Ensino de Ciências delineado por Representações Sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p562-581

Palavras-chave:

Representações sociais. Ensino de Ciências. Artesanato no PROEJA.

Resumo

O presente estudo analisou as representações sociais dos sujeitos-alunos do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade da Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) no curso de artesanato sobre as infecções virais, e suas implicações na/para as práticas curriculares no ensino de Ciências. Tratando-se de uma pesquisa de natureza qualitativa do tipo estudo de caso. O corpus de análise foi coletado por ocasião da realização da estratégia do grupo focal, e para análise procedemos à Análise Textual Discursiva (ATD). Os resultados apontam que as representações sociais dos alunos sobre o conteúdo que trata acerca das infecções virais despontam interesses e dúvidas em relação aos sintomas, tratamento, forma de contágio, o diagnóstico, entre outros.

Biografia do Autor

Paula Roberta Galvão Simplício, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática (UFAL) com ênfase no ensino de Biologia. É Pós-Graduanda em Docência e Gestão na Educação à Distância. Especialista em Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário (Cesmac). Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal de Alagoas- IFAL (2016). É Técnica em Química pelo IFAL (2012). É membro do grupo de pesquisa, formação de professores: políticas e práticas. Tem experiência como docente com ênfase em Biologia geral e o uso de metodologias ativas, com enfoque em aprendizagem significativa. Ainda possui experiência em análises físico-química e preparo de soluções, assim como em análises e coleta microbiológica em bebidas, água e efluente. Dentre as suas principais produções estão dois artigos (sendo um Qualis A) e um capítulo de livro intitulado como: Planejamento didático no Ensino de Biologia: reflexões sobre a prática pedagógica docente. Além de artigos esperando parecer das revistas.

Adriana Cavalcanti dos Santos, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Pós-Doutora pela Universidade do Porto - Portugal, sob supervisão da Professora Catedrática Carlinda Leite (2018-2019). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de Pernambuco (2003), graduação em Letras - Autarquia de Ensino Superior de Arco Verde (1998), Especialista em Avaliação Educacional de Língua Portuguesa, pela Universidade Federal de Pernambuco, Especialista em Conteúdos Programáticos de Língua Portuguesa e Mestra em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (2006). Em 2014, concluiu seu doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, Linguagem e Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: Alfabetização e Letramento; Leitura e produção; e Saberes e Metodologia da Língua Portuguesa. É líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Didáticas de Leitura, da Literatura e da Escrita (GELLIT).

Referências

ACTOR, Jeffery K. Imunologia e Microbiologia. Trad. Irene T. Araújo e outros Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

ALAGOAS. Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Alagoas. Plano do Curso Técnico de Artesanato. Maceió, 2008.

BEZERRA, Danielle Barbosa; SANTOS, Adriana Cavalcanti. Ensino de ciências na educação de jovens e adultos: (res) significando saberes na produção de fanzines. Revista de Educação, Ciências e Matemática v.6 n.1 jan/abr 2016.

BRASIL. Programa Nacional Ensino Médio Integrado a Educação Profissional Técnica de Nível Médio na Modalidade do PROEJA: Documento Base. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_medio.pdf. Acesso em :15 dez. 2017.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 3.ed. - Ijuí: Editora da Unijuí, 2003.

CORDEIRO, Marli Tenório. et. al. Vinte anos de evolução da dengue no Estado de Pernambuco. Ed. Universitária da UFPE, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. – Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

GILLY, Michel. As representações sociais no campo educativo. Tradução: Serlei Maria Fischer Ranzi; Maclóvia Correa da Silva. Revista educar, Curitiba, n. 19, p. 231-252. 2002.

JODELET, D. Représentations sociales: un domaine en expansion. In D. Jodelet (Ed.) Les représentations sociales. Paris: PUF, 1989, pp. 31-61. Tradução: Tarso Bonilha Mazzotti. Revisão Técnica: Alda Judith Alves Mazzotti. UFRJ- Faculdade de Educação, dez. 1993.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de biologia. – 4. ed. e ampl rev. – São Paulo:

editora da Universidade de São Paulo, 2008.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2.ed. – reimpr. – Rio de Janeiro: E.P.U, 2014.

LEVINSON, Warren; JAWETZ, Ernest. Microbiologia médica e imunologia. Trad. José Procópio M. Senna. 7.ed. –Porto Alegre: Artmed, 2005.

MAZZOTTI, Alda Judith Alves. A abordagem estrutural das representações sociais. Psicologia da Educação, São Paulo, 14/15, 1º e 2º semestre, 2002, p. 17-37.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. - 4.ed.- rev. reimpr.- Ijuí: Editora da Unijuí, 2013.

MOREIRA, Marco Antonio. Modelos Mentais. Investigações em Ensino de Ciências – V1(3), pp.193-232, 1996.

MOREIRA, Marco Antonio. O Que é Afinal Aprendizagem Significativa? Mato Grosso, Cuiabá, Qurriculum, La Laguna, Espanha, 2012, v. 1, p. 1–27, 2012.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Editado em inglês por Gerard Duveen; traduzido em inglês por Pedrinho A. Guareschi. 11. Ed.- Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

MOURA, D.H; HENRIQUE. A.L.S. PROEJA: entre desafios e possibilidades. Revista HOLOS, Ano 28, Vol 2, 2012.

POZO, Juan Ignácio; CRESPO, Miguel Angel Gomez. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. – 5.ed. - Porto Alegre: Artmed, 2009.

RODRIGUES, Francisco Sandro Meneses; BOUÇAS, Rodrigo Ippólito; ERRANTE, Paolo Ruggero. Aspectos clínicos, epidemiológicos e correlação de microcefalia congênita pela infecção pelo vírus zika no Brasil. Science in Health; 7(1), 2016, p. 38-49.

SANTOS, Adriana Cavalcanti; et. al. Narrativas de alfabetização dos sujeitos da educação de jovens e adultos: os múltiplos sentidos dos/nos processos educativos. In: VIII Seminário Internacional As Redes Educativas e as Tecnologias: Movimentos Sociais e Educação. Junho/2015, Rio de Janeiro, 2015.

SANTOS, Marcos Pereira. A teoria das representações sociais como referencial didático-metodológico de pesquisa no campo das ciências humanas e sociais aplicadas. Revista Emancipação, Ponta Grossa, 13(1), 2013. p. 9-21.

SANTOS, G. S. Política Curricular e recontextualização na escola: lições a partir da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. Jornal de Políticas Educacionais. V. 11, n. 20. Dezembro de 2017.

SOUSA, et al. Hidrocefalia: revisão de literatura. Revista Universo; Vol 4, Número 6 Jornada Científica da UNIVERSO - Suplemento Saúde – Brasil, 2012,

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell- 4. Ed.- Porto Alegre: Bookman, 2010.

YOUNG, Michael F. D. Conhecimento e currículo: do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educação. Porto: Porto editora, 2010.

YOUNG, Michael F. D. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16 n. 48, set./dez. 2011.

Downloads

Publicado

06/04/2020

Como Citar

SIMPLÍCIO, P. R. G.; SANTOS, A. C. dos. Ensino de Ciências delineado por Representações Sociais. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 562–581, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n26p562-581. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8385. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "PROEJA Artesanato"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)