Governamentalidade, Prova Brasil e Governo das Infâncias em uma escola pública de São Miguel dos Campos/AL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15255

Palavras-chave:

Governamentalidade, Escola Pública, Crianças, Prova Brasil

Resumo

Este trabalho apresenta dados de uma pesquisa qualitativa desenvolvida em uma escola pública da zona urbana do município de São Miguel dos Campos, estado de Alagoas. O objetivo deste trabalho foi observar a participação das crianças na Prova Brasil e o governo das infâncias exercido pela escola para o alcance de metas. Os resultados apontam uma sujeição e auto responsabilização das crianças pelos resultados da Prova Brasil através de discursos tidos como verdades, formando subjetividades para atender a uma racionalidade política do estado governamentalizado, alinhadas aos fins do ranqueamento do IDEB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla de Oliveira Santos, Universidade Estadual de Alagoas

Graduada em Pedagogia , Especialista em Gestão Escolar, Mestre em Educação e Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). É membro dos Grupos de Pesquisa: Currículo, Atividade Docente e Subjetividade e Educação e Relações Étnico-Raciais (ERER). Dedica-se ao estudo/pesquisa nas seguintes áreas: Currículo, Diversidade Cultural , Relações Étnico-Raciais, Educação de Jovens e Adultos , Gestão Educacional e Políticas Públicas. 

Laura Cristina Vieira Pizzi, Universidade Federal de Alagoas

Professora Titular

Programa de Pós-Graduação em Educação - Centro de Educação

Universidade Federal de Alagoas

Referências

ARENHART, Deise. Culturas infantis e desigualdades sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.BUJES,Maria Isabel Edelweiss. Infância e Maquinaria. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CÉSAR,Maria Rita de Assis César;DUARTE,André. Governo dos Corpos e Escola Contemporânea: pedagogia do fitness. Revista Educação e Realidade. Rio Grande do Sul. Número 34, mai - ago 2009. Disponibilidade em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/download/8264/5534 Acesso em 25 out.2021.

CERVI, Gicele Maria. Política de gestão escolar na sociedade do controle. Rio de Janeiro: Achiamé, 2013.

DANELON, Márcio. A infância capturada: escola, governo e disciplina. In: Michel Foucault: o governo da infância. Organização Haroldo de Resende. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, p.217-239.

DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

FOUCAULT,Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução: Salma Tannus Muchail. 9 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT,Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collége de France (1977-1978). Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Roberto Machado (int.rev.). 26 ed. São Paulo: Graal, 2013.

FRIEDMANN, Adriana. A arte de adentrar labirintos infantis. Quem está na escuta? diálogos, reflexões e trocas de especialistas que dão vez e voz às crianças. [Meio eletrônico]. (2016). Disponível in: rimeirainfancia.org.br/wp-content/uploads/2016/11/T300000001836-0-Mapa_infancia-000.pdf Acesso em 17 de setembro de 2018.

GALLO, Sílvio. “O pequeno cidadão”: sobre a condução da infância em uma governamentalidade democrática. In: Michel Foucault: o governo da infância. Organização Haroldo de Resende. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, p. 329-343.

LEMOS Flávia Cristina Silveira. A UNESCO e o governo da infância por meio do capital social: problematizando práticas de segurança. In: Michel Foucault: o governo da infância. Organização Haroldo de Resende. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, p.115-125.

MACEDO,Elina Elias de;SANTOS,Solange Estanislau dos. A perspectiva pós-coolonial e as pesquisas com crianças. In: Pedagogias descolonizadoras e infâncias: por uma educação emancipatória. Organização Solange Estanislau dos Santos (et.al).Maceió:EDUFAL:Imprensa Oficial Graciliano Ramos, 2018,p.115-124.

MARÍN, Dora. Natureza Infantil e Governamentalidade Liberal. Currículo sem Fronteiras. V.11, n.1, jan/jun 2011. Disponibilidade em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol11iss1articles/marin.pdf Acesso em 27 jan. 2020.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa. V.34, n.122, 2004. Disponibilidade em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v34n122/22506.pdf Acesso em 25 nov. 2021.

POPKEWITZ, Thomas S. A Reforma como Administração Social da Criança: a Globalização do Conhecimento e do Poder. In: Globalização e Educação: perspectivas críticas. Organização Nicholas Burbeles; Carlos Alberto Torres.Tradução: Ronaldo Catoldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2004, pp. 107-125.

RESENDE, Haroldo de. A infância sob o olhar da Pedagogia: traços da escolarização na Modernidade. In: Michel Foucault: o governo da infância. Organização Haroldo de Resende. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, p.p. 127-140.

SOUZA, Gisele. A criança em perspectiva: o olhar do mundo sobre o tempo infância. São Paulo: Cortez, 2007.

TEMPLE, Giovana Carmo. Acontecimentos, poder e resistência em Michel Foucault. Cruz das Almas, BA: UFRB, 2013.

VEIGA-NETO, Alfredo. Por que governar a infância? In: Michel Foucault: o governo da infância. RESENDE, Haroldo de (org.). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, p.49-56.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a educação. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

Downloads

Publicado

2023-05-25

Como Citar

SANTOS, Karla de Oliveira; PIZZI, Laura Cristina Vieira. Governamentalidade, Prova Brasil e Governo das Infâncias em uma escola pública de São Miguel dos Campos/AL. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e15255, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15255. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15255. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.