Aspectos formativos de um Curso de Licenciatura em Educação do Campo / Ciências da Natureza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n32p170-193

Palavras-chave:

Educação do Campo, Currículo, Formação docente em Ciências da Natureza

Resumo

Este artigo apresenta um estudo de caso sobre um curso de Licenciatura em Educação do Campo / Ciências da Natureza, pertencente a uma universidade pública federal. A investigação abrangeu a estrutura curricular e as práticas formativas desenvolvidas. Verificou-se que o currículo investigado apresenta espaços significativos destinados aos conhecimentos específicos para o exercício do magistério em escolas do Campo. As respostas dos sujeitos apontam que o curso contribui com uma preparação profissional qualificada para seus egressos, ainda que sua abordagem interdisciplinar tanto seja vista como uma proposta positiva, quanto entendida como um ponto problemático da formação docente proporcionada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Ventura Fonseca, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Carlos Ventura Fonseca é professor Adjunto-1 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sendo vinculado ao Departamento de Ensino e Currículo (DEC) da Faculdade de Educação (FACED). Tornou-se professor da universidade em janeiro de 2017. Possui doutorado em Educação (2014), com tese versando sobre a formação de professores de Química e estruturas curriculares das licenciaturas. Em 2010, obteve o título de mestre em Química, com dissertação desenvolvida na linha de pesquisa Educação em Química. Em 2007, graduou-se em Licenciatura em Química. Toda a formação acadêmica (graduação e pós-graduação) foi realizada na UFRGS. Foi professor da rede estadual e da rede privada de ensino médio do Rio Grande do Sul (2007-2013). Atuou em cursos técnicos integrados ao ensino médio, quando foi professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (2013-2017). Tem experiência em docência e pesquisa na área de Educação em Química, tendo como foco de trabalho os seguintes temas: representações sociais, ensino de Química e Ciências, materiais didáticos, formação inicial e formação continuada de professores. Atualmente, desenvolve seu trabalho em cursos de graduação (Licenciatura em Química, Licenciatura em Pedagogia e Licenciatura em Educação do Campo - Ciências da Natureza) e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. 

Flavia Maria Teixeira dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Flávia Maria Teixeira dos Santos é Professora Associada da Faculdade de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Licenciada em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Formiga (1990), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (1996) e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Fez pós-doutorado no Instituto de Educação da Universidade de Londres, de 2011 a 2012. Foi professora da Educação Básica por 13 anos e, desde 2001, atua na educação superior, com experiência na docência, na pesquisa e extensão. Foi coordenadora da Coordenadoria das Licenciaturas da UFRGS no período de 2009 a 2011. Coordenou o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência (PIBID) e o Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI-CAPES-UC) na UFRGS. É co-editora da Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI). Seus interesses de pesquisa concentram-se na formação de professores, dinâmica das interações, interações discursivas em sala de aula e ensino-aprendizagem de Química.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010. 281 p.

BOVO, M. C. Interdisciplinaridade e Transversalidade como Dimensões da Ação Pedagógica. Urutágua, n. 7, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB 1/2006. Dias letivos para a aplicação da Pedagogia de Alternância nos Centros Familiares de Formação por Alternância, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria 86/2013. Institui o Programa Nacional de Educação do Campo – PRONACAMPO, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB 1/2002 - Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB 4/2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica, 2010a.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB/2/2008- Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 1/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 2/2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, 2002c.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 2/2017. Diário Oficial da União, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 2/2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica.

BRASIL. Presidência da República. Decreto 7.352/2010. Dispõe sobre a Política de Educação do Campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA, 2010b.

BRASIL. Presidência da República. Lei 9.394/1996. Diretrizes e bases da educação nacional.

CALDART, R. S. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012. 788 p.

CAVALCANTE, L. O. H. Das políticas ao cotidiano: entraves e possibilidades para a educação do campo alcançar as escolas no rural. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 18, n. 68, p. 549-564, 2010.

DARLING-HAMMOND, L. A importância da formação docente. Cadernos Cenpec, v.4, n.2, p.230-247, 2014.

DEMO, P. Politicidade da Aprendizagem. In: FREITAS, L. G. de.; MARIZ, R. S.; CUNHA-FILHO, J. L. da. Educação Superior: princípios, finalidades e formação continuada de professores. Brasília: Universa: Líber Livro, 2010. 165 p.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A Pesquisa dos Educadores como estratégia para construção de modelos críticos de formação docente. In: DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. A (orgs.). Pesquisa na Formação e no Trabalho Docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. 200 p.

ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa Qualitativa em Educação: Fundamentos e Tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010. 268 p.

FERNANDES, B. M.; TARLAU, R. Razões para mudar o mundo: a educação do campo e a contribuição do PRONERA. Educação & Sociedade, v. 38, n. 140, p. 545-567, 2017..

FONSECA, C. V.; SANTOS, F. M. T. A formação de professores de química no Rio Grande do Sul: estudo das estruturas curriculares das licenciaturas. Revista e-curriculum, v. 16, p. 721-750, 2018.

FONSECA, C. V.; SANTOS, F. M. T. O curso de licenciatura em química da UFRGS: estudo da estrutura curricular e de aspectos constitutivos da formação docente. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 8, p. 81, 2015.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de Conteúdo. Brasília: Líber Livro Editora, 2008. 3. ed. 80 p.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, v.31, n.113, p. 1355-1379, 2010.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. (coords.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. 294 p.

GHEDIN, E. Perspectivas sobre a identidade do educador do campo. In: GHEDIN, E. (org.). Educação do Campo: Epistemologia e práticas. São Paulo: Cortez, 2012.

GONÇALVES, E. D. A Contribuição dos Movimentos Sociais para a Efetivação da Educação do Campo: A Experiência do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária. Educação & Sociedade, v. 37, n. 135, p. 371-389, 2016.

HAGE, S. A. M. Transgressão do Paradigma da (multi) Seriação como referência para a construção da Escola Pública do Campo. Educação & Sociedade, v. 35, n. 129, p. 1165-1182, 2014.

HALMENSCHLAGER, K. R.; et al. Articulações entre educação do campo e ensino de ciências e matemática presentes na literatura: um panorama inicial. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 19, e2800, 2017.

JESUS, S. M. S. A. Educação do campo nos governos FHC e Lula da Silva: potencialidades e limites de acesso à educação no contexto do projeto neoliberal. Educar em Revista, n. 55, p. 167-186, 2015.

KOLLING, E. J.; NÉRY, I.; MOLINA, M. C. (orgs.). Por Uma Educação Básica do Campo (Memória). Brasília: UnB, 1999.

LOPES; A. C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011. 279 p.

MOLINA, M. C. ; SÁ, L. M. Licenciatura em Educação do Campo. In: CALDART, R. S. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012. 788 p.

MOLINA, M. C. Contribuições das licenciaturas em educação do campo para as políticas de formação de educadores. Educação & Sociedade, v. 38, n. 140, p. 587-609, 2017.

MOLINA, M. C. Legislação Educacional do Campo. In: CALDART, R. S. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012. 788 p.

PASSOS, C. G. O Curso de Licenciatura em Química da UFRGS: conquistas e desafios frente à reformulação curricular de 2005. 2012. Tese de Doutorado, Instituto de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

PAVIANI, J. Interdisciplinaridade: conceito e distinções. Porto Alegre: Edições Pyr, 2005. 140 p.

PPC. Projeto Pedagógico de Curso, Licenciatura em Educação do Campo – Ciências da Natureza, 2013.

RAMOS, M. N.; MOREIRA, T. M.; SANTOS, C. A. dos (orgs.). Referências para Uma Política Nacional de Educação do Campo: caderno de subsídios. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica: Grupo Permanente de Trabalho de Educação do Campo, 2004.

RIBEIRO, M. Educação do campo: embate entre Movimento Camponês e Estado. Educação em Revista, v. 28, n. 1, p. 459-490, 2012.

RIBEIRO, M. Movimento Camponês, Trabalho e Educação: liberdade, autonomia emancipação – princípios e fins da formação humana. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SANTOS, M. Educação do Campo no Plano Nacional de Educação: tensões entre a garantia e a negação do direito à educação. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 26, n. 98, p. 185-212, 2018.

SILVA, F. N. S.; et al. Educação do campo e ensino de ciências no Brasil: uma revisão dos últimos dez anos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 12, n. 1, p. 221-239, 2019.

SOCORRO, P. E. V.; et al . Políticas públicas educativas en el contexto de América Latina. Una perspectiva de la educación rural/educación del campo en Venezuela y Brasil. Educação em Revista, v. 35, e196116, 2019.

SOUZA, J.; OSTERMANN, F.; REZENDE, F. Educação do campo na voz da pesquisa em educação em ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 22, e12275, 2020.

SOUZA, M. A. Educação do campo, desigualdades sociais e educacionais. Educação & Sociedade, v. 33, n. 120, p. 745-763, 2012.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

FONSECA, Carlos Ventura; DOS SANTOS, Flavia Maria Teixeira. Aspectos formativos de um Curso de Licenciatura em Educação do Campo / Ciências da Natureza. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 32, p. 170–193, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n32p170-193. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/10693. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.