QUESTÕES SOBRE O TRABALHO DOCENTE NA REDE ESTADUAL PAULISTA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2017v9n17p177

Palavras-chave:

Trabalho docente. Precarização. Alienação e estranhamento

Resumo

O artigo visa discutir as condições do contexto sócio-econômico-político e as inerentes à organização do trabalho docente no interior da escola pública do Estado de São Paulo, considerando: a reorganização da Secretaria de Estado da Educação – SEE; as reformas curriculares em vigor nas escolas públicas paulistas; as negociações em torno da reestruturação da carreira docente e a legislação, a partir de 2000, referente à organização das jornadas de trabalho. Desse modo, a reflexão parte da análise das políticas educacionais construídas sob a égide dos organismos internacionais, no bojo do processo de globalização, encetadas pelos sucessivos governos do PSDB no estado, visando ajustar a educação aos ditames neoliberais, e resulta de pesquisa bibliográfica e documental realizada no triênio 2013-2015, sob o título “Trabalho docente na rede estadual paulista em processo de precarização”. Esta comportou análisedas condições do contexto sócio-econômico-político e as inerentes à constituição e organização do trabalho docente no interior da escola pública estadual, enfocando a literatura relativa à globalização, ao trabalho no processo de reestruturação do capital e, consequentemente da organização do trabalho no sentido da flexibilização e precarização. 

Biografia do Autor

Maria Izaura Cação, Universidade Estadual Paulista - Campus Marília

Professora assistente doutora, atua na Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - UNESP Marília, SP, desde 1990, tendo experiência nas áreas de Formação de professores: Gestão educacional e escolar; Currículo; Trabalho docente; Políticas educacionais e curriculares; Planejamento e Projeto Político-Pedagógico.

Downloads

Publicado

16/04/2017

Como Citar

CAÇÃO, M. I. QUESTÕES SOBRE O TRABALHO DOCENTE NA REDE ESTADUAL PAULISTA. Debates em Educação, [S. l.], v. 9, n. 17, p. 177, 2017. DOI: 10.28998/2175-6600.2017v9n17p177. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2465. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos