Desatando o “nó górdio” na educação ambiental crítica por meio da dissipação das brumas do pensamento complexo moriniano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p555-570

Palavras-chave:

Educação ambiental crítica, Complexidade Moriniana, Revoluções Educacionais

Resumo

Neste ensaio analisaremos as permanências e as contribuições das quatro revoluções educacionais da contemporaneidade, apontando para a imprescindibilidade da emergência de uma quinta revolução por meio da apercepção da Complexidade Moriniana pela Educação Ambiental Critica. Para incrementá-la enquanto projeto educacional, é preciso transpor modelos simplificadores e reducionistas de explicação da realidade, objetivando a frondescência de uma sociedade ambientalmente sustentável e socialmente justa. Esse diálogo pode permitir o progresso na busca de elementos que favoreçam a inteligibilidade do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luanne Michella Bispo Nascimento, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe

É doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (PPGED/UFS). É mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente na da Universidade Federal de Sergipe (PRODEMA/UFS) (2014), onde foi bolsista CAPES. Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe, Campus Itabaiana (2011). De 2008 a 2010 foi bolsista PIBIC/CNPq. Seus trabalhos foram produzidos no âmbito do Grupo de Estudos e Pesquisa Processos Identitários e Poder (GEPPIP), seguindo as linhas da sustentabilidades, processos identitários, tradicionalismo, conflitos ambientais e saberes ambientais de comunidades do entorno do Parque Nacional Serra de Itabaiana. Trabalhou no Núcleo de integração entre a UFS e a Educação Básica (NIUEB) na Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (SEDUC), fazendo acompanhamento e articulação de programas e projetos da UFS desenvolvidos na escolas da educação básica. Atualmente é gestora no Colégio Estadual Doutor Carlos Firpo. É professora voluntária no Departamento de Biologia da UFS. É colaboradora do projeto Sala Verde na UFS. É pesquisadora no Grupo de Pesquisa de Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE), onde sua atual linha de pesquisa é o estudo da Educação Ambiental crítica e emancipatória como o cerne do processo educativo.

Maria Inêz Oliveira Araújo, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe (1981), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (1996), doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2004) e pós-doutora pela Universidade do Porto, com bolsa da CAPES. Professora Titular da Universidade Federal de Sergipe, desenvolvendo suas atividades acadêmicas de graduação no curso de Pedagogia, ministrando as disciplinas Educação e Ética Ambiental, Ensino de Ciências Séries Iniciais e Seminários Integradores e no Curso Licenciatura em Ciências Biológicas, orientando monografia; professora do Programa de Pós-Graduação em Educação como professora da disciplina Pesquisa em Educação e orientadora do mestrado e doutorado. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa de Educação Ambiental do estado de Sergipe - GEPEASE e pesquisadora da Sala Verde na UFS.Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental, ensino de Ciências e Biologia, metodologia e formação de professores. Professora Titular aposentada, com vínculo de professora voluntária no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe

Referências

ANTONIO, J. M.; KATAOKA, A. M.; NEUMANN, P. A complexidade em Edgar Morin e educação ambiental: Da aproximação à integração. XV Encontro Paranaense de Educação Ambiental. Disponível em: http://www.epea2017.ufpr.br/wp-content/uploads/2017/05/408-E1-S1-A-COMPLEXIDADE-EM-EDGAR-MORIN-E-EDUCA%C3%87%C3%83O-AMBIENTAL. Acesso em: 15 de dezembro de 2020.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 3. ed. Trad. Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo: Nacional, 1959.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança? 21 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 28 ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GHIRALDELLI JR., PAULO. A teoria educacional no Ocidente: entre modernidade e pós-modernidade. São Paulo Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 32-36, June 2000 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000200005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13 Julho de 2019. https://doi.org/10.1590/S0102-88392000000200005.

HERBART, J. F. Pedagogia Geral. Tradução: Ludwig Scheidl. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

JACOBI, P. Prefácio. IN: LOUREIRO, C. F. B. et al. (orgs.) Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

LEFF, E. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2006.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 8ª. Ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. 494 páginas.

MODESTO, M. A.; NEPOMUCENO, A. L. DE O.; ARAUJO, M. I. O. Gênese da educação ambiental em John Dewey e em Paulo Freire e as perspectivas atuais: O que há de novo? REVISTA TEMPOS E ESPAÇOS EM EDUCAÇÃO (ONLINE), v. 11, p. 363-378, 2018.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Trad. Eliane Lisboa. 5 ed. – Porto Alegre: Sulina, 2015.

RODRIGUES, J. M. M., SILVA, E. V. da Silva. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Problemática, Tendências e Desafios. 2ªEd. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

RODRIGUES. José Cláudio Ramos; NASCIMENTO, Rosemy da Silva. SABER AMBIENTAL, COMPLEXIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL. RevBea, São Paulo, V. 11, No 5: 152-165, 2017

SANTOS, A. Complexidade e transdisciplinaridade em educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido. Revista Brasileira de Educação, v. 13 n. 37 jan./abr. 2008

SEVERINO, Antônio Joaquim. Fundamentos ético-políticos da Educação no Brasil de hoje. In: LIMA, J. C. F.; NEVES, L. M. W. (Orgs.). SEVERINO, A. J. Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Fio Cruz/EPSJV, 2006. p. 289-320.

VIÉGAS, Aline; LOUREIRO, Carlos Frederico. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E COMPLEXIDADE NO CONTEXTO ESCOLA. Disponível em: http://33reuniao.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/Trabalhos%20em%20PDF/GT22-6072--Int.pdf. Acesso em: 20 de abril de 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

NASCIMENTO, Luanne Michella Bispo; OLIVEIRA ARAÚJO, Maria Inêz. Desatando o “nó górdio” na educação ambiental crítica por meio da dissipação das brumas do pensamento complexo moriniano. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. Esp2, p. 555–570, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p555-570. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12066. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.