Jogos eletrônicos e educação física escolar

tensões, alternativas e perspectivas docentes

Autores

  • Marcio Antonio Raiol dos Santos Universidade Federal do Pará
  • Elane Pinheiro Monteiro UFPA

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n35p526-548

Palavras-chave:

Educação Física escolar, Jogos eletrônicos, Documentos de planejamento dos professores

Resumo

A presente pesquisa aborda o tema dos jogos eletrônicos na educação física escolar e busca compreender as possibilidades didático-pedagógicas de utilização deles na Educação Básica. Metodologicamente a investigação é definida como pesquisa documental de cunho qualitativo, que contou como fonte de análise, um conjunto de documentos produzidos por docentes da disciplina Educação Física em uma escola pública da região Norte do Brasil durante o período de 2014 a 2020, e que evidenciavam a utilização dos jogos eletrônicos com fins educacionais. Tais documentos foram categorizados e analisados por meia da técnica de “análise temática”. O estudo evidenciou que os docentes mesmo diante dos desafios de abordar as novas tecnologias em suas aulas e a ausência de formação específica, demonstram conhecimento técnico dos games que utilizam o movimento corporal e conseguem empregá-los nos mais diferentes contextos da Educação Física, quer seja como um recurso pedagógico para o ensino dos conteúdos/conhecimento da Educação Física, ou como o próprio conteúdo/conhecimento específico da disciplina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Antonio Raiol dos Santos , Universidade Federal do Pará

Dr. em Educação. Professor Titular da Universidade Federal do Pará. Docente do Núcleo de Estudos Transdisciplinares da Educação Básica - NEB UFPA e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica - UFPA. Líder do Grupo de Pesquisa em Práticas Pedagógicas para o Ensino na Educação Básica – GPRAPE.

http://orcid.org/0000-0002-4723-1231

 

Elane Pinheiro Monteiro, UFPA

Professora Efetiva da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará ( UFPA). Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica (PPEB). Membro do Grupo de Pesquisa em Práticas Pedagógicas para o Ensino na Educação Básica - GPRAPE

http://orcid.org/0000-0002-2545-7598

Referências

ASSMANN, Hugo. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. Ciência Da Informação - v. 29, n. 2, p. 7-15, maio/ago. 2000.

BRASIL. Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Região Metropolitana de Belém. Brasília, 2014.

AZEVEDO, Théo. Jogar via internet vira profissão para aficionados. Folha Online, São Paulo, 2004. Disponível em: http://jogos.uol.com.br/reportagens/ultnot/ ult2240u52.jhtm. Acesso em: 27 dez 2019.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura (Obras Escolhida v. I). São Paulo: Brasiliense, 2012.

BETTI, Mauro. Mídias: Aliadas ou Inimigas da Educação Física Escolar? Motriz – V.7, N.2 p.125-129, jul./dez. 2001

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero. 1983.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Ministério da Educação, 2017.

BREGOLATO, Roseli. Cultura corporal do jogo. São Paulo: Ícone, 2007.

BROUGÉRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo v. 24, n. 2 July/Dec. 1998.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 2º edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DARIDO, Suraya. Educação Física escolar: compartilhando experiências. São Paulo, Phorte, 2011.

FERES NETO, Alfredo. A virtualização do esporte e suas novas vivencias eletrônicas. IN: BETTI, Mauro (org.). Educação Física e mídia: novos olhares, outras práticas. São Paulo: Editora Hucitec, 2003.

FLEURY, Afonso; NAKANO, Davi; CORDEIRO, José. Mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais. São Paulo: Editora: GEDIgames, 2014.

GEE, James. What video games have to teach us about learning and Literacy. Palgrave Macmillan, New York, N.Y. 2003.

FURTADO, Renan; MONTEIRO, Elane; VAZ, Alexandre. Lutas no Ensino Médio: conhecimento e ensino. Cadernos de Formação RBCE, p. 57-69, mar. 2019.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1980.

.

KESKY, Vani. O impacto das mídias e das novas tecnologias da comunicação na Educação Física. MOTRIZ – V.1, N.2, p.129-133, dez.1995

KISHIMOTO, Tizuko. O jogo e a educação infantil. IN: KISHIMOTO, Tizukp. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortes, 2011.

LE BRETON, David. Individualização do corpo e tecnologias contemporâneas. In: COUTO, Edivaldo; GOELLNER, Silvana (Orgs.). O triunfo do corpo: polêmicas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 2012.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual?. São Paulo: Editora 34, 1997.

MEDEIROS, Márcia. Jogos eletrônicos, mundos virtuais e identidade: o si mesmo como experiência alteritária. 2013. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2013. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6044. Acesso em: 27 dez 2009.

MOITA, Filomena. Relações de gênero nos games: os estabelecidos e os outsiders. Revista Ártemis – Estudo de Gênero, Feminismo e Sexualidade, n.1, dez. 2004.

MORRISO, Maríndia; VARGAS, Tairone; MALLMANN, Elena. A integração das tecnologias educacionais nas aulas de educação física do ensino médio de uma escola pública: resultados de uma pesquisa-ação. CINTED-UFRGS, V. 15 Nº 2, dezembro, 2017.

NEIRA, Marcos. Incoerências e inconsistências da BNCC de Educação Física. Rev Bras Ciênc Esporte. 2018;40(3):215-223.

NEIRA, Marcos. A cultura corporal popular como conteúdo do currículo multicultural da educação física. Pensar a Prática, 11/1: 81-89, jan./jul. 2008.

PINHEIRO, Izoldi; BENVENUTTI, Dilva; FAVRETTO, Jacir. Ambiente de aprendizagem: conhecimento tecnológico pedagógico do conteúdo. Revista Eletrônica de Educação, v. 14, 1-16, e3765070, jan./dez. 2020.

SANTOS, Gisele. O processo de civilização do jogo – Tese de doutorado em Educação. São Paulo: Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP/Marília, 2012.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem. São Paulo: Editora Iluminuras, 1995.

RODRIGUES, Priscila, et al. A produção da cultura lúdica em jogos eletrônicos.IN: REIS, Adriano, et al. (orgs.). Pedagogia histórico-críptica e Educação Física. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013.

TORRES SANTOMÉ, Jurjo. Currículo escolar e justiça social: o cavalo de Troia da

educação. Porto Alegre: Penso, 2013.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

SANTOS , Marcio Antonio Raiol dos; MONTEIRO, Elane Pinheiro. Jogos eletrônicos e educação física escolar: tensões, alternativas e perspectivas docentes. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 35, p. 526–548, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n35p526-548. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12779. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.