As implicações do Programa Choque de Gestão para o trabalho docente na Rede Estadual Mineira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2018v10n21p89-105

Palavras-chave:

Intensificação. Precarização. Trabalho docente.

Resumo

A presente pesquisa visa analisar os efeitos do Programa Choque de Gestão (CG), entre 2003 e 2014, para o trabalho docente dos professores secundários da Rede Pública Estadual de Ensino de Minas Gerais (REE/MG). Justifica-se pelo fato de haver indícios de intensificação e precarização do trabalho docente devido às medidas deste programa de governo. O levantamento bibliográfico foi realizado por meio de buscas de artigos científicos, dissertações de mestrado e teses de doutorado pelo Google Acadêmico, site de periódicos da Scielo, banco de teses da CAPES e em bibliotecas universitárias. A coleta de dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas com 5 professores secundários da REE/MG. A abordagem da pesquisa foi qualitativa. Os resultados apontaram a existência de meritocracia, performatividade, proletarização, intensificação e precarização no trabalho docente na REE/MG. Entre as considerações finais, constatou-se que as medidas do programa CG, nas três gerações, provocaram uma intensificação e precarização do trabalho docente na REE/MG em virtude das condições de trabalho dos professores secundários, como a responsabilização por resultados, a má remuneração e a sobrecarga de trabalho.

Biografia do Autor

Adelino Francklin, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Mestre em Educação pelo Centro Universitário Moura Lacerda. Graduado em História pelo UNIFEG e Filosofia pela UFLA. É coordenador do curso de História da UEMG.

Referências

ASSUNÇÃO, A. da Á.; OLIVEIRA, D. A.. Intensificação do Trabalho e Saúde dos Professores. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 107, p. 349-372, maio/ago. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v30n107/03.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2017.

AUGUSTO, M. H. O. G.. Regulação educativa e trabalho docente em Minas Gerais: a obrigação de resultados. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 03, p. 695-709, jul.-set., 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ep/v38n3/11.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2017.

______. A regulação das políticas educacionais em Minas Gerais e a obrigação de resultados: o desafio da inspeção escolar. 2010. 279 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOS-8DAMLM/tese___maria_helena_oliveira_gon_alves_augusto.pdf?sequence=1>. Acesso em: 01 mar. 2018.

______. A regulação educativa em Minas Gerais e efeitos sobre o trabalho docente. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; PINI, Mónica Eva; FELDFEBER, Myriam (org.). Políticas Educacionais e Trabalho Docente: Perspectiva Comparada. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2011. Cap. 8, p. 171-186.

BALL, Stephen. Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set.-dez., 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v25n89/22613.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

______. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, Porto Alegre, RS, v. 35, n. 2, p. 37-56, maio/ago. 2010. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/15865/9445>. Acesso em: 01 mar. 2018.

BANCO MUNDIAL. Priorities and strategies for education: a Word Bank sector review. Whashington D. C. 1995. Disponível em: < http://documents.worldbank.org/curated/pt/117381468331890337/pdf/multi-page.pdf>. Acesso em: 27 jul. 2018.

BARBOSA, L. C. de M.. O uso dos resultados do SIMAVE e suas possíveis implicações para gestores escolares e professores: O caso das escolas públicas de Formiga-MG. 2013. 267 f. Dissertação (Mestrado em Educação)-Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOS-9AYK5D/liliane_dissertacao_fae.pdf?sequence=1>. Acesso em: 01 mar. 2018.

BRITO, V. L. F. A. Efeitos negativos do “choque de gestão na remuneração de professores em Minas Gerais. Fineduca, v. 3, n. 6, p. 1-20, RS, 2013. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/fineduca/article/view/57971>. Acesso em: 01 mar. 2018.

DUARTE, A. W. B.. Por que ser professor? Uma análise da carreira docente na educação básica no Brasil. 2013. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUBD-9Q5HTU/disserta__o___alexandre_william_barbosa_duarte.pdf?sequence=1>. Acesso em: 01 mar. 2018.

DUARTE, A. W. B.; OLIVEIRA, D. A.. Valorização profissional docente nos sistemas de ensino de Minas Gerais e Pernambuco. Práxis educacional, Vitória da Conquista, v. 10, n. 17, p. 67-97, jul./dez. 2014. Disponível em: < http://www.gestrado.net.br/images/publicacoes/92/AlexandreDalila_ValorizacaoProfissionalDocenteMGePE.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

ESTEVE, J. M.. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, António. Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1995. p. 95-107.

FIDALGO, N. L. R.; FIDALGO, F.. Trabalho docente e a lógica produtivista: conformação e subjetividade. In: FIDALGO, F. et al. (orgs). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas, São Paulo: Papirus, 2009. 239 p.

FREITAS, L. C.. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação e Sociedade, v. 28, n. 100-Especial, p.965-987, out., 2007.Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a1628100.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

______. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun.2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a04v33n119.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

GIROUX, H.. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HYPOLITO, A. M.. Reorganização Gerencialista da Escola e Trabalho Docente. Educação: Teoria e Prática, v. 21, n. 38, p. 1-18, out./dez. 2011. Disponível em: < https://www.academia.edu/1546437/Reorganiza%C3%A7%C3%A3o_Gerencialista_da_Escola_e_Trabalho_Docente>. Acesso em: 01 mar. 2018.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São

Paulo: EPU, 1986.

MACIEL, R. M.; PREVITALI, F. S.. Impactos das Políticas Públicas do Trabalhador da Educação na Rede Estadual de Patos de Minas/MG em 2011. Revista LABOR, v.1, n. 6, p. 326-343, 2011. Disponível em: <http://www.revistalabor.ufc.br/Artigo/volume6/7_IMPACTOS_DAS_POLITICAS_PUBLICAS_DO_TRABALHADOR_DA_EDUCACAO_NA_REDE%20_ESTADUAL_DE_ENSINO_DE_PATOS_DE_MINASMG_EM_2011.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

MACIEL, A. Governo de Minas faz empréstimo de R$ 450 milhões para pagar dívidas com a Cemig. Em.com.br. Belo Horizonte. 28 nov. 2012. Política. Disponível em: < https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/11/28/interna_politica,332637/governo-de-minas-faz-emprestimo-de-r-450-milhoes-para-pagar-divida-com-a-cemig.shtml>. Acesso em: 27 jul. 2018.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 24. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, D. A.. Política educacional e a re-estruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto latino-americano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 355-375, maio/ago., 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v28n99/a04v2899.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

______. A nova regulação de forças no interior da escola: carreira, formação e avaliação docente. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 27, n.1, p.25-38, jan./abr. 2011. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/19917/11557>. Acesso em: 01 mar. 2018.

______. Das políticas de governo à política de Estado: reflexões sobre a atual agenda educacional brasileira. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 32, n. 115, p. 323-337, abr./jun. 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v32n115/v32n115a05.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2018.

OLIVEIRA, D. A. e VIEIRA, L. M. F.. O trabalho docente na educação básica no estado de Minas Gerais: conhecendo novos docentes e suas condições. In.: DUARTE, Adriana et. al. (org.). O trabalho docente na educação básica em Minas Gerais. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2012.

PINO, M. A. B. D. et al. Trabalho docente, controle e intensificação: câmeras, novo gerencialismo e práticas de governo. In: FIDALGO, Fernando et al. (orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas, São Paulo: Papirus, 2009. 239 p.

RODRIGO, T.; GALAN, M. C. da S. Condições de trabalho e precarização do ensino médio público. Nucleus, Ituverava, SP, v. 7, n. 1, p. 11-24, abr. 2010. Disponível em: < http://www.nucleus.feituverava.com.br/index.php/nucleus/article/view/286/367>. Acesso em: 01 mar. 2018.

ROSSO, S. D.. Mais Trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008. 206 p.

SAMPAIO, M. das M. F. e MARIN, A. J.. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 89, p. 1203-1225, set/dez. 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v25n89/22618>. Acesso em: 01 mar. 2018.

TORRES, R. M.. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. Trad. Mónica Corullón. In: DE TOMMASI, Lívia; WARDE, Mirian Jorge e HADDAD, Sérgio. O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996.

Downloads

Publicado

31/08/2018

Como Citar

FRANCKLIN, A. As implicações do Programa Choque de Gestão para o trabalho docente na Rede Estadual Mineira. Debates em Educação, [S. l.], v. 10, n. 21, p. 89–105, 2018. DOI: 10.28998/2175-6600.2018v10n21p89-105. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/4392. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Dossiê "Política e gestão da educação: questões contemporâneas"