Docência na educação profissional e tecnológica

formação pegagógica versus notório saber

Autores

  • Francisco das Chagas Silva Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte
  • Francisco das Chagas de Sena Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15187

Palavras-chave:

Formação docente, Educação Profissional e Tecnológica, Notório saber

Resumo

Neste artigo, problematiza-se a formação docente para a Educação Profissional e Tecnológica (EPT), e se questiona a importância dada ao chamado notório saber em detrimento de uma formação pedagógica. Tem por base uma pesquisa bibliográfica em artigos publicados por pesquisadores do campo Trabalho e Educação e em documentos oficiais. Defende-se que a docência na EPT deve se pautar no compromisso com a formação de sujeitos reflexivos e engajados na transformação social. Conclui-se que o notório saber é insuficiente para tal engajamento e revela a ausência de compromisso com esse tipo de formação, próprio do ideário neoliberal, que entende a noção de conhecimento como informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco das Chagas Silva Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Doutor em Educação. Professor do IFRN, Campus Mossoró. Docente dos Programas de Pós-Graduação em Educação Profissional (PPGEP), em Educação Profissional e Tecnológica (Mestrado Profissional em Rede Nacional) e em Ensino (Posensino - UERN/IFRN/UFERSA).

Francisco das Chagas de Sena, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Mestre em Educação Profissional e Tecnológica, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica em Rede Nacional - PROFEPT. Docente do IFCE, campus Aracati.

Referências

ALVES, U. A. et al. A proletarização do trabalho docente e o notório saber: desafios e entraves para o resgate da valorização do professor. Educação Profissional e Tecnológica em Revista, Vitória, v. 4, n. 2, p. 62-79, 2020. https://doi.org/10.36524/profept.v4i2.535

ARAÚJO, R. M. de L.; FRIGOTTO, G. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão, Natal, v. 52, n. 38, p. 61-80, maio/ago. 2015. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2015v52n38ID7956.

BEMVINDO, V. A concepção socialista de educação politécnica: contribuições dos socialistas utópicos, libertários e científicos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 16, n. 70, p. 138–162, 2017. https://doi.org/10.20396/rho.v16i70.8649213.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 31 jan. 2023.

BRASIL. Resolução nº 6, de 20 de setembro de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional técnica de nível médio. Brasília, DF, 2012. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Res-CEB-006-2012-09-20.pdf. Acesso em: 5 fev. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Res-CP-CNE-002-2015-07-01.pdf. Acesso em: 10 fev. 2023.

BRASIL. Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/novembro-2018-pdf/102481-rceb003-18/file. Acesso em: 9 fev. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 9 fev. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Brasília, DF, 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/outubro-2020-pdf/164841-rcp001-20/file. Acesso em: 9 fev. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 5 de janeiro de 2021. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, DF, 2021. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-cne-cp-001-2021-01-05.pdf. Acesso em: 9 fev. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 6 de maio de 2022. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Profissional Técnica de Nível Médio (EPTNM Formação). Brasília, DF, 2022. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CP-001-2022-05-06.pdf. Acesso em: 6 fev. 2023.

COSTA, M. A.; COUTINHO, E. H. L. Educação Profissional e a Reforma do Ensino Médio: lei nº 13.415/2017. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 1633-1652, out./dez. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623676506

COSTA, M. A. O notório saber e a precarização da formação docente para a educação profissional. Revista Profissão Docente, Uberaba, v.18, n. 39, p. 239-254, jul./dez. 2018. http://dx.doi.org/10.31496/rpd.v18i39.1205

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Campinas: Autores Associados, 2008.

FREIRE, P. Política e educação: ensaios. 5. ed. São Paulo, Cortez, 2001.

FRIGOTTO, G. A dupla face do trabalho: criação e destruição da vida. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. (Orgs.) A experiência do trabalho e a educação básica. Rio de Janeiro, DP&A, 2002. p. 11-27.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educar o trabalhador cidadão produtivo ou o ser humano emancipado? Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 45-60, mar. 2003. https://doi.org/10.1590/S1981-77462003000100005

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

v. 2

KUENZER, A. Z. A formação de professores para a Educação Profissional e Tecnológica: perspectiva histórica e desafios contemporâneos. In: Formação de Professores para Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, INEP, p. 19-40, 2008. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/temas_da_educacao_superior/formacao_de_professores_para_educacao_profissional_e_tecnologica.pdf. Acesso em: 18 jun. 2023.

MACEDO, J. M. Reconhecimento do notório saber e a inclusão excludente do professor na educação básica: qual o lugar da universidade na formação? RPGE – Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 21, n. esp.2, p. 1239-1259, nov. 2017. https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10841

MACHADO, M. F. R. C.; VIEIRA, R. V. S. Trajetória de vida docente e sua contribuição para a docência na Educação Profissional e Tecnológica. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 21, n. 71, p. 1629-1652, 2021. https://doi.org/10.7213/1981-416X.21.071.DS07

MACHADO, L. R. de S. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 8-22, jul. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.15628/rbept.2008.2862

MACHADO, L. R. de S. Mudanças tecnológicas e a educação da classe trabalhadora. In: Trabalho e Educação (Coletânea CBE). Campinas: Papirus/CEDES: Ande/Anped, 1992. p. 9-23. Disponível em: http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/T2SF/AnaDantas/04.pdf Acesso em: 7 fev. 2023.

MARX, K.; ENGELS, F. Crítica da educação e do ensino. Lisboa: Moraes editores, 1978.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MARTINS, M. F. Gramsci, educação e escola unitária. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 47, p. 1-18, 2021. https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147226099

MOURA, D. H. A formação de docentes para a educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 23-38, 2008. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/2863. Acesso em: 14 jan. 2023.

MOURA, D. H. Trabalho e formação docente na educação profissional. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2014.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n89/22614. Acesso em: 18 jun. 2023.

OLIVEIRA, M. R. N. S. Formação de professores para a educação profissional. In: DALBEN, Â. I. L. de F. et al. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 454-478.

PASQUALLI, R.; SILVA, A.; SILVA, V. G. A Pesquisa como Princípio Educativo no Currículo Integrado. Debates em Educação, Maceió, v. 11, n. 24, p. 509-522, maio/ago., 2019. http://dx.doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p509-522

RAMOS, M. N. É possível uma pedagogia das competências contra-hegemônica?: relações entre pedagogia das competências, construtivismo e neopragmatismo. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1. p. 93-114, 2003. https://doi.org/10.1590/S1981-77462003000100008.

RAMOS, M. N. Concepção do Ensino Médio Integrado. Belém, 2008. Disponível em: https://tecnicadmiwj.files.wordpress.com/2008/09/texto-concepcao-do-ensino-medio-integrado-marise-ramos1.pdf. Acesso em: 31 jan. 2023.

RAMOS, M. N. É uma restrição do campo de conhecimento do professor. [Entrevista concedida a André Antunes]. Portal da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. 2022. Disponível em: https://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/entrevista/e-uma-restricao-do-campo-de-conhecimento-do-professor. Acesso em: 7 jan. 2023.

SANTOS, D. et al. O lugar da Educação Profissional e Tecnológica na Reforma do Ensino Médio em contexto brasileiro: da Lei nº 13.145/2017 à BNCC. Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica. Natal, v. 2, p. 1-14, 2020. https://doi.org/10.15628/rbept.2020.9488

SANTOS, P. S. M. B. dos. A Lei 13.415/2017 (Reforma do Ensino Médio) e os retrocessos

contidos na previsão legal de professores com “notório saber”. Conhecimento &

Diversidade, Niterói, v. 9, n. 19, p. 71-81, jan. 2018. Disponível em: https://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/conhecimento_diversidade/article/view/4189 Acesso em: 8 fev. 2023.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 12, p. 152-180, n. 34, jan./abr., 2007. https://doi.org/10.1590/S1413-24782007000100012

SENA, F. das C. de. Formação docente e Educação Profissional e Tecnológica no IFCE: experiência com a Licenciatura em Ciências Biológicas no campus Jaguaribe. 2023. Dissertação (Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2023.

SIMIONATO, M. F.; HOBOLD, M. de S. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial de professores: padronizar para controlar? Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 17, n. 46, p. 72-88, 2021. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8917.

SOUZA, A. L. L. de. Formação inicial e continuada de professores para a Educação Profissional: a política e a produção do conhecimento para a emancipação. In: MOURA, D. H. (Org.). Produção de conhecimento, políticas públicas e formação docente em Educação Profissional. Campinas: Mercado das Letras, 2013. p. 385-407.

SOUZA, F. das C. S.; RODRIGUES, I. da S. Formação de professores para educação profissional no Brasil: percurso histórico e desafios contemporâneos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 17, n. 2, p. 621-638, 2017. https://doi.org/10.20396/rho.v17i2.8644682.

SOUZA, F. das C. S.; NASCIMENTO, V. S. de O. Bacharéis professores: um perfil docente em expansão na rede federal de educação profissional e tecnológica. In: MOURA, D. H. (Org.). Produção de conhecimento, políticas públicas e formação docente em educação profissional. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013. p. 409-434.

SOUZA, F. das C. S. Percurso formativo de engenheiros professores da educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 98, n. 248, p. 62-76, 2017. https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.98i248.2883.

SUHR, I. R. F. A reforma do Ensino Médio como estratégia de adequação da educação às demandas do setor produtivo. Debates em Educação, Maceió, v. 11, n. 24, p. 402-415, maio/ago., 2019. https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p402-415

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2023-09-27

Como Citar

SOUZA, Francisco das Chagas Silva; SENA, Francisco das Chagas de. Docência na educação profissional e tecnológica: formação pegagógica versus notório saber. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e15187, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15187. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15187. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.