O valor educativo dos processos de certificação de aprendizagens: o papel da autoavaliação a partir de uma pesquisa exploratória na Toscana (Itália)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p545-561

Palavras-chave:

competências, certificação, autoconfiança, autoavaliação

Resumo

Em um sistema econômico no qual o conhecimento desempenha um papel central, o conhecimento do trabalhador é certamente estratégico. Desde o final do século XX, a Europa começou a refletir sobre novas estratégias e medidas para a integração das políticas de educação, emprego e inclusão social e para apoiar a mobilidade dentro dos países europeus. O Quadro Europeu de Qualificações, baseado no princípio da transparência das qualificações e competências, é um modelo de referência para a validação e certificação de aprendizagens prévias e para a transferência e utilização de qualificação em diferentes países e sistemas. Com base em um estudo exploratório, essa contribuição pretende sustentar a hipótese de que o processo de certificação de competências, através da autoavaliação, não representa apenas uma ferramenta para a aquisição de uma qualificação profissional, mas que também pode se configurar como um motor de mudança e transformação do sujeito. Todo o caminho deve ativar os processos de empoderamento individual, não apenas aprimorando e aumentando competências e habilidades, mas desenvolvendo a autoconfiança e reforçando essa capacidade de aprendizado autônomo.

Biografia do Autor

Giovanna Del Gobbo, Università Degli Studi Di Firenze (UniFI – Itália)

Giovanna Del Gobbo é Professora Associada de Pedagogia Experimental no Departamento de Educação, Idiomas, Intercultura, Literatura e Psicologia da Universidade de Florença, Delegada Reitora para Professores de Ensino Primário e Secundário e Delegada de Qualidade para o Departamento de Ciências de Educação e Psicologia. Ele é o diretor científico do spin-off acadêmico MoCa Future Designers. A atividade de pesquisa, vinculada à didática e às atividades de transferência previstas pela terceira missão universitária, desenvolveu-se ao longo do tempo, mantendo forte caracterização empírica e convergindo para a educação de adultos. A pesquisa sobre o valor educacional do patrimônio natural e cultural, em uma perspectiva holística e ecossistêmica, em particular, está alinhada com os objetivos do desenvolvimento humano sustentável.

Referências

ATHANASOU, J.A., Self-evaluations in adult education and training. Australian Journal of Adult Learning Volume 45, Number 3, November 2005, 291-303

AUSUBEL, D. P. The acquisition and retention of knowledge. Dordrecht: Kluwer, 2000.

BANDURA, A.. Social foundations of thought and action: A social cognitive theory, Englewood-Cliffs, NJ: Prentice-Hal, 1986.

BONACCI, M. L’implementazione nel sistema Italia delle specifiche tecniche di ECVET, Roma: ISFOL, 2014. http://isfoloa.isfol.it/handle/123456789/918

CAPPERUCCI, D. La valutazione delle competenze in età adulta. Il contributo dell’”experiential learning” e dell’approccio riflessivo. Edizioni ETS, Pisa, 2007.

CASTOLDI, M. Valutare le competenze, Carocci, Roma, 2009.

COMMISSION OF THE EUROPEAN COMMUNITIES, A Memorandum on Lifelong Learning Brussels, 2000, SEC (2000) 1832.

COMMISSIONE DELLE COMUNITA EUROPEE, Realizzare uno spazio europeo dell’apprendimento permanente, COM (2001) 678, 21.11.2001.

COMMISSIONE DELLE COMUNITA EUROPEE, Proposta di direttiva del Parlamento europeo e del Consiglio relativa al riconoscimento delle qualifiche professionali, COM/2002/0119 30 luglio 2002.

COMUNICAZIONE DELLA COMMISSIONE, Europa 2020 una strategia per la crescita intelligente, sostenibile e inclusiva, COM (2010) 2020.

CONSIGLIO DELL'UNIONE EUROPEA, Conclusioni del Consiglio europeo su occupazione, riforme economiche e coesione sociale, Lisbona, 23-24/04/2000.

DELORS, J., Libro bianco su Istruzione e Formazione. Insegnare e apprendere. Verso la società conoscitiva, Bruxelles, Commissione europea, 1995.

FEDERIGHI, P. Methodology for the analysis of adult education systems. Results and policy trends in Italy (2014-2019). Form@re. FUP. In press. 2019.

GALLIANI. Valutazione delle competenze e sviluppi professionali, in FELISATTI E., MAZZUCCO C. (a cura di) Le competenze verso il mondo del lavoro, Atti della VII Biennale Internazionale sulla Didattica Universitaria, Padova, 3-4 dicembre 2008, Pensa Multimedia, Lecce, pp. 79-88, 2010.

GLATTHORN, A. Performance Standard and Authentic Learning, Eye on Education, Larchmont, (NY), 1999.

NOVAK, J.D. Meaningful Learning: The Essential Factor for Conceptual Change in Limited or Inappropriate Propositional Hierarchies Leading to Empowerment of Learners, Wiley Periodicals, Inc. Sci Ed 86:548–571, 2002; Published online in Wiley Interscience, 2002. (www.interscience.wiley.com)

ORMROD, J.E. Human learning, Upper Saddle River, NJ: Pearson, 2004.

PELLEREY, M. Le competenze individuali e il Portfolio, RCS Libri, Milano, 2004.

PELLEREY, M. Competenze. Conoscenze, abilità, atteggiamenti, I quaderni di Voci della scuola, Tecnodid, Napoli, 2010.

PERULLI, E. Rappresentare, riconoscere e promuovere le competenze. Il concetto di competenza nella domanda clinica e sociale di benessere e sviluppo, Franco Angeli, Milano, 2007.

PERULLI, E. Validazione degli apprendimenti non formali e informali: standard, processi, attori, garanzie nelle riforme nazionali, Roma: Isfol, 2015.

RACCOMANDAZIONE DEL PARLAMENTO EUROPEO E DEL CONSIGLIO, Un sistema europeo di crediti per l’istruzione e la formazione professionale (ECVET) (2009/C 155/02), 18/06/2009.

RACCOMANDAZIONE DEL PARLAMENTO EUROPEO E DEL CONSIGLIO, Competenze chiave per l’apprendimento permanente (2006/962/CE), del 18/12/2006

SOFFEL, J. What are the 21st-century skills every student needs?, Website Editor, World Economic Forum, 2016.

SPENCER, L.M, SPENCER, S.M. Competenze nel lavoro. Modelli per una performance superiore, Franco Angeli, Milano, 1993.

STRAUSS, A., CORBIN, J. Basics of Qualitative Research. Grounded Theory Procedures and Techniques, Sage, Newbury Park (CA), 1990.

Downloads

Publicado

06/04/2020

Como Citar

DEL GOBBO, G. O valor educativo dos processos de certificação de aprendizagens: o papel da autoavaliação a partir de uma pesquisa exploratória na Toscana (Itália). Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 545–561, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n26p545-561. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/8228. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "PROEJA Artesanato"