Sobre a Educação Profissional e Tecnológica no Brasil: do espírito emancipatório aos riscos da vampirização neoliberal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p523-545

Palavras-chave:

Educação profissional e tecnológica. Formação humana integral. Neoliberalismo.

Resumo

Com o objetivo de realizar uma Filosofia da Educação a respeito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (RFEPCT), este artigo toma por base os alicerces conceituais que vem dando alicerce à expansão deste projeto – a Educação Profissional e Tecnológica (EPT). Proveniente do materialismo histórico-dialético, e principiada por Marx (através da politecnia) e Gramsci (no projeto de escola unitária), tal prática preconiza uma educação integral e omnilateral. Vinculando teoria e prática e propondo a junção entre ciência, cultura e trabalho, caberia investigar se, entretanto, seus valores mais nobres não estariam sendo capturados pela racionalidade em curso: o neoliberalismo. Esse pensamento objetiva a formação de sujeitos empreendedores, consumidores e competidores; no meio de tudo isso, coloca o Estado a serviço do mercado. Estaria a EPT sendo encapsulada por tal lógica? Em parte, sim; em parte, não. De qualquer forma, passou da hora de ficarmos em estado de alerta.

Biografia do Autor

Bruno Nunes Batista, Instituto Federal Catarinense (IF-Catarinense).

Doutor e mestre em Geografia. Professor do Instituto Federal Catarinense (IF-Catarinense).

Referências

ARAÚJO, R. M.; FRIGOTTO, G. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Educação em Questão, Natal, v. 52, n. 38, p. 61-80, maio-ago. 2015.

ARAÚJO, R. M.; RODRIGUES, D. S. Referências sobre práticas formativas em Educação Profissional: o velho travestido de novo frente ao efetivamente novo. Boletim Técnico do Senac: Revista de Educação Profissional, v. 36, n. 2, maio.-ago. 2010.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BARATA, J. N. Conhecimento, trabalho e obra: uma proposta metodológica para a Educação Profissional. Boletim Técnico do Senac: Revista de Educação Profissional, Rio de janeiro, v. 34, n. 3, set.-dez. 2008.

BRASIL. MEC/Setec. Concepção e diretrizes – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília: MEC/Setec, 2008.

BORDIEU, P.; PASSERON, J. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Trabalho necessário, Niterói, v. 3, n. 3, 2005.

CORAZZA, S. M. O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

COSTA, S. de S. G. Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação & Realidade, v. 34, n. 2, p. 171-186, maio.-ago. 2009.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DE MASI, D. O ócio criativo: entrevista a Maria Serena Palieri. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigostskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

FOUCALT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

______. “É preciso defender a sociedade”. In: FOUCAULT, M. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collége de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FRIGOTTO, G. Educação e Trabalho: bases para debater a Educação Profissional Emancipadora. Perspectiva, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 71-87, jan.-jun. 2001.

______. A relação da Educação Profissional e Tecnológica com a universalização da Educação Básica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1129-1152, out. 2007.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere, volume 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

KUENZER, A. Z. Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Da dualidade assumida `dualidade negada; o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educação e Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1153-1178, 2007.

MANACORDA, M. História da Educação: da Antiguidade aos nossos dias. Campinas, SP: Autores Associados, 1989.

______. Marx e a Pedagogia Moderna. Campinas, SP: Alínea, 2008.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo editorial, 2004.

MOURA, D. H. Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Holos, Natal, v. 23, n. 2, 2007.

MOURA, D. H.; LIMA FILHO, D. L.; SILVA, M. R. Politecnia e formação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 63, out.-dez. 2015.

NOSELLA, P. A escola de Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

______, P.; AZEVEDO, M. L. N. A educação em Gramsci. Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 15, n. 2, p. 25-33, maio.-ago. 2012.

PACHECO, E.; PEREIRA, L.; DOMINGOS SOBRINHO, M. Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: limites e possibilidades. Linhas Críticas, Brasília, v. 16, n. 30, p. 71-88, jan.-jun. 2010.

PINTO, A. Trabalho, ciência e cultura como princípio e fundamento da Educação Profissional. In: FREITAS, R.; JORDANE, A.; SCHIMIDT, M.; PAIVA, M. Repensando o PROEJA: concepções para a formação de educadores. Vitória: IFES, 2011.

RAMOS, M. Concepção do Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Natal: Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte, 2008.

SAVIANI, D. O choque teórico da politecnia. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n.1, p. 131-152, 2003.

______. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, jan.-abri. 2007.

VEIGA-NETO, A. Educação e governamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: PORTOCARRERO, V.; CASTELO BRANCO, G. (Orgs.). Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: NAU, 2000.

______. Delírios avaliatórios: o currículo desvia para a direita ou um farol para o currículo. In: FAVACHO; A.; PACHECO, J.; SALES, S. (Orgs.). Currículo, conhecimento e avaliação: divergências e tensões. Curitiba: CRV, 2013

Downloads

Publicado

31/08/2019

Como Citar

BATISTA, B. N. Sobre a Educação Profissional e Tecnológica no Brasil: do espírito emancipatório aos riscos da vampirização neoliberal. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 24, p. 523–545, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n24p523-545. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6461. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê “Práticas, pesquisas e reflexões sobre a educação profissional, científica e tecnológica no Brasil"