Aspectos históricos da educação das pessoas com impedimentos visuais

Autores

  • Cristiane Rodrigues Vieira Colégio Pedro II e Curso de mestrado profissional em Diversidade e Inclusão da Universidade Federal Fluminense http://orcid.org/0000-0002-8570-3674
  • Ruth Maria Mariani Braz Curso de mestrado profissional em Diversidade e Inclusão da Universidade Federal Fluminense http://orcid.org/0000-0003-2224-9643

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n31p166-190

Palavras-chave:

Equidade, Braille, Prevenção da deficiência visual

Resumo

Este artigo de revisão bibliográfica trata-se de uma análise sobre a história da pessoa com deficiência visual na formação de cidadãos críticos. A metodologia utilizada foi uma pesquisa bibliográfica qualitativa, buscamos as obras mais recentes, mas não dispensamos as obras pioneiras. No primeiro momento definimos quem são as pessoas com deficiência visual no Brasil, depois apresentamos a história da educação dos cegos no Brasil, as causas da cegueira, apresentamos a história de Louis Braille, seu método, a prevenção a cegueira e como identificar estas crianças em sala de aula. Concluímos que os testes não se limitam ao oftalmologista, mas pode ser aplicado por qualquer pessoa próxima `a criança, professores, alfabetizadores, agentes comunitários ou enfermeiros, desde que devidamente qualificados, como forma de realizar a pré-triagem visual. Esta forma de prevenção auxilia no atendimento a estas crianças nas escolas e melhora a seu bem estar.

Biografia do Autor

Cristiane Rodrigues Vieira, Colégio Pedro II e Curso de mestrado profissional em Diversidade e Inclusão da Universidade Federal Fluminense

Mestranda da UFF em Diversidade e Inclusão, professora efetiva do Colégio Pedro II, pós- graduada em Alfabetização. com aperfeiçoamento em Língua Portuguesa e licenciatura em Letras (Português - Espanhol). Membro do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação e Sociedade ( GEPES) do Colégio Pedro II, orientadora de atividades discentes do Projeto de Extensão Clube de Ciências Leitura, Investigação e Descoberta do Mundo do Colégio Pedro II, membro do Projeto de Extensão Universitária - Questões Sociocientíficas nas séries iniciais do Ensino Fundamental no Colégio Pedro II em parceria com o Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde - NUTES/UFRJ,o Instituto de Biologia da UFRJ e o Instituto de Física da Universidade Federal Fluminense - UFF e membro da comissão organizadora do Projeto de Extensão Ciclo de Debates: a práxis pedagógica no Colégio Pedro II.

Ruth Maria Mariani Braz, Curso de mestrado profissional em Diversidade e Inclusão da Universidade Federal Fluminense

Doutora em Ciências e Biotecnologia pela Universidade Federal Fluminense. Especialização Lato Sensu em Educação Física Especial na Área de Deficiência Mental (Universidade Castelo Branco). Tenho a graduação em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro . Sou professor docente I - Secretária de Educação do Estado do Rio de Janeiro, atualmente leciono no Mestrado Profissional de Diversidade e Inclusão como professor permanente. Atuei como coordenadora executiva do projeto Internacional Spreed The Sign no Brasil. Desenvolvo pesquisas ligados à Educação Inclusiva, tecnologia assistivas, confecção de materiais adaptados com o intuito de auxiliar os alunos com necessidades educacionais especiais nas classes regulares de ensino, filosofia esta que defendo e é adotada atualmente nas instituições na qual trabalho. Coordeno o projeto Galileu Galilei, Tenho experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Inclusiva, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de docentes, políticas publicas, diversidade, sensibilização, adaptação de materiais e brincar.

Downloads

Publicado

26/06/2021

Como Citar

VIEIRA, C. R.; MARIANI BRAZ, R. M. Aspectos históricos da educação das pessoas com impedimentos visuais. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 31, p. 166–190, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n31p166-190. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/10044. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos