E-dialogicidade como perspectiva da comunicação científica aberta nos periódicos de Educação

Autores

  • Júlio Cesar Correia da Silva Uninassau
  • Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2024v16n38pe16216

Palavras-chave:

e-Dialogicidade, Ciência Aberta, Ciência dos Dados, Periódicos Educacionais, TDIC

Resumo

Esta pesquisa investiga as fontes de diálogo existentes nos periódicos nacionais da área da Educação, com ênfase nos elementos regulatórios que modelam a abertura de dados e constitui a Ciência Aberta nas interfaces periodizadas. O elemento que caracteriza o diálogo nesses ambientes é a e-dialogicidade que define-se pela midiatização do diálogo comum por meio da usabilidade de um dispositivo digital. O objetivo desse estudo é caracterizar a ocorrência de mecanismos e-dialógicos prevalecentes nos periódicos educacionais, identificando os elementos de e-dialogicidade presentes na divulgação científica nos periódicos brasileiros da educação disponibilizados nos portais Scielo Brasil e Educ@/FCC. A pesquisa teve caráter qualitativo, com estudo documental da e-dialogicidade nos periódicos brasileiros para evidenciar a estrutura dos periódicos nacionais e o perfil comunicativo das interfaces disponíveis utilizando a análise de conteúdos. Os resultados mostram de que forma a e-dialogicidade está presente nos periódicos educacionais e como se estrutura, podendo se dar em ambientes de midiatização de dados acadêmicos ou em redes sociais que estimulam a partilha de pesquisas científicas e o feedback de especialistas e leitores não-especializados ou não-informatizados, promovendo a abertura de dados na perspectiva do diálogo democrático e servindo de ferramenta potencial para a formação em cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio Cesar Correia da Silva, Uninassau

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), com ênfase em Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação para a Formação de Docentes Presenciais e Online, Pós-Graduado em Gestão Pública pela Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL) e Graduado em Pedagogia-Licenciatura, pela UFAL. O alagoano Mestre e pesquisador Júlio César Correia da Silva iniciou suas incursões universitárias em 2012, realizando atividades acadêmicas de ensino, interdisciplinares e extracurriculares, destacando sua atuação na iniciação científica por meio dos projetos PAINTER, PIBIC e MONITORIA e na Administração Pública de Alagoas e de Maceió a partir de 2015, colaborando para a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/AL) e para a Secretaria Municipal de Educação (SEMED), respectivamente. Enquanto graduando em Pedagogia, recebeu em 2018 o Título de Excelência Acadêmica do CNPq e Capes pela dedicação ao projeto "Recursos Educacionais Abertos na Perspectiva das Autorias Docente e Discente: Análise da Produção Brasileira", vinculado ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, projeto que proporcionou contatos e publicações em outros países, a exemplo de Portugal e França. 

Luis Paulo Leopoldo Mercado, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Professor Titular da Universidade Federal de Alagoas com atuação na graduação em Educação Física e Pedagogia e na Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado em Educação). Bolsista Produtividade em Pesquisa 2 do CNPq. Doutor em Educação (PUC/SP, 1998), Mestre em Educação (UFSM, 1993), Especialista em Formação de Professores em Mídias na Educação (UFAL, 2010), Licenciado em Ciências Biológicas Licenciatura Plena (UFSM, 1989). Bacharel em Direito (CESMAC, 2012). Realizou Aperfeiçoamento em Formação em Tutoria Online pela Organização dos Estados Americanos (OEA/INEAM) e em Melhoria da Qualidade da Educação Básica pela UNESCO (UNESCO/OEA). Lider do Grupo de Pesquisa Tecnologias da Informação e Comunicação na Formação de Professores Presencial e Online, certificado pelo CNPq.

Referências

ALBAGLI, S. Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Ed.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. p. 9-26.

ALBAGLI, Sarita. Ciência Aberta: movimento de movimentos. In: SHINTAKU, Milton; SALES, Luana Farias (Orgs.) Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019. p. 15-20. DOI: http://dx.doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap2

ATAÍDES, O. Q. Diálogo, dialogicidade, ação dialógica: elementos constitutivos da práxis no processo de ensino-aprendizagem. In: SÍVERES, L. (org.). Diálogo: um princípio pedagógico. Brasília: Liber, 2016, p. 97-109.

BARBOSA, S. D.; SILVA, B. S. Interação humano-computador. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

BELLONI, M. L. Educação a distância mais aprendizagem aberta. In: BELLONI, M. L. (Org.). A formação na sociedade do espetáculo. São Paulo: Loyola, 2002, p. 151-168.

BENTES, J. A. O; SOUZA-BENTES, R. N. Diálogo, dialogismo e dialogicidade em Buber, Bakhtin e Freire: algumas observações. Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sul, RS, [Aheadof Print], v. 24, e019017, 2019. DOI: 10.18226/21784612.v24.e019017.

CHAN, L.; COSTA, S. Participation in the global knowledgecommons: challengesandopportunities for researchdissemination in developing countries. New Library World, v.106, n.3/4, p.141-163, 2005.

CHAN, L.; KIRSOP, B.; ARUNACHALAM, S. Towards open andequitableaccesstore Search andknowledge for development. PLoSMed, v.8, n.3, e 1001016, 2011. doi:10.1371/journal.pmed.1001016.

FERREIRA, J. Midiatização: dispositivos, processos sociais e de comunicação. Revista E-Compós, v. 10, n. 26, s. p., 2007.

FOUREZ, G. A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 65. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

GHALI, W. A. et al. Acceleratedpublication versus usual publication in 2 leading medical journals. CMAJ: Canadian Medical AssociationJournal, [s. l.], v. 166, n. 9, p. 1137–1143, 2002. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC102352/>. Acesso em 30 ago. 2023.

JAKOBSON, R. Lingüística e poética. In:¬¬¬ JAKOBSON, R. Lingüística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1960.

KIELLING, C. et al. RBP implementa um novo sistema de submissão de manuscritos. Rev. Bras. Psiquiatr. 2009; 31(4), p. 295.

LÉVY, P. Cibercultura. Editora 34, 1999.

LIRA, R. A.; et al. Design thinking em bibliotecas: evidências da literatura. P2P e inovação, v. 6, n. 1, pág. 104-116, 2019.

MACIEL, M. Ciência colaborativa: conhecimento a muitas mãos, em qualquer lugar. Superinteressante, jan. 2014.

MERCADO, L. P. L; BRITO, R. O; SILVA, J. C. C. E-dialogicidade em recursos educacionais abertos na formação cidadã. In: SÍVERES, L; LUCENA, J. I. A (Orgs.). Diálogo: uma perspectiva educacional. Brasília: Cátedra da Unesco de Juventude, Educação e Sociedade; Universidade Católica de Brasília, 2019, p. 151-168.

OLIVEIRA, A. C. S. Ciência aberta, direitos de propriedade intelectual e autoria colaborativa: a multiplicidade da ciência contemporânea. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019a.

OLIVEIRA, T. M. Midiatização da ciência: reconfiguração do paradigma da comunicação científica e do trabalho acadêmico na era digital. MATRIZes, v. 12, n. 3, 2018.

PIERRO, Bruno. Uma ciência mais aberta: Editor da Nature e dirigente da Royal Society discutem na FAPESP desafios e limites da abertura de dados científicos. Pesquisa Fapesp, São Paulo, 205, ed. 2013.

PRIMO, Alex. Interação Mediada por Computador: comunicação, cibercultura e cognição. 2. Ed. Editora Sulina: Porto Alegra – RS, 2011.

SAGAN, C. O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no escuro. Tradução de RosauraEichemberg. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SANTAELLA, L. A aprendizagem ubíqua na educação aberta. Revista Tempos e Espaços em Educação, p. 15-22, 30 dez. 2014.

SCHIESSL, I. T; BARCELOS, J. Comunicação na Ciência Aberta: depósito e disseminação de dados. In: SHINTAKU, M.; SALES, L. F. (Orgs.) Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019. p. 51-58. DOI: http://dx.doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap7.

SECOMANDI, F. O artefato irredutível: em busca de novos ideais para o design de interfaces. Ergodesign& HCI, n. 1, v. 3 (3), 2015, p. 28-35.

SFEZ, L. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994.

SÍVERES, L.; MENDES, M. J. O diálogo e a dialogicidade como mediação pedagógica. In: SÍVERES, L. (org.) Diálogo: um princípio pedagógico. Brasília: Liber, 2018, p. 77-95.

VEIGA, Viviane. Fast track publication: rapidez na comunicação científica. In: SHINTAKU, Milton; SALES, Luana Farias (Orgs.) Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019, p. 73-78. DOI: http://dx.doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap10

ZAMBONI, L. M. S. Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: subjetividade e heterogeneidade no discurso da divulgação científica. Campinas: Autores Associados, 2001.

Downloads

Publicado

2024-02-08

Como Citar

SILVA, Júlio Cesar Correia da; MERCADO, Luis Paulo Leopoldo. E-dialogicidade como perspectiva da comunicação científica aberta nos periódicos de Educação. Debates em Educação, [S. l.], v. 16, n. 38, p. e16216, 2024. DOI: 10.28998/2175-6600.2024v16n38pe16216. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/16216. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.