMOLY, Karla. R. A. Linguagens, Tecnologias, Saúde Mental: sobre a atenção e cuidado de si e do outro na convivência. In: DEMOLY, Karla R. A.; FONTENELLE, Maria A. M.; CHAGAS, Maria. F. L.(Org.). Redes de cuidado e aprendizagem na saúde mental e na educação. Ijuí: Editora Unijuí, p. 23 – 38, 2017.

EIZIRIK, Mariza F. Diferença ou exclusão ou a gestação de uma mentalidade inclusiva. Revista Educação Especial, Brasil, v. 4, n. 2, p. 17-23, jul./out. 2008.

FOERSTER, Heinz, V. Understanding, understanding. New YorK: Spring, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

KASTRUP, Virginia. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educação e Sociedade, v. 26, n. 93, p. 1273-1288, 2005.

MARASCHIN, Cleci. Pesquisar e intervir. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 16, n. 1, 2004.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

______. A ontologia da realidade. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. 9. ed. São Paulo: Palas Athenas, 2011.

MERHY, Emerson E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

MERHY, E. E.; FEUERWERKER, L. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: MANDARINO, A. C. de S.; GOMBERG, E. (Ed.). Leitura de Novas Tecnologias e Saúde. Salvador: Edufba, 2009. p. 29-74.

PARENTE, A. Enredando o pensamento: redes de transformação e subjetividades. . In: PARENTE, André. In: (Org.) Tramas da rede. Porto Alegre: Sulina. 2004. p. 91-110.

PELLANDA, Nize M. C. Maturana & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

VON FOERSTER, H. Understanding, understanding. New YorK: Spring, 2003.

Downloads

Publicado

22/06/2020

Como Citar

FREITAS, C. M. de; DEMOLY, K. R. do A. Tecendo redes de sabedoria e conhecimento no encontro entre profissionais da Saúde Mental e da Educação. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 285–305, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p285-305. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8698. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos