Crianças cidadãs e sua ação política na escola e comunidade

Autores

  • Juliana Carla da Paz Alves Universidade Federal de Alagoas
  • Laura Cristina Vieira Pizzi Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n34p86-112

Palavras-chave:

Infância, Cidadania, Poesia, Política, Escola

Resumo

Esse texto é resultado de uma pesquisa, cujo objetivo foi analisar a ação cidadã de crianças, entre seis e sete anos de idade, em uma turma do primeiro ano do Ensino Fundamental, em uma escola pública da rede municipal, localizada em um bairro periférico de Maceió/AL. Nossa intenção foi perceber como as crianças exercem sua cidadania na escola, instituição a qual é atribuída a função de formar cidadãos. Utilizamos a metodologia da pesquisa participativa para coletar os dados com o desenvolvimento de um projeto pedagógico-artístico sobre cidadania e poesia. E analisamos os dados através da análise do discurso foucaultiana. Os pontos analisados foram: 1) a literatura como meio de conhecimento do próprio papel social e forma de reivindicação política cidadã; 2) o entendimento de sua condição cidadã no mundo enquanto sujeito com direitos a acessar e deveres a cumprir; 3) sua vontade de participação política e intervenção na própria realidade. Como resultado, observamos a reelaboração, pelas crianças, dos discursos sobre sua vivência política cidadã na sala de aula, na instituição como um todo e na comunidade.

Biografia do Autor

Juliana Carla da Paz Alves, Universidade Federal de Alagoas

Professora da Educação Básica - SEMED - Maceió

Doutoranda em educação- PPGE- CEDU- UFAL

Integrante do grupo "Currículo, subjetividade e atividade docente"

Referências

ACORSI, R. Educação uma questão de tempo? As escolas de turno integral. In: SARAIVA,

K.; SANTOS, I. Educação contemporânea e artes de governar. Canoas: Editora da

ULBRA, 2010. p. 85-104.

ALVES, J. C. P. Cidadania e poesia na escola: o que dizem as crianças? In: ALVES, J. C. P.; PIZZI, L. C. V.; ROCHA, P. R. L. (Org.). Cidadania e poesia na escola: essa rima cola.

Maceió: EDUFAL, 2015. p. 12-36.

ALVES, J. C. P. Currículo, cultura escolar e disciplinamento. 2010. 97 f. Dissertação.

(Mestrado em Educação Brasileira) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2010.

ALVES, J. C. P. O disciplinamento na escola e no currículo na perspectiva docente. In:

PIZZI, L. C. V.; LOPES, A. A. Trabalho e formação docente: saberes e práticas em

diferentes contextos. Maceió: EDUFAL, 2012. p. 119-132.

ARIÉS, P. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1981.

ARIÉS, P. Por uma história da vida privada. In: ARIÉS, P.; CHARTIER, R. (Org.). História

da vida privada 3: da Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras,

p. 9-20.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível

em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm>. Acesso em: 14 set. 2014.

BUNCKINGHAM, D. Crescer na era das mídias eletrônicas. Tradução de Gilka Girardello e Isabel Orofino. São Paulo: Loyola, 2006. CANDIOTTO, C. Ética e política em Michel Foucault. Trans/Form/Ação, Marília, v. 33, n. 2, 2010, p. 157-175

COUTINHO, C. N. Notas sobre cidadania e modernidade. Revista Àgora – Políticas públicas e Serviço Social, ano 2, v. 3, dez. 2005. Disponível em: http: . Acesso em: 10 out. 2014.

COVRE, M. L. M. O que é cidadania. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 2002.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 36. ed. Petrópolis: Vozes, 2009a. p. 291.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 26. ed. Rio de Janeiro: GRAAL, 2009b. p. 295.

FOUCAULT, M. A Ética do Cuidado de Si Como Prática da Liberdade. In: FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Col. Ditos e Escritos V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

GIRÃO Fernanda M. P. e BRANDÃO. Ana Carolina P. A criança como sujeito de direitos no pensamento de Boaventura de Sousa Santos: diálogos com a sociologia da infância e implicações para a pesquisa em educação. EccoS Revista Científica. n.56, jan, 2021, p. 1-17.

HAGUETTE. T. M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Vozes, 1992, p. 224.

NARODOWSKI, M. Después de clase. Desencantos y Desafíos de la Escuela Actual. Buenos Aires: Novedades Educativas, 1999. p. 109.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia; 1999. p. 190.

PAGNI, P. A. Infância, arte de governo pedagógica e cuidado de si. Educação e realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, 2010, p. 99-123. Editora UFRGS. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2014. 145

PAZ, A. Escola Política. [S.l] 2010. Disponível em. Acesso em: 20 fev. 2015.

PIRRALHO, V.; EUZÉBIO, P. I. Na moda. Vitor Pirralho e a U.N.D.A.D.E.: devoração crítica do legado universal. Direção artística: Pedro Ivo Euzébio. Maceió: 2008, compact disc (CD)

SARMENTO, Manuel Jacinto et.all, C. N. Políticas públicas e participação infantil. Educação Sociedade e Culturas, n 25, 2007. P.183-206. Disponível em: http: https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC25/ManuelJacintoSarmento.pdf. Acesso em: 7 jan. 2014.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVEIRA, G. “Quando a escola é de vidro”: a produção da infância e as relações de poder no contexto disciplinar. In: FERRARI, A. Sujeitos, subjetividades e educação. Juiz de fora: Editora UFJF, 2010, p. 79-104.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Brasília, 1998, p. 6.

Downloads

Publicado

27/04/2022

Como Citar

DA PAZ ALVES, J. C.; VIEIRA PIZZI, L. C. Crianças cidadãs e sua ação política na escola e comunidade. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 34, p. 86–112, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n34p86-112. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13372. Acesso em: 12 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Infância, narrativa e educação: diálogos pela alteridade