Educação doméstica no Brasil: que prática é essa?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2018v10n22p51-75

Palavras-chave:

Educação doméstica. Escola Nova. Neoliberalismo.

Resumo

O artigo analisa as possíveis implicações do ensino doméstico no Brasil numa tentativa de responder ao seguinte questionamento: de onde vem e como funciona essa pratica? A discussão se desenvolve tomando por base alguns conceitos e referenciais teóricos subjacentes a esse fenômeno, tratando de: a) problematizar os alicerces sob os quais as premissas da educação doméstica são construídas; b) rever a história dessa prática, explicando que ela não é recente e, tampouco, inovadora; c) mostrar, por sua vez, as ligações entre a educação doméstica com a Pedagogia Cristã; d) discutir sua vinculação tanto à Escola Nova quanto ao neoliberalismo, argumentando que as metodologias ativas, os projetos discentes, o empreendedorismo e a competitividade estariam capitaneando a educação doméstica.

Biografia do Autor

Bruno Nunes Batista, Instituto Federal Catarinense (IF-Catarinense).

Doutor e mestre em Geografia. Professor do Instituto Federal Catarinense (IF-Catarinense).

Referências

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 1981.

AZEVEDO, F. et al. Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959). Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

BARBOSA, L. M. R. Homeschooling no Brasil: ampliação do direito à educação ou via de privatização? Educação & Sociedade, v. 37, n. 134, jan.-mar. 2016.

______; OLIVEIRA, R. L. Apresentação do Dossiê: homeschooling e o Direito à Educação. Pro-posições, Campinas, v. 28, n.2, mai.-ago. 2017.

COMENIUS, J. Didática magna. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CORAZZA, S. M. História da infantilidade: a-vida-a-morte e mais-valia de uma infância sem fim. 1998. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, UFRGS, Porto Alegre.

______. E os pequeninos, senhor? Inocência e culpa na Pastoral Educativa. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 1, jan.-jul. 2000a.

______. História da infância sem fim. Ijuí: Editora da UNIJUÍ, 2000b.

______. Infância & Educação: Era uma vez: quer que conte outra vez? Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

COSTA, S. de S. G. Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação & Realidade, Porto Alegre: UFRGS, v. 34, n. 2, p. 171-186, mai/ago. 2009.

CURY, C. R. J. Educação escolar e educação no lar: espaços de uma polêmica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, out. 2006.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DURKHEIM, É. A evolução pedagógica em França. Educação, sociedade & culturas, Lisboa, v. 1, n. 2, 1994.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collége de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 20008.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

HOLT, J. Aprendendo o tempo todo: como as crianças aprendem sem ser ensinadas. Campinas, SP: Verus Editora, 2006.

ILLICH, I. Sociedade sem escolas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1977.

KLOH, F. F. Quando a escola não faz parte da biografia: depoimentos de vida em homeschooling. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 1, n.2, mai.-ago. 2016.

MARTINS, M. Aprendizado no mundo real explica eficácia do homeschooling. Gazeta do Povo, Curitiba, 14 mar. 2018. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/educacao/aprendizado-no-mundo-real-explica-eficacia-do-homeschooling-84mf89wfgpndhp30ugjdx6evf. Acesso em 18 abri. 2018.

OLIVEIRA NETO, M. M. Quem tem medo do homeschooling?: o fenômeno no Brasil e no mundo. Consultoria Legislativa. Brasília: Câmara dos Deputados, 2016.

OLIVEIRA, R. L. P.; BARBOSA, L. M. R. O neoliberalismo como um dos fundamentos da educação domiciliar. Pro-posições, Campinas, v. 28, n.2, mai.-ago. 2017.

PALHARES, I. País já tem pelo menos 6 mil crianças sendo educadas em casa pela família. Estadão, São Paulo, 25 dez. 2016. Disponível em: http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,pais-ja-tem-pelo-menos-6-mil-criancas-sendo-educadas-em-casa-pela-familia,10000096431. Acesso em: 12 dez. 2017.

PINHO, A. Famílias adeptas da 'desescolarização' tiram filhos do colégio em São Paulo. Folha de São Paulo, São Paulo, 12 fev. 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/02/1858031-familias-adeptas-da-desescolarizacao-tiram-filhos-do-colegio-em-sao-paulo.shtml. Acesso em: 01 abri 2018.

RIBEIRO, A. M. C.; PALHARES, J. O homeschooling e a crítica à escola: hibridismos e (des)continuidades educativas. Pro-posições, Campinas, v. 28, n.2, mai.-ago. 2017.

ROMANELLI, O. História da educação no Brasil (1930-1973). Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

SCANDELARI, C. Minhas filhas não vão à escola – mas isso não significa que elas não socializem. Gazeta do Povo, Curitiba, 01 mar. 2018. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/educacao/minhas-filhas-nao-vao-a-escola---mas-isso-nao-significa-que-elas-nao-socializem-a34gbfk6888j82qwicemdxsp8. Acesso em: 04 mar. 2018.

SILVA, T. T. Em resposta a um pedagogo “epistemologicamente correto”. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 19, n. 2, jul.-dez. 1994.

SOUZA, J. Ensino domiciliar ganha novos adeptos no Brasil. Correio do Povo, Porto Alegre, 11 abri. 2010. Disponível em: http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=115&Numero=193&Caderno=0&Noticia=123929. Acesso em: 15 abri. 2017.

SOUZA, M. L. Ex-alunos contam experiência de ensino domiciliar, que cresce no país. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 fev. 2015. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2015/02/1594329-ex-alunos-contam-experiencia-de-ensino-domiciliar-que-cresce-no-pais.shtml. Acesso em: 15 jan. 2018.

VASCONCELOS, M. C. C. A casa e os mestres: a educação no Brasil de Oitocentos. Rio de. Janeiro: Gryphus, 2005.

______. A educação doméstica no Brasil de oitocentos. Educação em Questão, Natal, v. 28, n. 14, jan.-jun. 2007.

______. Educação na casa: perspectivas de desescolarização ou liberdade de escolha? Pro-posições, Campinas, v. 28, n.2, mai.-ago. 2017.

VEIGA-NETO, A. Educação e governamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: PORTOCARRERO, V.; CASTELO BRANCO, G. (Orgs.). Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: NAU, 2000.

VIDAL, D. G. Escola nova e processo educativo. In: LOPES, Eliana (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

______. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate. Educação & Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, jul.-set. 2013.

VIEIRA, A. H. P. “Escola? Não, obrigado”: um retrato da homeschooling no Brasil. 2012. Monografia (Trabalho de Graduação) - Universidade de Brasília, Brasília.

Downloads

Publicado

21/12/2018

Como Citar

BATISTA, B. N. Educação doméstica no Brasil: que prática é essa?. Debates em Educação, [S. l.], v. 10, n. 22, p. 51–75, 2018. DOI: 10.28998/2175-6600.2018v10n22p51-75. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/5051. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos