Práticas avaliativas de Matemática no Ensino Fundamental

Autores

  • Francisca Eudeilane da Silva Pereira Secretaria Municipal de Educação de Teresina (SEMEC)
  • Joelson de Sousa Morais Universidade Federal do Maranhão (UFMA) https://orcid.org/0000-0003-1893-1316

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2024v16n38pe15950

Palavras-chave:

Narrativas Docentes, Práticas Avaliativas, Ensino da Matemática.

Resumo

O objetivo da pesquisa é analisar o que as narrativas revelam sobre o que os professores sabem e pensam a respeito de suas práticas avaliativas na educação matemática. O estudo é de abordagem qualitativa, do tipo reflexiva-interpretativa, tecida em uma pesquisaformação narrativa (auto)biográfica com 04 professores que atuam nos anos Iniciais do Ensino Fundamental de uma escola de rede pública de ensino de Teresina-PI. Os resultados mostraram que cada narrativa, revela um modo de ser, estar e fazer de professores em diálogo com a sua realidade e as práticas avaliativas no ensino da matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Eudeilane da Silva Pereira, Secretaria Municipal de Educação de Teresina (SEMEC)

Mestre em Gestão e Avaliação da Educação Pública pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Especialista em Gestão e Supervisão Pedagógica com Docência no Ensino Superior pela Universidade Vale Acaraú (UVA). Especialista em Ensino da Matemática pelo Instituto Federal do Maranhão (IFMA). Membro da Associação Brasileira de Avaliação Educacional - ABAVE. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Avaliação para a Aprendizagem da Universidade Federal da Bahia - UFBA. Pedagoga da Secretaria Municipal de Educação de Teresina (SEMEC)/PI.

Joelson de Sousa Morais, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) na linha de pesquisa Formação de Professores, Currículo, Trabalho Docente e Avaliação. É pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Continuada (GEPEC/UNICAMP), do Grupo Interinstitucional de Pesquisaformação Polifonia (UNICAMP/UERJ) e do Grupo de Pesquisas Interdisciplinares: Educação, Saúde e Sociedade da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA/CPNQ). É Professor Adjunto I do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) no Centro de Ciências de Codó (CCCO).

Referências

ALVES, Nilda. Cultura e cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação. n.23, Rio de Janeiro, Maio/Agosto. 2003. p.62-74. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782003000200005&script=sci_arttext>. Acesso em: 20 set. 2021.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. A história concisa da matemática no Brasil. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ESTEBAN, Maria Teresa. Uma avaliação de outra qualidade. Presença Pedagógica, vol. 2, São Paulo, 1996.

ESTEBAN, Maria Teresa; LACERDA, Mitsi Pinheiro. Em histórias cotidianas, convites ao encontro entre avaliação e aprendizagem. In: LIBÂNEO, José Carlos; ALVES, Nilda (orgs.). Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação na pré-escola: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. Porto Alegre: Mediação,1996.

HUBERMAN, Michäel. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto editora: 2000. p.31-46.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Tradução de José Cláudio, Júlia Ferreira; revisão Maria da Conceição Passeggi, Marie-Christine Josso. 2. ed. rev. E ampl. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf>. Acesso em: 20 set. 2021.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e criando a prática. 2 ed. Salvador: Malabares Comunicações e eventos, 2005.

MORAIS, Joelson de Sousa; BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza. Pesquisaformação

narrativa (auto)biográfica: da tessitura de fontes aos desafios da interpretação hermenêutica. Educar em Revista, Curitiba, v. 37, e75612, 2021. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/75612/43500. Acesso em: 20 set. 2021.

NACARATO, Adair Mendes. O saber profissional do professor que ensina matemática nos

anos iniciais. ACERVO: Boletim do Centro de Documentação do GHEMAT-SP, v. 1, p. 1-12, 2021. Disponível em:https://ojs.ghemat-brasil.com.br/index.php/ACERVO/article/view/33/29. Acesso em: 03 mar. 2022.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrativas da experiência na pesquisa-formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. Roteiro, Joaçaba, v.41, n.1, p.67-86, jan./abr. 2016. Disponível em: < https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/9267/pdf>. Acesso: 29 set. 2021.

PASSEGGI, Maria da Conceição; SOUZA, Elizeu Clementino de. O movimento (auto)biográfico no Brasil: esboço de suas configurações no campo educacional. Investigación qualitativa, vol.2, n.1 pp.6-26. 2017. Disponível em: https://ojs.revistainvestigacioncualitativa.com/index.php/ric/article/view/56/36. Acesso em: 11 mar. 2021.

PERRENOUD, Philippe. A avaliação entre duas lógicas. In: Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens - entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que avaliar? Como avaliar?: critérios e instrumentos. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

Downloads

Publicado

2024-01-22

Como Citar

PEREIRA, Francisca Eudeilane da Silva; MORAIS, Joelson de Sousa. Práticas avaliativas de Matemática no Ensino Fundamental. Debates em Educação, [S. l.], v. 16, n. 38, p. e15950, 2024. DOI: 10.28998/2175-6600.2024v16n38pe15950. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15950. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação de professores que ensinam Matemática: contextos e práticas

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.