Entre o proposto e o vivido

diálogos sobre o currículo e os vícios pedagógicos na educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14nEspp283-311

Palavras-chave:

propostas curriculares, vícios pedagógicos, reflexão docente, pedagogia da infância, educação infantil.

Resumo

Pensar o currículo na educação infantil requer considerar a complexidade de elaboração de propostas que respeitem as crianças, enquanto crianças, e que tenham como inspiração teorias que valorizem as singularidades e potencialidades da infância. Tendo em vista essa complexidade a reflexão proposta pelo presente artigo é articulada à pausa reflexiva e atenta em relação aos conceitos, como o gesto primeiro de um fazer educativo comprometido com a crítica e o debate em relação aos currículos no campo das infâncias de 0 a 6 anos. A metodologia abrange análise documental com foco em leitura analítica em torno conceitos presentes nos documentos oficiais, suas ambigüidades e tendências, que na mesma medida que inspiram o fazer pedagógico, o viciam, terminando por viciar também suas palavras.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Aparecida Voltarelli, Universidade de Brasília (UnB)

Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB)

Isabela Signorelli Fernandes, Università degli Studi di Torino

Mestranda em Scienze Pedagogiche pela Università degli Studi di Torino e Professora de Educação Infantil em Turim, na Itália.

Jennifer Lupis, Università degli Studi di Torino

Mestranda em Scienze Pedagogiche pela Università degli Studi di Torino e Professora de Educação Infantil em Turim, na Itália.

Referências

AQUINO, Ligia Maria Leão de.; VASCONCELOS, Vera Maria Ramos de. Questões curriculares para educação infantil e PNE. In: FARIA, Ana Lucia Goulart de; AQUINO, Ligia Maria Leão de.; (Org.). Educação infantil e PNE: questões e tensões para o século XXI. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. p. 69-82.

AQUINO, Ligia Maria Motta Lima Leão de; MENEZES, Flávia Maria de. Base Nacional Comum Curricular: tramas e enredos da infância brasileira. Debates em Educação, Maceió v. 8, n. 16, p. 30, 2016. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2409. Acesso em: 18 dez. 2021.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: O mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BANDINI Gianfranco. Maestri e alunni: una storia di prevaricazioni e violenze. In: BANDINI, Gianfranco (Org.).Noi-loro. Storia e attualità della relazione educativa fra adulti e bambini. Firenze Univerity Press: Firenze, 2010. p. 95-121.

BERTOLINI, Piero. L’esistere pedagogico. Ragioni e limiti di una pedagogia come scienza fenomenologicamente fondata. Firenze: La NuovaItalia, 1998.

BESOZZI, Elena. Società riflessiva, soggetto riflessivo e identità professionale come narrattività. In: COLOMBO, Maddalena. Riflessività e Creatività nelle professioni educative: una prospettiva Internazionale. Milano: Vita e pensiero, 2005, p. 35 – 44.

BONDIOLI, Anna. Uno strumento per l’analisi della giornata alla scuola materna. In:BONDIOLI, Anna. La giornata educativa nella scuola dell’Infanzia. Insegnamenti Pedagogici del Dip. di Filosofia dell’ Univ. Di Pavia. Azzano: Edizioni Junior, 1993.

BONDIOLI, Anna. (org.). O tempo no cotidiano infantil: perspectivas de pesquisa e estudo de casos. São Paulo: Cortez, 2004.

BONDIOLI, Anna. Pratiche riflessive nella formazione in servizio: il ruolo mediatore degli strumenti di valutazione di contesto. RELAdEI. Revista Latinoamericana De Educación Infantil, vol. 5, n.4, 2018, p. 57-69.Disponível em: https://ojs.pensamultimedia.it/index.php/studium/article/download/686/666. Acesso em 06 jan 2022.

BONDIOLI, Anna; SAVIO, Donatella. Educare l’infanzia. Temi chiave per i servizi 0-6.Roma: Carocci, 2018.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. CNE. Resolução CEB 1/99. Diário Oficial da União, Brasília, 13 de abril de 1999. Seção 1, p. 18. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/resolucao_ceb_0199.pdf. Acesso em 07 de jan. 2022.

BRASIL. CNE. Resolução CNE/CEB 5/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de dezembro de 2009, Seção 1, p. 18. Disponível em: http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf.Acesso em 07 de jan. 2022.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº. 8.069, de 13 de julho de 1990.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Volume1. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças / Maria Malta Campos e Fúlvia Rosemberg. – 6.ed. Brasília : SEB, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Departamento da Política de Educação Fundamental. Coordenação-Geral de Educação Infantil. Proposta pedagógica e currículo em educação infantil: um diagnóstico e a construção de uma metodologia de análise. Brasília: MEC/SEF/ DPEF/COEDI, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica.Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

CAMPOS, Maria Malta. Educação Infantil: conquistas e desafios. In: OEI. Reescrevendo a educação. Propostas para um Brasil Melhor. São Paulo: Ática, 2008. p. 91-104. Disponível em: http://oei.es/pdfs/ reescrevendo.pdf. Acesso em: 30 de dezembro de 2021.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DAHLBERG, Gunilla; MOSS, Peter; PENCE, Alan. Beyond quality in early childhood education and care. Londres: Falmer Press, 1999.

DUARTE JR., João-Francisco. O sentido dos sentidos: a Educação (do) sensível. Tese de Doutorado em Educação, FE - Unicamp, Campinas: 2010.

FARIA, Ana Lúcia de. G. A pré-escola como melhoria da qualidade de vida. Pré-escola e confronto: o adulto conhecendo a criança. In: FARIA, Ana Lúcia de. G. Educação pré-escolar e cultura: para uma pedagogia da Educação Infantil. Campinas/SP: Editora da UNICAMP; São Paulo: Cortez, 1999, p. 205-221.

FINCO, Daniela. Campos de experiência educativa e programação pedagógica na escola da infância. In: FINCO, Daniela; BARBOSA, Maria Carmen Silveira; FARIA, Ana Lúcia Goulart de (orgs.). Campos de experiências na escola da infância: contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro. Campinas: Edições Leitura Crítica, 2015, p. 233-246.

FOCHI, Paulo Sergio. Ludicidade, continuidade e significatividade nos campos de experiência. In: FINCO, Daniela; BARBOSA, Maria Carmen Silveira; FARIA, Ana Lúcia Goulart de. (Orgs). Campos de experiência na escola da infância: contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro. Campinas: Leitura Crítica, 2015. p. 221-232.

FORTUNATI, Aldo. A educação infantil como um projeto da comunidade: crianças, educadores e pais nos novos serviços para a infância e a família. A experiência de San Miniato. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GOBBI, M. A. Entreatos: precisamos de BNCC ou seria melhor contar com a base? A Base Nacional Comum Curricular de Educação Infantil. Debates em Educação, Maceió, vol. 8, n. 16, p. 118- 135, jul./dez., 2016. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2401. Acesso em 06 jan. 2022.

KRAMER, Sonia. Propostas pedagógicas ou curriculares de educação infantil: para retomar o debate. Pró-posições, vol. 13, n.2 (38), maio/agosto, 2002.Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/2145/38-artigos-kramers.pdf. Acesso em 06 de jan 2022.

KUHLMANN JR., Moyses. Infância e educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre, Ed. Mediação, 1998.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira Educação. Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, abr. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 06 de jan. 2022.

LUZ, Iza Rodrigues da. Educação infantil: direito esquecido? Linhas Críticas, Brasília, v. 12, n. 22, p. 41-58, 2006. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/3279. Acesso em 15 dez 2021.

MALAGUZZI, Loris. Histórias, ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G.(Orgs).As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999, p. 59-104.

MANTOVANI, Susanna; PERANI, Rita M. Uma profissão a ser inventada: o educador da primeira infância. Pro-Posições, Campinas, v. 10, n. 1 (28), p. 75-98, 1999. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644101. Acesso em 18 de out. 2021.

MOIMÁS, Juliana Xavier. Base nacional comum curricular para a educação infantil: uma análise a partir das contribuições da história, da normatividade e da sociologia da infância.Dissertação de mestrado. UNESP, Marilia/ SP, 2020.

MOLLO, Gaetano. La via del senso. Brescia: La scuola, 2014.

MOSS, Peter. Qual o futuro da relação entre educação infantil e ensino obrigatório?.Cad. Pesqui.[online]. vol.41, n.142, 2011, p.142-159.Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/f8CxtdFPvt9ScKpCP6r5W7P/?lang=pt. Acessoem 18 de out. 2021.

MOTTANA, Paolo. Eros, Dioniso e altri bambini. Scorribande pedagogiche. Milano: Angeli, 2010

MOTTANA, Paolo. Un’educazione fondata sulla restituzione. Studi sulla formazione. [online]. Vol.20, n.1, 2017, p.35-42.Disponível em:https://doi.org/10.13128/Studi_Formaz-20938. Acesso em 07 de jan. 2022.

NOSARI, Sara. Pedagogia del cambiamento. Punto di vista, traduzione, successione Torino: UTET, 2017.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. O currículo na Educação Infantil: O que propõem as novas Diretrizes Nacionais? In: Seminário Nacional: Currículo em Movimento - Perspectivas Atuais, 1., 2010, Belo Horizonte. Anais… FFCLRP-USP e ISE Vera Cruz, 2010. p. 1-14. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/docman/?task=doc_download&gid=6674&Itemid. Acesso em: 18 out. 2021.

OSTETTO, Luciana E. “Mas as crianças gostam!”: Ou sobre gostos e repertórios musicais”. In: OSTETTO, L.E.; LEITE, M.I. (Orgs.) Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. Campinas: Papirus, p. 41-60, 2004.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

REGINA, Luciana. Pazienza. Milano: Mursia, 2014.

REGINA,Luciana. Consulenza filosofica: un fare cheè pensare. Milano: Unicopli, 2006.

RINALDI, Carla. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

RINALDI, Carla. A pedagogia da escuta: a perspectiva da escuta em Reggio Emilia. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L; FORMAN, G.(Orgs.). As cem linguagens da criança. V.2. Porto Alegre: Penso, 2016, p.235-247.

ROCHA, Eloísa A. C. Infância e pedagogia: dimensões de uma intricada relação. Perspectiva. Florianópolis, v.15, n.28, p.21-33, jul/dez 1997.

SANTOS, Solange Estanislau dos; MACEDO, Elina Elias de. BNCC para Educação Infantil e a urgência de resistências. Debates em Educação, Maceió, v. 13, n. 33, p. 1-14, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n33p1-14 . Acesso em: 18 dez. 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

VOLTARELLI, Monique Aparecida; SIGNORELLI FERNANDES, Isabela; LUPIS, Jennifer. Entre o proposto e o vivido: diálogos sobre o currículo e os vícios pedagógicos na educação infantil. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. Esp, p. 283–311, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14nEspp283-311. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12584. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.