Identidade e atuação profissional dos egressos em Educação do Campo em Ciências da Natureza no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p182-199

Palavras-chave:

Egresso, Educação do Campo, Ciências da Natureza.

Resumo

Buscou-se no presente estudo realizar um levantamento quali-quantitativo sobre a atuação profissional de egressos em Educação do Campo, com habilitação em Ciências da Natureza, e que obtiveram título de licenciado pela Universidade Federal Rural do Semiárido, Universidade Federal da Grande Dourados, Universidade Federal do Triângulo Mineiro e Universidade Federal da Fronteira do Sul, entre 2014 a 2018. Os dados apresentam a procedência dos nossos participantes, quando ingressaram no curso de Licenciatura em Educação do Campo, que 61,9% dos egressos foram provenientes do campo. Sobre a atuação profissional apenas 23,8 % atuam em escolas do campo, não pelo fato dos egressos não quererem, mas por falta de investimentos e políticas que acompanhem as especificidades da formação por área.  

Biografia do Autor

Juliano da Silva Martins de Almeida, Universidade Federal de Roraima (UFRR)

Professor EBTT de Química na Escola Agrotécnica da Universidade Federal de Roraima – EAGRO/UFRR, Campus Murupu.  Doutor e Mestre em Ciências pela UFU. Pós-doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão, bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD-CAPES). E-mail: juliano.almeida@ufrr.br.

Wender Faleiro, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor da Unidade Acadêmica Especial de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão. Doutor em Educação pela UFU e Pós Doutor em Educação pela PUC/GO. Líder Grupo de Pesquisa e Extensão em Ensino de Ciências e Formação de Professores – GEPEEC e Vice-Líder Núcleo de Extensão e Pesquisa em Educação e Desenvolvimento do Campo – NEPCampo. E-mail: wender.faleiro@gmail.com

Welson Barbosa Santos, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor da Universidade Federal de Goiás – UFG, Regional Goiás. Mestre em Educação pela UFU.  Doutor em Educação pela  UFSCar e Pós Doutor em Educação  pela UNESP. Líder Grupo de Pesquisa Educação no Cerrado e Cidadania – GPECC. E-mail: wwsantosw@yahoo.com.br

Referências

ALVES, Dylan Ávila. Licenciaturas em Química do IF Goiano: concepções e influências no contexto formativo. 2016. Dissertação (Mestrado em Química) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel. DINIZ, Luciane de Souza. OLIVEIRA, Ariane Martins. Percurso formativo da Turma Dom José Mauro: segunda turma do curso de Licenciatura em Educação do Campo da FAE-UFMG. In: MOLINA, Mônica Castagna. SÁ, Laís Mourão (Orgs.). Licenciaturas em Educação do Campo – Registros e reflexões a partir das experiências-piloto (UFMG; UnB; UFBA e UFS), Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011, p. 19-34.

ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Orgs.). I Conferência Nacional por uma Educação Básica do Campo. Documentos Finais. Luziânia, GO, 27 a 31 jul. 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1970.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

CALDART, Roseli Salete; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio (orgs). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde. Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

CASTRO, Elisa Guaraná. Vencendo a invisibilidade. Os jovens estão indo embora?: juventude rural e a construção de um ator político. Rio de Janeiro: Mauad X, 2009

FAORO, Raimundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 10ª ed. São Paulo: Globo, 1997.

FAORO, Raimundo. Existe um pensamento político brasileiro? São Paulo: Ática, 2007.

FARIAS, Magno Nunes. FALEIRO, Wender. Princípios do movimento de Educação do Campo: análise dos Projetos Político-Pedagógicos das LEdoCs do Centro-Oeste brasileiro. Uberlândia, MG: Navegando, 2019.

FERNADES, Cleudemar Alves. Discurso e sujeito em Michel Foucault. São Paulo: Intermeios. 2012.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins e fontes. 2011.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

MINAYO, Maria Cecília Souza; SANCHES, Odécio. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./sep.1993

SANTOS, Welson Barbosa. A educação Sexual no contexto de Biologia. São Paulo: Novas Edições Acadêmicas. 2015.

SILVA, Francisca Cordelia Oliveira da. Etnia, Cor e Raça: Aspectos Discursivos do uso Institucional. Brasília 2006: Universidade de Brasília 2006.

SOUZA, Kellcia Rezende.; KERBAUY, Maria Teresa. Miceli. Abordagem quanti-qualitativa: superação da dicotomia quantitativa-qualitativa na pesquisa em educação. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 31, n. 61, p. 21-44, jan./abr. 2017.

Downloads

Publicado

22/06/2020

Como Citar

ALMEIDA, J. da S. M. de; FALEIRO, W.; SANTOS, W. B. Identidade e atuação profissional dos egressos em Educação do Campo em Ciências da Natureza no Brasil. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 182–199, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p182-199. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8618. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos